Confira os dez elementos mais aguardados na série Sandman

Uma das HQs mais célebres de todos os tempos, Sandman finalmente deve ganhar sua adaptação pela Netflix. Anunciada no ano passado, a série tem tudo para ser um grande sucesso, caso siga fielmente as histórias criadas por Neil Gaiman. Porém, ainda ficamos um pouco receosos, já que a história é considerada, por muitos, como inadaptável.
Ainda assim, há muito potencial para ser explorado aqui – especialmente se considerarmos que Neil Gaiman está diretamente envolvido na produção. Pensando nisso, o site Legião dos Heróis reuniu 10 coisas aguardadas na série, desde personagens icônicos das HQs a tramas que não podem faltar. Confira:

As loucuras da HQ original
Se você já leu Sandman, sabe que a HQ é excelente no que diz respeito a criar um universo único e fantástico. É uma das experiências mais inovadoras nos quadrinhos, e conta com um mundo muito rico. Preocupações com orçamento à parte, a série da Netflix precisa fazer jus a esse universo mirabolante.
Ao longo das setenta e cinco edições da revista original, Neil Gaiman criou uma mitologia excepcional e jamais vista nos quadrinhos. Seria muito melhor se a série fosse uma animação, para poder compreender todas as loucuras da revista, mas como já foi confirmado que será uma produção live-action, o estúdio não pode poupar nem um pouco.

Arcos importantes
Todos os fãs de Sandman possuem arcos favoritos de histórias da revista original. São vários os exemplos de histórias fantásticas contadas nas setenta e cinco edições, sempre divididas em arcos fechados que dialogam entre si e trazem desenvolvimento para Sonho e seus aliados.
Algumas histórias não podem faltar na adaptação da Netflix. O ideal é começar por Prelúdios e Noturnos, o arco que deu início à saga de Morfeus, e passar por outras histórias aclamadas, como A Casa de Bonecas e Estação das Brumas, além de trazer outros arcos posteriores.

Elementos derivados
Não foi só a HQ principal que ajudou a expandir o mundo de Sandman. Vários especiais e sequências criaram uma mitologia incomparável, e são responsáveis por dar mais desenvolvimento a personagens secundários, como alguns membros dos Perpétuos e até mesmo os servos do Sonho.
Por isso, seria de bom tamanho se a série trouxesse alguns desses elementos, dando uma maior construção para os personagens e seus arcos de histórias. Alguns volumes que merecem menção, nesse sentido, são Noites Sem Fim, Sandman: Prelúdio e até mesmo a história Caçadores de Sonhos.

Muitos episódios fillers
Um episódio filler é como chamam um capítulo que decide dar uma “pausa” na história atual, trazendo uma história separada que não acrescenta muito à trama principal. Na maior parte dos casos, isso é visto como algo negativo, já que quebra o ritmo das séries e faz com que o público perca o interesse.
No caso de Sandman, os fillers são necessários, já que nos ajudam a compreender mais do mundo de Morfeus e sua história ao longo dos milhões de ano em que esteve vivo. Além disso, esses fillers sempre são inseridos na história principal, e servem para introduzir personagens importantes, como Nada e até mesmo William Shakespeare.

Os Perpétuos
Embora Sonho seja o grande protagonista de Sandman, ele faz parte de uma “família” maior. Os Perpétuos são entidades que simbolizam conceitos abstratos, e que existem desde a origem de nosso universo. São eles, além de Sonho, Destino, Delírio, Desejo, Desespero, Destruição e Morte.
Os Perpétuos são figuras essenciais para a compreensão de Sandman, e precisam estar em destaque ao longo da série. Em especial, queremos ver a Morte representada à altura de sua participação nos quadrinhos, uma vez que é a personagem favorita de muitos fãs da HQ original.

Outros personagens importantes
Ao longo da trama, somos apresentados aos mais diversos personagens e figuras que compõem o universo de Sonho e dos Perpétuos. Só no reino do Sonhar, conhecemos uma infinidade de figuras que são extremamente importantes para a jornada de Sonho, como Caim e Abel, Lucien e o corvo Matthew.
A série da Netflix precisa trazer isso à tona, por mais loucos que alguns desses personagens possam soar. Além disso, seria divertido ver alguns vilões mais grotescos dos quadrinhos, como o Coríntio, o demônio Choronzon.

Lúcifer
Embora alguns não saibam, Lúcifer apareceu pela primeira vez nas páginas de Sandman, e tem um papel fundamental no quarto arco de histórias da revista, intitulado Estação das Brumas. É justamente aqui que o Estrela da Manhã decide abandonar o Inferno e passar a viver na Terra, ao lado dos humanos.
O personagem é de uma importância magnânima para a história do Sonho, e por mais que Neil Gaiman já tenha confirmado que a série da Netflix não terá relação alguma com a série solo do diabo, protagonizada por Tom Ellis, é imprescindível que a adaptação de Sandman traga uma nova versão do personagem.

Pequenas referências e easter-eggs
Publicada originalmente pela Vertigo Comics, Sandman foi um ponto de partida para o selo editorial mais “adulto” da DC. Apesar disso, é bem claro que as histórias e os personagens vivem no mesmo universo que outros heróis e vilões da editora, como o Batman, a Mulher-Maravilha e a Liga da Justiça.
Apesar disso, todas as conexões e referências a esse universo são mínimas e muito pontuais, e Morfeus nunca interage diretamente com esses personagens na história. Seria interessante ver algumas pequenas conexões e referências, desde que isso não seja uma parte crucial da história, assim como nos quadrinhos.

A jornada de Morfeus
A HQ não se chama Sandman por acaso. Toda a história se foca em Sonho – que também é conhecido por uma infinidade de outros nomes, como Morfeus e Oneiros. Ao longo das mais de setenta edições, acompanhamos o personagem em uma jornada na qual ele percebe as belezas da humanidade, enquanto se redime de erros passados.
Toda a trama da série da Netflix precisa explorar Sonho como uma criatura imperfeita e nem sempre carismática, que comanda o mundo dos sonhos, mas que vê seu domínio desafiado. Um bom ponto de partida é adaptar o primeiro arco dos quadrinhos, Prelúdios e Noturnos, no qual Sonho é aprisionado durante meio século.

Que mantenha a aura mística da obra original
Sandman é tida como uma das melhores HQs de todos os tempos – e não à toa, já que o rico universo criado por Neil Gaiman é, sem sombra de dúvidas, um dos melhores já criados na nona arte. A história é singular em todos os sentidos, e é uma verdadeira viagem pelos mundos oníricos e fantásticos.
Para que seja um sucesso, a série de Sandman precisa se manter fiel à mitologia e aos personagens da HQ original – e mesmo que a história tenha um enredo diferente, é importante manter a essência desses quadrinhos, que lidam com temas filosóficos, místicos e que sempre estiveram à frente de seu tempo