Aposentado é encontrado morto em casa

Residência onde aposentado foi encontrado morto

Um homem de 29 anos, preso por furto de desodorantes na terça, 22 de maio, é acusado de ser o autor dor crime 

No domingo, 20 de maio, mais um crime brutal chocou a população de Ituverava, e principalmente os moradores da Vila Beatriz, local onde a ação criminosa aconteceu.
Segundo informações da Polícia Militar, Francisco Mizael de Assis, 66 anos, que residia à Rua Fabiano Alves de Freitas, foi encontrado morto em cima da cama, com uma placa de concreto sobre a cabeça. A Polícia Civil investiga o caso como homicídio qualificado, mas também trabalha com a suspeita de latrocínio, ou seja, roubo seguido de morte.
Dois dias após o ocorrido, no dia 22, um homem de 29 anos, que possui diversas passagens pela polícia foi detido, indiciado e teve a prisão deferida pela Justiça por suspeita de matar e roubar o aposentado. Horas antes da prisão, ele havia agredido a namorada próximo a um posto de saúde no centro da cidade e depois furtado desodorantes em um supermercado.
De acordo com o delegado responsável pela investigação do caso, o Delegado de Polícia João Paulo de Oliveira Marques, o suspeito já estava sendo investigado pela morte do aposentado. E, apesar de não admitir o crime, a investigação aponta que o acusado é o responsável pela ação e que teria roubado dinheiro da vítima após matá-la.
“Testemunhas e as diligências mostram que foi ele. Pedimos sua prisão preventiva por latrocínio e ela foi deferida. O suspeito, que já cometeu outros homicídios em Ituverava, foi encaminhado à Penitenciária de Franca pelos crimes: furto e latrocínio”, afirma o Dr. João Paulo.

Suspeito
Além da morte do aposentado, o suspeito também foi autuado por dois crimes cometidos no dia de sua prisão. O primeiro, praticado contra a sua namorada, aconteceu por volta de 7h30, perto de um posto de saúde. Segundo a PM, ele a agrediu no meio da rua agarrando-a pelo pescoço, e esconder uma imitação de arma.
Ele foi preso e conduzido à Delegacia de Polícia, e liberado após a mulher desistir de prestar queixa. Como não havia lesão corporal aparente, ele não foi enquadrado na Lei Maria da Penha e foi solto.
Menos de três horas depois, o suspeito foi a um supermercado, também na região central da cidade, e furtou nove desodorantes. Ele fugiu, mas câmeras de segurança flagraram sua ação e a PM o prendeu. O delegado João Paulo deu voz de prisão em flagrante pelo crime.

O crime
A PM informou ter sido chamada por volta das 14h, a comparecer à casa do aposentado, por um vizinho que após chamar o idoso, não obteve resposta. Os agentes verificaram que o quarto da vítima estava revirado e que o telhado havia sido quebrado.
Ainda de acordo com a Polícia Militar, foram encontrados no bolso de uma calça da vítima, dois extratos bancários com R$ 24 mil disponível para saque e ao lado da cama onde o aposentado foi encontrado, R$ 1 mil em espécie. Apesar disso, nenhum valor foi sacado após o crime. Uma carteira também foi localizada, mas não continha documentos nem cartões de banco.
De acordo com o delegado, os valores informados nos extratos, haviam sido depositados dias antes do crime. A perícia esteve no local, que foi interditado para as investigações, e o corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML. A Polícia Civil aguarda o resultado da necropsia com a causa da morte.

Violência
Segundo os vizinhos, o idoso morava sozinho na casa alugada, levava uma vida simples e recebia ajuda de várias pessoas. O dono do imóvel, o vizinho que encontrou o corpo da vítima, havia jantado com ele na noite anterior e tinham combinado de tomar café da manhã.
“Como ele não apareceu, percebi que tinha algo estranho e fui até a casa dele, e o encontrei com a pedra em cima”, diz.
Vários vizinhos lamentaram a morte do aposentado. “Estou muito triste.
O jeito que ele morreu foi muito brutal. Como uma pessoa faz isso com a outra? Por que não pegaram o dinheiro e o deixaram vivo”, disse uma dona de casa.