Confira cinco motivos para ver a nova série da Netflix

Os dez episódios de O Mundo Sombrio de Sabrina já estão disponíveis na Netflix. A série acompanha a história de Sabrina Spellman, uma garota meio bruxa, meio mortal que, ao completar 16 anos, precisa tomar uma decisão difícil: escolher entre viver no mundo das trevas de sua família ou continuar no universo dos meros mortais ao lado de seus amigos. Conheça cinco bons motivos para assistir a nova série:

Kiernan Shipka é a Sabrina perfeita
A atriz de 18 anos já tinha brilhado em Mad Men e agora vem com tudo como a bruxinha Sabrina Spellman. A verdade é que ela está tão bem no papel que é difícil imaginar outra pessoa interpretando a personagem (além, claro, de Melissa Joan Hart, que deu vida à feiticeira na versão dos anos 90).
Talentosa, determinada, divertida e cheia de estilo – dentro e fora das telas –, Kiernan vai voar ainda mais alto agora.

Atmosfera sombria
Como a Netflix tinha prometido, O Mundo Sombrio de Sabrina tem uma atmosfera bastante dark. A família Spellman, por exemplo, mora em um mortuário ao lado do cemitério e pertinho de um bosque macabro.
O cenário da série é perfeito para quem gosta do que é macabro, sem deixar de lado um toque de humor, em geral causado pela personagem tia Hilda, interpretada por Lucy Davis, que deixa tudo mais leve.

Romance
Sabrina começa a série bem acompanhada por Harvey (Ross Lynch), seu namorado, personagem bastante romântico e compreensivo. Mas, ao entrar para a Academia das Artes Ocultas, Sabrina conhece o misterioso Nicholas Scratch (Gavin Leatherwood), que vai deixar o coração dela balançado.

A mensagem girlpower
Na Baxter High, no mundo mortal, Sabrina e suas amigas Rosalind (Jaz Sinclair) e Susie (Lachlan Watson), formam o MAGIA, um clube feminista para tentar acabar com o bullying, o preconceito e o machismo na escola.
Já na Academia das Artes Ocultas, o colégio dos bruxos, Sabrina se recusa a seguir todas as ordens do Lorde das Trevas e faz as outras alunas questionarem algumas regras também.

Mistério na medida certa
A trama começa um pouco lenta e parece que a cada episódio um problema é solucionado fácil e perfeitamente. Mas, do meio para a frente, as vidas dos personagens começam a ficar mais interligadas, o que torna tudo mais interessante e, ao mesmo tempo, difícil de se resolver.