Aposente-se, essa é a dica


José Eduardo Mirândola Barbosa é advogado e jornalista

Caro leitor, você como muitos deve estar preocupado com a reforma da previdência, que deve ser votada ainda este ano no Congresso – Câmara dos Deputados e Senado Federal pois altera a Constituição e a Lei Federal que trata da Previdência.
Apesar da reforma – esta ainda é um PROJETO o qual será discutido e passará por alterações sem sombra de dúvidas, e essa não terá sua validade acredito ainda para este exercício de 2019.
Portanto, não há o que se desesperar ainda.
Mas convenhamos, houve alguma reforma até hoje para ajudar o cidadão brasileiro ? Se sim, então você que já tem algum direito garantido espere para ver, se a resposta for não, corra e garanta pelo menos um mínimo de aposentadoria.
Quando iniciei nos estudos jurídicos em 1996, a pensão por morte era um benefício garantido ao cônjuge sobrevivente e hoje se não houver prova do casamento em pelo menos um período de anos, o supersite nem recebe nada, além de que a pensão deixou de ser vitalícia e passou a durar alguns anos.
Isso não fez (diminuir a pensão por morte) e a reforma não fará qualquer cosquinha na “suposta” dívida ou rombo do INSS.
Aliás não serão os míseros R$ 998,00 do salário mínimo ou o teto previdenciário, restritíssimo a poucos de R$ 5.000,00 e alguns quebrados que quebrará ou responsável pelo rombo do INSS.
Nesse Brasil nada tem segurança jurídica, pois até o IPESP o qual passei a contribuir visando ter uma aposentadoria a mais, ocasião em que era permitido seu ingresso por advogados foi extinto e devolverão uma merreca para aqueles que contribuíram ao longo de vários anos.
É assim, então se tens algum direito, APOSENTE-SE.
José Eduardo Mirândola Barbosa é advogado e jornalista