Bate-Bola

Neivaldo Figueiredo Pereira

Idade: 57 anos
Profissão: Metalúrgico Aposentado
Nome da esposa: Vera Lúcia dos Santos Pereira
Filhos: Edevaldo dos Santos Pereira, Aline dos Santos Pereira e Neivaldo Figueiredo Pereira Júnior
Filiação: Edson Pereira (in memoriam) e Dirlene Carlos de Figueiredo Pereira

Já jogou futebol? Em quais times? Qual posição?
Joguei em vários times amadores da cidade, como da Vila são Jorge, Cohab e outros. Sou do tempo que saíamos todos os domingos para jogar futebol nas cidades vizinhas e nas fazendas. Bons tempos. Jogava em uma posição que hoje não existe mais, o antigo ponta direita, era rápido e perigoso (risos).

Para qual time você torce? Por quê?
Sou corintiano e não há como explicar, provavelmente foi quando assisti a uma partida do Corinthians na minha casa em 1974. Mas, na verdade, acredito que já nasci corintiano e é uma paixão que só aumenta, pois não existem adjetivos para explicar esse sentimento.

Para qual time você jamais torceria? Dê três motivos. Para qual torceria em segundo lugar?
Eu amo futebol. Assisto todos os jogos que posso de qualquer divisão, mas não torço e, jamais torceria para outro time que não seja o Sport Clube Corinthians Paulista.

Qual foi o melhor jogador que já atuou pelo seu time e qual a melhor formação de todos os tempos? Descreva um momento inesquecível do seu time.
Na minha opinião, foi o ‘imortal” Dr. Sócrates e sua democracia corintiana. Ela era bom dentro e fora de campo. O time ideal: Càssio, Wladimir, Gamarra, Balbuena, Zé Maria, Ralf, Rivelino, Sócrates, Marcelinho Carioca, Carlito Tévez e Casagrande. Momento inesquecível foi a conquista do título do Paulista de 1977, quando lotamos a Avenida Dr. Soares de Oliveira, da Praça 10 de março ao Alto da Estação. Nunca mais vi igual.

Você acredita que com as contratações de jogadores de alto nível que vieram do exterior melhorou o nível do futebol brasileiro? Acredita que essa politica deve continuar este ano? Por quê?
Com certeza melhorou muito, por outro lado, é preciso analisar o alto custo desses jogadores se os clubes terão recursos para mantê-los. Mas quanto mais jogadores do exterior melhor.

Você considera que os técnicos estrangeiros são melhores do que os brasileiros? Por quê?
Não acredito que sejam melhores, talvez estejam melhor preparados, pois em nosso futebol é muito difícil ser treinador, inclusive os estrangeiros, tirando o Jorge Jesus que está fazendo um bom trabalho no Flamengo, pois os treinadores têm muita instabilidade nos clubes.

Na sua opinião, os campeonatos regionais, com o paulistão, despertam o mesmo interesse que o Brasileirão? Por que?
Com certeza, os torcedores gostam de quanto mais jogos com maior rivalidade melhor. Um clássico no Paulistão tem a mesma adrenalina que um clássico no Brasileirão.

Você acredita que times de menor expressão (do interior) possam chegar a final do paulistão 2020? Quais times você acredita que poderiam chegar?
Eu acredito que sim, pois muitos já chegaram em anos passados e, não será nenhuma surpresa se aparecer esse ano. Eu acho que Santo André, Mirassol e Bragantino têm chances esse ano.

Você considera o técnico Tite o ideal para comandar a seleção brasileira? Se não, qual você escolheria?
No momento o Tite é o melhor e, na minha opinião, ficaria até a próxima Copa do Mundo. A partir daí, independente de ganhar a copa de Mundo ou não, faria uma profunda renovação, inclusive no comando técnico.

Qual sua opinião das mulheres no futebol. Elas estão ganhando espaço?
Com certeza já temos campeonatos femininos organizados como o Brasileiro, Paulista e outros, como a Libertadores que, aliás, somos os atuais campeões (risos). Com isso, elas estão ganhando mais espaço e direitos trabalhistas, o que é muito importante para as profissionais.

Você acha que o futebol feminino pode, em curto espaço de tempo, ter a mesma repercussão do masculino?
Eu acredito que pode chegar a ter a mesma repercussão que o masculino, mas não vai ser tão rápido, apesar de entidades como a CBF, tentarem atrair investidores, mas sabemos que essa batalha não é fácil.

Você prefere o sistema de competição por mata mata, como no campeonato paulista, ou por pontos corridos, como no Brasileirão? Por quê?
Eu prefiro o sistema de mata mata, que é muito mais emocionante, pois em um campeonato por pontos corridos quando um time deslancha na frete dos outros fica um pouco chato.

Cite o nome completo de três torcedores de outros times e mande um recado para eles. Mande também um recado para todas as torcidas de Brasil.
Para Edson Roberto dos Santos: e aí palmeirense, não falei que seu filho Cauê (que joga no sub 17 do Corinthians) torceria para o Timão para pagar sua língua? Ver você na torcida do Corinthians não tem preço (risos).
Cleiton José de Santos Junior que é são paulino: Chora freguês mais um ano sem títulos Sinto muito meu amigo Anderson Lira, você está muito alegre com o seu Flamengo mas, aguarde, não vai durar muito e a fonte vai secar e vocês vão voltar a ser aquele timinho de sempre.
Um recadinho para todas as torcidas: os tempos mudaram e vamos nos unir contra a homofobia e o racismo, pois não da para tolerar mais. Unidos somos mais fortes.