Cidadania Eleições 2018

Eleitores decidem futuro do Brasil neste domingo 

Nas Eleições 2018 serão disputadas vagas para os cargos de presidente, governador, senador, deputado federal e deputado estadual 

Nas Eleições 2018 serão disputadas vagas para os cargos de presidente, governadores, senadores, deputados federais e deputados estaduais ou distritais.
Quando for votar o eleitor deve prestar atenção à ordem em que os cargos vão aparecer na urna eletrônica. A votação vai ser nesta ordem: deputado federal (número com 4 dígitos); deputado estadual ou distrital (número com 5 dígitos); senador (número com 3 dígitos); senadorsegunda vaga (número com 3 dígitos); governador (número com 2 dígitos) e presidente (número com 2 dígitos).
Depois de digitar o número do candidato a foto dele vai aparecer na tela da urna. Se estiver certo basta apertar a tecla verde (Confirma).
Se o eleitor errar algum número é só apertar a tecla laranja (Corrige), digitar outra vez o número do candidato ou da legenda do partido e clicar na tecla verde (Confirma).
Ao finalizar a votação a urna emitirá um sinal sonoro e a mensagem “FIM” aparecerá na tela para indicar que os votos foram computados.

Números
Na 60º Zona Eleitoral de Ituverava, estão inscritos 29.953 eleitores. Sendo 26.593 na cidade; 722 – bairro rural de Aparecida do Salto, 2.332 – distrito de São Bendito da Cachoerinha e 306 – distrito de Capivari da Mata. São 99 seções de votação, em 13 locais. Foram convocados 396 mesários para atuar na eleição.

Quem são os treze candidatos à  Presidência da República em 2018  

Disputa pelo Palácio do Planalto tem maior número de candidatos desde 1989, quando foram 22 os presidenciáveis 

Com treze candidatos, a corrida pelo Palácio de Planalto nas eleições deste domingo, 7, é a mais concorrida e pulverizada desde 1989, a primeira da redemocratização, quando foram 22 os presidenciáveis.
Além de PT e PSDB, que polarizam as disputas pelo Planalto desde 1994, o pleito deste ano terá um candidato do MDB após 24 anos, um do PDT, depois de doze anos, e a estreia da Rede Sustentabilidade, criada em 2015, no cenário nacional.
Também estarão representados nas urnas com cabeças de chapa o PSOL, que vem lançando candidatos à Presidência em todos os pleitos desde 2006, PSL, PPL e PSTU, além de partidos que aderiram à tendência de abolir siglas como nome: Podemos, Novo, Democracia Cristã e Patriota.

Veja quem são os candidatos à Presidência 

Jair Bolsonaro (PSL) – 17
Capitão da reserva do Exército, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), 63 anos, é o representante do conservadorismo e da direita com maior potencial eleitoral na disputa deste ano.

Fernando Haddad (PT) – 13
O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad foi o escolhido pelo PT para substituir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como candidato do partido ao Palácio do Planalto. O PCdoB, aliado histórico do PT em eleições presidenciais, terá a deputada esta- dual gaúcha Manuela D’Ávila como vice na chapa de Fernando Haddad.

Ciro Gomes (PDT) – 12
O ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes, 60 anos, está de volta à disputa pela Presidência após dezesseis anos. Filiado ao PDT, depois de passar por seis partidos, Ciro havia concorrido ao Planalto em 1998 e 2002, pelo PPS, e não chegou ao segundo turno em nenhuma das duas ocasiões.

Geraldo Alckimin (PSDB) – 45
Governador de São Paulo por quatro vezes, Geraldo Alckmin (PSDB), 65 anos, disputa pela segunda vez a Presidência da República. Sua vice, avalizada pelo Centrão, é a senadora Ana Amélia (PP-RS), de 73 anos.

Marina Silva (Rede) – 18
Em sua terceira tentativa de chegar à Presidência — foi derrotada ainda no primeiro turno em 2010 e 2014 —, a ex-ministra e ex-senadora Marina Silva(Rede), 60 anos, disputa a primeira eleição ao Palácio do Planalto liderando a Rede Sustentabilidade, partido que ela idealizou e ganhou vida em 2015. Nos pleitos anteriores, ela estava filiada a PV e PSB, respectivamente.

Alvaro Dias (Podemos) – 19
Ex-governador do Paraná e senador em terceiro mandato, Alvaro Dias(Podemos), 73 anos, concorre à Presidência pela primeira vez. Apostando no discurso de “refundar a República” e na promessa de que convidará o juiz federal Sergio Moro para ser seu ministro da Justiça, Dias tem como principal força o sul do país. O vice de Alvaro Dias é o ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Paulo Rabello de Castro (PSC), 69 anos.

Henrique Meirelles (MDB) – 15
Depois de 24 anos, o MDB voltará a ter um candidato à Presidência da República. O nome escolhido pelo partido, um neoemedebista, é o do ex-presidente do Banco Central e ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, 72 anos, filiado ao partido em abril.
Aliado apenas ao nanico PHS, o ex-ministro terá como vice o ex-governador do Rio Grande do Sul Germano Rigotto (MDB), de 68 anos.

João Amoêdo (Novo) – 30
Ex-executivo dos bancos Unibanco e Itaú-BBA, o carioca João Dionisio Filgueira Barreto Amoêdo, 55 anos, fundou o Partido Novo em 2011 e disputa a Presidência da República pela primeira vez. Com um discurso liberal e favorável a privatizações, Amoêdo é o mais rico entre os treze presidenciáveis – ele declarou ao TSE um patrimônio de 425 milhões de reais.

Guilherme Boulos (PSOL) – 50
O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, 36 anos, mantém a tradição do PSOL em lançar candidatos à Presidência da República desde que o partido foi criado, em 2004, a partir de dissidências do PT. Antes dele, concorreram pela legenda Heloísa Helena, em 2006, Plínio de Arruda Sampaio, em 2010, e Luciana Genro, em 2014.

Os nanicos
No pelotão de nanicos da eleição presidencial de 2018 estão o sempre presente José Maria Eymael (Democracia Cristã – 27), candidato em 1998, 2006, 2010 e 2014; o deputado federal Cabo Daciolo (Patriota – 51); o escritor João Goulart Filho (PPL – 54), filho do ex-presidente João Goulart; e Vera Lúcia (PSTU – 16).

Veja quem são os candidatos a governador de São Paulo 

Doze candidatos disputam o Palácio dos Bandeirantes 

Edson Dorta (PCO) – 29 -Aos 46 anos, Edson Dorta é servidor público que trabalha nos Correios e foi diretor no sindicato que representa a categoria. Ele tem como candidata a vice-governadora Lilian Miranda, também do PCO.

João Doria (PSDB) – 45- Ex-prefeito de São Paulo (que deixou o cargo justamente para tentar chegar ao governo do Estado), Doria declarou patrimônio de R$ 189 milhões à Justiça Eleitoral e tem apoio de uma coligação formada por PSDB, DEM, PSD, PRB, PP e PTC. Seu vice é Rodrigo Garcia, do Democratas.

Luiz Marinho (PT) – 13- Ex-ministro do Trabalho no governo Lula, Luiz Marinho foi também prefeito de São Bernardo do Campo por dois mandatos e é o atual presidente estadual do PT. Sua chapa tem o apoio do PCdoB e conta com Ana Bock (PT) como candidata a vice.

Major Costa e Silva (DC) – 27 – Major do Exército, Costa e Silva tem 41 anos de idade e foi professor universitário. Ele terá como candidata a vice outra militar, a Cabo Fátima.

Marcelo Candido (PDT) – 12 – Marcelo é ex-prefeito de Suzano, cidade da Grande São Paulo, e ex-deputado estadual. Sua candidata a vice é Gleides Sodré, também do PDT.

Márcio França (PSB) – 40 – França assumiu o Palácio dos Bandeirantes após o então governador, Geraldo Alckmin (PSDB), deixar o cargo para disputar a Presidência da República. Sua vice é a Coronel Eliane Nikoluk, do PR.

Paulo Skaf (MDB) – 15 – Presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Skaf vai para sua terceira disputa pelo governo paulista. Ele tem como candidata a vice a tenente-Coronel Carla.

Professor Claudio Fernando (PMN)- 33 – Aos 37 anos, Claudio é professor universitário e já ocupou cargos na administração pública de cidades da Baixada Santista. Seu vice é Roberto Campos.

Professora Lisete Arelaro (PSOL) – 50 – Docente na USP, Lisete Arelaro tem73 anos e vai para sua primeira disputa eleitoral. O vice é o Professor Maurício Costa.

Rodrigo Tavares (PRTB) – 28 – A candidatura do advogado Rodrigo Tavares, de 37 anos, tem o apoio do PSL, partido do presidenciável Jair Bolsonaro. Seu candidato a vice é Jairo Glikson.

Rogério Chequer (Novo) – 30 – Chequer é um dos fundadores do Movimento Vem Pra Rua, um dos grupos que ganharam destaque nas manifestações pelo impeachment de Dilma Rousseff. Ele tem como vice Andrea Menezes, também do partido Novo.

Toninho Ferreira (PSTU) -16 – Toninho é advogado, 60 anos, já tentou por duas vezes se eleger prefeito de São José dos Campos. Sua vice é Ariana Gonçalves.

Saiba quais são os candidatos pelo Estado de São Paulo 

Os votos para senadores são depois de deputado federal e deputado estadual, e são três números.
Em 2018, os eleitores de São Paulo elegerão dois senadores. O Estado tem 18 candidatos registrados no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Confira a lista em ordem alfabética: 

Antônio Neto (PDT) – 123
 Cidinha (MDB) – 155
 Diogo da Luz (Novo) – 300
 Dra. Eliana Ferreira (PSTU) – 161
 Eduardo Suplicy (PT) – 131
 Educador Daniel Cara (PSOL) – 505
 Jilmar Tatto (PT) – 132
 Major Olímpio (PSL) – 177
 Mancha (PSTU) – 160
 Mara Gabrilli (PSDB) – 457
 Marcelo Barbieri (MDB) – 151
 Mário Covas (Podemos) – 191
 Maurren Maggi (PSB) – 400
 Moira Lázaro Mandado Coletivo (Rede) – 180
 Nivaldo Orlandi (PCO) – 290
 Pedro Henrique de Cristo (Rede) – 188
 Professora Sílvia Ferraro (PSOL) – 500
 Ricardo Tripoli (PSDB) – 450  

Eleitor na cabine de votação

Esclareça dúvidas sobre as eleições deste domingo 

Neste domingo, cerca de 147 milhões  de eleitores são esperados para votar 

As Eleições 2018 serão realizadas domingo, dia 7 de outubro e, para presidente, governador, deputado estadual, deputado federal e senadores (dois), e se houver necessidade de segundo turno, será dia 28 do mesmo mês. O voto é obrigatório para brasileiros entre 18 e 70 anos e facultativo para analfabetos e jovens entre 16 e 18 anos. 

Cerca de 147 milhões de brasileiros são esperados para votar em todo o país, no domingo, dia 7 de outubro. Caso haja a necessidade de segundo turno para governadores e presidente, o votação será dia 28 de outubro. A votação começa às 8h e termina às 17h (horário de Brasília).

Em quem vou votar?
A ordem de votação para as eleições gerais é a seguinte: deputado federal, deputado estadual (deputado distrital no Distrito Federal), senador (dois votos), governador e presidente.

Quem é obrigado a votar?
Os alfabetizados com idade entre 18 e 70 anos são, por lei, obrigados a votar.

O eleitor entre 16 e 18 anos é obrigado a votar?
Não. O voto é facultativo até o dia em que o eleitor completar 18 anos, quando passa a ser obrigatório. O voto também é opcional para os analfabetos e maiores de 70 anos. Esses eleitores não precisam justificar a ausência, se não votarem.

Como saber se estou apto a votar?
Você pode consultar sua situação eleitoral no site do TSE.

Como vou saber o local da minha seção?
Consulte no Caderno Eleições 2018 da Tribuna de Ituverava

Qual o sistema de votação adotado para as eleições?
Em todo o país, a votação é através da urna eletrônica. Às 17 horas, quando é encerrada a votação, o resultado da urna de cada seção é registrado em um dispositivo eletrônico, que é encaminhado para totalização.

Quem tem preferência para votar?
Têm prioridade para votar os eleitores com mais de 60 anos, doentes, eleitores com deficiência ou mobilidade reduzida e as mulheres grávidas ou lactantes. Também têm prioridade candidatos, juízes eleitorais, promotores eleitorais, funcionários a serviço da Justiça Eleitoral e policiais militares em serviço.

O que acontece se eu não votar?
Você deve justificar sua ausência. Se não o fizer ou se a justificativa não for aceita pelo juiz eleitoral, deverá pagar multa arbitrada por esse juiz. O eleitor que deixar de votar em três turnos consecutivos terá seu título cancelado.

Como um eleitor cego poderá votar?
Na urna eletrônica, o teclado oferece a opção do sistema braile. Para a pessoa que não lê o braile, poderá se orientar a partir do ponto de identificação da tecla nº 5. As urnas também possuem sistema de áudio, disponibilizado quando solicitado.
O fone de ouvido é oferecido em todas as seções com acessibilidade. E para o eleitor que ainda não vota em seção acessível, ele tem a opção de pedir um fone no momento do voto. Cada local de votação no Estado de São Paulo, por exemplo, conta com um fone de ouvido.

O eleitor com deficiência ou mobilidade reduzida poderá votar em seção acessível sem ter transferido o título?
Apenas aqueles que fizeram a transferência temporária para uma seção com acessibilidade, que poderia ser requisitada no período de 17 de julho a 23 de agosto nos Cartórios Eleitorais. Passado esse prazo, os eleitores que não entraram com o pedido devem se dirigir às suas seções eleitorais de origem.

Quais documentos são necessários para votar?
É necessário levar documento oficial de identificação com foto. E para o eleitor que cadastrou a biometria, outra opção é o e-Título, que valerá como documento de identificação para os biometrizados.
A Justiça Eleitoral recomenda ao eleitor levar o título em sua versão digital (e-Título) ou impressa para facilitar a identificação da seção eleitoral.

Posso levar uma ‘cola’ com os nomes dos meus candidatos?
Sim. Se precisar de um lembrete, anote os números de seus candidatos na ordem correta de votação e use a ‘cola’ como lembrete na hora de votar. Busque os números de seus candidatos com antecedência.

Posso votar levando meu celular ou qualquer outro equipamento de rádio-comunicação?
O eleitor não poderá ingressar na cabine de votação portando celular, máquinas fotográficas e filmadoras. Nada de selfies, portanto.

Posso votar usando short, bermuda ou chinelo?
Pode sim.

Quem está preso pode votar?
Não podem votar os presos que tiverem condenação criminal transitada em julgado (sem hipótese de recurso), assim como pessoas que perderam os direitos políticos. No entanto, os presos provisórios que estão esperando decisão judicial têm direito ao voto.

Se eu não votar no primeiro turno, poderei votar normalmente no segundo turno?
Sim. Os turnos são independentes, mas lembre-se de justificar, dentro do prazo legal, a ausência ao primeiro turno ou quitar a multa. O prazo de justificativa é de 60 dias, a contar da data da eleição, ou de 30 dias da data de retorno ao Brasil para quem estava no exterior.

A falta de energia elétrica compromete o funcionamento da urna eletrônica?
Não. Ela possui uma bateria interna e, se necessário, poderá ainda ser utilizada bateria externa.
Os partidos políticos poderão fiscalizar a votação e a apuração?
Sim. Cada partido ou coligação poderá nomear dois delegados em cada município e dois fiscais junto a cada mesa receptora, funcionando um de cada vez. Na apuração serão três fiscais por turma apuradora, tendo atuação a uma distância não inferior a um metro da mesa apuradora e funcionando um de cada vez.

Como posso justificar minha ausência às eleições?
Se você estiver, no dia da eleição, em uma cidade diferente da de seu domicílio eleitoral, vá ao cartório eleitoral ou local de votação mais próximo e justifique. A justificativa pode ser feita no mesmo horário das eleições. Para agilizar a justificativa, o eleitor pode obter, antes da eleição, o formulário no site ou em qualquer cartório eleitoral, preenchê-lo e, no dia da eleição, entregá-lo em qualquer cartório ou local de votação.

Qual o prazo para justificativa?
Se você não formalizar a justificativa no dia da eleição, deverá comparecer ao seu cartório eleitoral, no prazo de 60 dias a contar da data da eleição, munido dos documentos que comprovem o motivo da ausência. Neste último caso, o eleitor preencherá no cartório um requerimento dirigido ao juiz e aguardará a resposta.
O prazo de 60 dias é contado a partir de cada turno. Portanto, 1º e 2º turnos têm prazos diferentes. Se você estiver no exterior, o prazo muda: 30 dias contados da data de retorno ao Brasil. Nesse caso, é necessário apresentar passagens, cartões de embarque e carimbos no passaporte que justifiquem a ausência.
Existe a possibilidade de justificar on-line?
O eleitor pode, se preferir, solicitar a justificativa on-line, através do sistema Justifica, devendo anexar os documentos que comprovem o fato que impediu seu comparecimento às urnas. Caso a justificativa não seja aceita ou após transcorrido o prazo, deverá pagar uma multa.

O meu título foi cancelado. Como regularizo a minha situação?
Você só poderá regularizar sua situação a partir do dia 5 de novembro. Emita a GRU da forma prevista na resposta anterior e, após o pagamento, vá ao seu cartório com documento de identificação oficial e comprovante de residência recente em seu nome (ex.: contas de água, luz, etc.).

TSE lança um aplicativo que permite acompanhar a apuração em tempo real 

Neste domingo, 7 de outubro, os eleitores vão poder acompanhar de perto a apuração dos votos do seu candidato. A Justiça Eleitoral disponibilizou o aplicativo “Resultados”, uma ferramenta que permite aos cidadãos acompanharem o andamento do processo de totalização de votos das Eleições 2018.
O aplicativo é uma versão atualizada do “Apuração 2014”, desenvolvida para o pleito daquele ano, que se tornou o aplicativo mais baixado do Tribunal Superior Eleitoral. Com o novo app é possível acompanhar a contagem de votos de todo o Brasil e visualizá-la a partir de consulta nominal, que apresenta o quantitativo de votos totalizados para cada candidato com a indicação dos eleitos ou dos que foram para o segundo turno.
A nova versão traz inúmeras novidades em relação à anterior. Dentre as mudanças, está o aprimoramento do layout do sistema, que aparece completamente renovado com a apresentação das fotos de todos os candidatos que disputam a eleição.
Outra inovação diz respeito à experiência do usuário, que foi aumentada em relação à versão anterior. Com o “Resultados” será possível consultar, na mesma tela, informações referentes a todos os cargos majoritários (presidente, governador e senador).

Geolocalização
Como nos anos anteriores, o app também permite ao cidadão verificar os resultados das eleições proporcionais para os deputados estaduais, distritais e federais, com a diferença que o aplicativo agora faz a utilização da geolocalização do aparelho para indicar os resultados relativos ao estado em que ele se encontra. O usuário também pode optar por selecionar outras localizações que desejar consultar.

Tutorial
Devido ao grande número de mudanças, o “Resultados” vem com um tutorial de interação intuitiva, acessível ao usuário já no primeiro contato com o aplicativo.

Aplicativos do TSE

Nas eleições deste ano, além do “Resultados”, o Tribunal disponibiliza outros cinco aplicativos: JE Processo, Boletim de Mão, E-título, Mesários e Pardal. Todos estão disponíveis para o eleitor tanto na versão para Android quanto para IOS e podem ser baixados nas lojas virtuais Apple Store e Play Store.
Para baixar o app ‘Resultados’ o eleitor terá que ir até loja de aplicativos de seu celular Play Store (Android) ou App Store (iOS), na busca digitar Resultados e fazer o download do app após fazer a instalação basta abrir e seguir os passos que o app apresenta com o seu menu autoexplicativo

Veja locais de votação no município