Adolescência é período em que muitos medos se intensificam

A adolescência não é uma fase simples da vida, apesar das indiscutíveis e maravilhosas vivências que ela proporciona. Nessa fase, se misturam grandes mudanças físicas, hormonais, psicológicas e sociais. Devido à somatória desses fatores, os medos na adolescência são comuns.
A adolescência traz grandes desafios para jovens, que passam a ter que se adaptar, em primeiro lugar, às alterações no corpo e às mudanças psicológicas decorrentes dessas alterações.
Na verdade, os medos na adolescência não se diferem muito dos medos da vida adulta. Os jovens, assim como os adultos, passam por medo da rejeição, do fracasso, da solidão, do amor, entre outros. O que difere é o contexto no qual essas emoções vêm à tona.
Durante a juventude, as pessoas têm toda a vida pela frente. Isso inclui muitas possibilidades e esperanças, mas também uma carga muito grande de incertezas.
Em contrapartida, ao crescer, algumas dessas questões vão sendo resolvidas. Portanto, a estabilidade emocional aumenta e o cérebro pode se concentrar no objetivo seguinte.
A adolescência é um período de transição, dúvidas e questionamentos em relação a tudo. Por isso, confira quais são os medos que acompanham a maioria dos adolescentes:

Medo da frustração
Esse medo surge, em grande medida, devido à preocupação constante dos pais em manter os filhos a salvo de qualquer situação desagradável. Dessa maneira, os jovens vivem em permanente estado de comodidade e satisfação. Mas, quando passam por um tropeço na vida, as consequências são ainda piores.
Desenvolver a tolerância à frustração e, principalmente, a capacidade de superar as adversidades é essencial para qualquer pessoa. Quando não é isso que acontece, todos os planos da vida são prejudicados: o profissional, o sexual, o familiar, o social, entre outros.
Além disso, é importante saber que os jovens não são obrigados a corresponder às expectativas de ninguém. A base de comparação deveria ser somente eles mesmos.

Medo do futuro
À medida que os jovens vão se integrando à sociedade, passam a perceber que todas as expectativas estão depositadas neles. É frequente que isso os atormente. Um jovem de 16 anos, que está quase se formando no ensino médio, se encontra frente a vários questionamentos, como: qual profissão devo escolher?, será que eu devo começar a trabalhar e ter meu próprio dinheiro?, e se eu não me der bem na universidade? e será que eu vou conseguir fazer novos amigos ou ter uma namorada?
Esses são apenas alguns questionamentos, já que pode haver muitos outros em curto ou longo prazo que também vão invadir a mente dos jovens. Esses medos na adolescência podem causar ansiedade, insegurança e falta de autoestima. É necessário muito apoio para que a criança tenha para quem contar suas preocupações e uma voz que transmita serenidade.
“Desenvolver a tolerância à frustração e, principalmente, a capacidade de superar as adversidades é essencial para qualquer pessoa.”

Medo da rejeição
Os adolescentes ainda não estão com suas identidades completamente definidas. Portanto, vão formando com base na interação com outros pares ou grupos de pessoas.
No entanto, quando não se consegue estabelecer essa interação, o adolescente pode sentir medos mais profundos. Isso pode levar a mudanças precipitadas, questionamentos sobre seus valores e, até mesmo, a adoção de hábitos nocivos, apenas pelo fato de que “é legal”.
A rejeição não é uma exclusividade do âmbito amoroso. Também pode ocorrer entre amigos, colegas de sala ou, até mesmo, por parte dos adultos.
Nesse último caso, é comum a preocupação excessiva em ser incluído em um time ou algum outro grupo seleto.

Medo da perda 

Assim como no caminho da adolescência vão se somando pessoas que ao longo da vida se tornam insubstituíveis, o oposto também acontece. Outras pessoas ficam para trás ou são completamente excluídas das nossas vidas.
Amigos de infância, parentes ou, até mesmo, animais de estimação, seja por motivos sentimentais ou perdas físicas, podem abandonar o nosso convívio. Essas mudanças, principalmente quando são novas experiências na vida de um jovem, podem ser muito duras e gerar muito medo.
Mais uma vez, e ao longo de toda essa fase, é fundamental o apoio e a orientação de pessoas mais experientes. Os pais, os avós e os irmãos mais velhos podem ajudar a superar as situações difíceis de lidar por conta própria.