23° Torneio de Gateball foi realizado no mês de julho

Os participantes que representaram o município nos jogos se classificaram em terceiro lugar 

No primeiro domingo do mês de julho, aconteceu o 23° torneio de Gateball em Ituverava, esporte que envolve muita concentração e habilidade. A equipe de Ituverava. Se classificou em 3° lugar.
As categorias foram divididas entre Idoso e Livre, que reuniu 12 equipes de várias cidades, entre elas Ribeirão Preto, Guatapará, Araraquara, Guairá, Ituiutaba. Ituverava participou de ambas categorias.
Na categoria Idoso jogaram para a equipe local: Húzio Hashimoto, Noboru, Haruko, Ernesto e Luzia. Pela categoria Livre participaram os atletas: Osvaldo, Roberto André, Walter e Joaquim, em ambas categorias os ituveravenses ficaram em terceiro lugar.
Uma das participantes, Luzia Maeda Hashi, fala sobre a experiencia do 23° torneio de Gateball. “Conquistamos o 3° lugar nas duas categorias, minha equipe e eu estamos muito felizes com o resultado, o importante é competir, por isso sempre comparecemos em todos os torneios”, afirma a atleta.

Regras do gateball são simples e desgate físico moderado 

É um esporte apreciado por uma grande faixa etária, da criança ao idoso. Sua regra é simples e o desgaste físico moderado, sendo excelente esporte onde o trabalho em equipe e o raciocínio para elaborar táticas tem papel fundamental.
São necessários quatro equipamentos para prática deste esporte: Stick (Taco), gate (arco), goal pole (pino central) e bola. As bolas são divididas em cores branca e vermelha, sendo as vermelhas com números ímpares, 1-3-5-7-9 e as brancas os números pares: 2-4-6-8-10. as quais correspondem ao número de ordem de tacada.
A quadra pode ser feita em qualquer superfície plana de terra, grama natural ou sintética, cuja metragem segue abaixo.

Jogo
Separa-se os atletas em dois grupos: 5 pessoas com bola vermelha e 5 com bola branca, iniciando sempre com o jogador da bola vermelha. A duração do jogo é de 30 minutos e dentro deste espaço de tempo, cada jogador deverá passar pelos Gates 1, 2 e 3 e por fim acertar no goal pole. Este seria o defecho “ agari” da jogada.
As disputas consistem em impulsionar a bola com auxílio do taco e fazê-la passar embaixo dos três arcos (“gates”), todos com 22 centímetros de largura por 20 centímetros de altura. Cada passagem (“tsuka”) pelo gate equivale a um ponto.
A medida que a bola atinge o pino central, a pontuação é dupla, fazendo com que a equipe, ao final da trajetória (“agari”), obtenha cinco pontos.
Além de seus fundamentos básicos, o gateball também possui alguns macetes peculiares, para um melhor desempenho – o “supak” é um deles, quando o competidor apoia um dos pés sobre uma ou mais bolas, auxiliando a performance da tacada. “É jogando mesmo que se aprende”, afirma um especialista.