De avô para netos


Adolfo Medina Bucker

O que será que um avô tem para dizer aos seus netos? Histórias? Também, mas não só histórias são as experiências de vida! O valor do tempo, da família, dos amigos, das finanças, do trabalho, do lazer, do silêncio e de como vencer as tribulações.
Como é bom quando chegam. Aqueles abraços e beijos acalentam nosso coração e com aquelas mãos macias nos tocam, por um momento, vislumbramos a eternidade! Aí, fico a pensar: Será que sou um avô amoroso e acolhedor, que busca o melhor de mim, para inspirar-lhes a serem melhores. A humanidade deve ser uma só família.
O tempo é o que há pela frente, o ontem já passou e o hoje já está terminando! Por isso, é preciso que cada um seja a mudança, que deseja ver no mundo. Todos se angustiam por mudanças! A violência e o ódio no mundo chegaram a níveis intoleráveis. No mundo, milhões de crianças estão morrendo de fome, enquanto aquelas que vivem na abundância não enxergam o que de valioso desperdiçam.
A família muitas vezes pressionam seus filhos, involuntariamente, alegando querer o melhor para eles, mas sem perguntar e ouvir o que eles querem, para depois sim, orientá-los. Os amigos também, muitas vezes nos decepcionam. Aí ficamos com raiva de tudo! A raiva pode ser um bem, se soubemos vê-la como uma energia, uma motivação, para enfrentarmos os desafios, com sabedoria. (M. Gandhi) As palavras muitas vezes podem causar mágoas em quem amamos, sem percebermos, que elas também podem nos ferir.
Acho que de alguma forma, sempre os incentivo a não ter medo de expressar a sua opinião. Não podem ser “Maria vai com as outras” e hoje, com as redes sociais piorou, porque permitem “curtir ou seguir” os outros sem uma reflexão. É comum vermos “celebridades” impondo “moda” de se vestir ou regime de emagrecimento; “políticos” fazendo declarações grosseiras e inadequadas; “líderes religiosos” fazendo pronunciamentos atacando outras crenças e as pessoas não se opõem e não deviam ser condescendentes, pois todos sabem quando é certo ou errado e o seu verdadeiro propósito. O fundamental é refletir, questionar e ser parte do processo.
No trabalho, nas finanças e no lazer como devem proceder? Com frequência falo com pessoas que trabalham em grandes empresas, escritórios ou no próprio negócio, que ficam todos os dias até tarde da noite, porque acham que isso é que esperam delas. Com tudo que já vivi, não indico como melhor caminho e me pergunto: Será que elas estão acrescentando bons hábitos para si e seus familiares, como realização de seus objetivos no trabalho? É preciso ter cuidado ao seguir um caminho, que pode não trazer prazer e nem felicidade. A desculpa é sempre a mesma: Quero o melhor para a minha família! Quando era criança, o tempo era para brincar com os amigos, fazer os próprios brinquedos, nadar ou pescar no riacho, soltar papagaio, jogar futebol e outros mais. Nós nos divertíamos criando coisas e valorizando o que fazíamos. Hoje as crianças ganham, com muita facilidade, novos brinquedos e muitos de valor alto, e se cansam deles poucos dias depois, esperando novos modelos. O ditado é verdadeiro: Quando se ganha fácil, não se dá o merecido valor! É preciso saber se manifestar contra as desigualdades! Nunca apreciei o ato de dar, sem o comprometimento de receber! Não estou falando em “doação”, isso é outra coisa. Tudo deve ser cobrado, que seja um centavo. Ao cobrar, mesmo o pouco, reconheço a dignidade no outro e lhe dou a chance de ter orgulho, pelo fato de estar comprando coisas para si ou para a sua família. Isso significa ter “compaixão” e não “pena” da pessoa, mas proporcionar-lhe a autoconfiança, a dignidade e o respeito, pela sua conquista.
O silêncio muitas vezes é a arma para vencer as tribulações! O homem de poucas palavras raramente será descuidado em seu discurso, pois medirá cada uma delas. (M. Gandhi). Muitas pessoas sonham, em ser “famosas” e de estarem constantemente sob o assedio dos fãs e dos holofotes e ter milhões de admiradores. Mas também vemos por que tantos “astros” imploram por privacidades. A mídia cria celebridades, sem uma boa razão e conseguem milhões de seguidores pelas redes sociais e capas de revistas e aí pergunto: O que essa pessoa realmente fez? Nem mesmo elas conseguem explicar. O valor deve estar na conquista do sucesso, por causa do talento, do trabalho ou de ideais importantes, mas não são famosos por serem famosos. Precisamos de “silêncio” e momentos de “solidão”, para estimular a paz interior. Os pais em geral, pensam estar fazendo um grande favor aos filhos mantendo-os ocupados, com jogos, aulas de balé, piano e outras atividades. Elas passam de uma atividade a outra, não tempo nem de pensar, brincar e se descobrir quando estão sozinhas. Eles precisam de tempo e silêncio para descansar, refletir e se recuperar. Todas estão conectadas no twitter, facebook e outras mídias, no entanto, nos parece, que na verdade estão mais solitárias, aprisionadas nas telas de seus “celulares”.
Ao transmitir essa mensagem, sinto-me abençoado por ser quem sou. O que importa nesse momento é sentir fiel e reconhecer que não vivo apenas para mim mesmo.
Adolfo Medina Bucker