Debatido fortalecimento do agro em Ribeirão Preto

Especialista de planejamento em agronegócio aponta que agricultura chegará em US$ 1,2 trilhão nos próximos dez anos 

O presidente estadual do PPS e deputado federal Arnaldo Jardim
na reunião em Ribeirão Preto

O 1º tema do início do ciclo de debates do PPS – Partido Popular Socialista – Executiva São Paulo, intitulado – “O PPS SP debate o Futuro”, foi “Manter o dinamismo do setor Agro” e reuniu cerca de 300 pessoas, sábado, 23 de fevereiro, na Câmara Municipal de Ribeirão Preto, quando foi discutido o protagonismo do agronegócio na economia brasileira, além de apresentar medidas para fortalecer o setor por meio do incentivo à pesquisa e apoio à extensão rural, de olho no potencial do pequeno produtor e agricultor familiar.
Estiveram presentes regiões de Franca, Barretos e cidades do entorno, com a participação de mais de 40 municípios.
Seis edições estão programadas pelo partido em várias regiões do Estado, até o mês de abril, e tem à frente o presidente estadual do PPS e deputado federal Arnaldo Jardim, que explica porque Ribeirão Preto foi a primeira a sediar. “A escolha de Ribeirão Preto primeiramente, se deu pela forte presença do Agronegócio na região; por exemplo, o governo estadual mantém o Centro de Cana/IAC e o polo da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), que são importantes centros de pesquisas e desenvolvimento de novas tecnologias para o setor. Temos também os escritórios de Desenvolvimento Rural Sustentável (EDR) e de Defesa Agropecuária (EDA), ambos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento paulista, trabalhando e apoiando os produtores rurais”, afirma Arnaldo Jardim. “Nesta região há ainda unidades do Instituto de Zootecnia (IZ) em Sertãozinho e da APTA em Colina, bem como a UNESP de Jaboticabal, que é referência no setor de agronomia e veterinária, mencionando algumas das instituições públicas”, observa.

Ciclo de palestras

Segundo Jardim, o objetivo do ciclo de palestras é debater diferentes temas com a visão de que os partidos devem ter posições claras, principalmente em períodos fora das eleições, sobre assuntos que alavancam o desenvolvimento e transformações necessárias nos municípios, Estado e na vida das pessoas, cumprindo, desta forma, ininterruptamente com seu compromisso.
O deputado afirma que o PPS está passando por restruturação e mudará de nome durante o Congresso Nacional do partido, “O PPS não é um partido que funciona só em ano de eleição, é um partido que tem vida orgânica e que debate com seus militantes” disse o deputado.
Uma das palestras muito esperadas foi proferida pelo engenheiro agrônomo, especialista de planejamento em agronegócio, professor Dr. Marcos Fava Neves, docente na Universidade de São Paulo (USP) e Fundação Getúlio Vargas (FGV), no curso de Administração de empresas.
Gráficos e números de Fava Neves surpreenderam e apontaram resultados de crescimento impressionante para o Agronegócio brasileiro, nos próximos 10 anos. “Devemos os nossos agradecimentos a quem trabalhou na agricultura brasileira desde 1991 até agora”, afirmou o palestrante.
“Com todas as dificuldades, os resultados podem ser considerados um prêmio Nobel da Paz”, ressaltou. “Se em 2000 eu estivesse aqui dizendo a vocês que os US$ 4 bilhões vindos da soja, saltariam para US$ 40 bilhões em 2018, ninguém ficaria na sala. Como pode um crescimento como esse?”, indagou.

Projeção de crescimento para soja e outros produtos brasileiros  

Marcos Fava Neves prosseguiu esclarecendo que no Brasil não há projeção de crescimento apenas para o setor da soja, como também para o comércio de carnes, açúcar e papel celulose, o mais vendido no mês de janeiro.
Outro dado revelado pelo especialista é que a China comprou, ao longo de 20 anos, US$ 500 milhões do Brasil em comida e produtos do agronegócio e que, em 2018, o investimento em nas mercadorias nacionais, no mesmo setor, saltou para US$ 35 bilhões, destacando a força do Brasil na exportação e um futuro promissor.
“Além da China precisamos destacar a 2ª China”, disse Fava Neves, referindo-se à composição de países como: Emirados Árabes, índia, Turquia, Tailândia, Vietnã, Egito, Coréia, Irã, Hong Hong, que passou de 0 a US$ 2 bilhões no consumo dos produtos agro – brasileiros”.
“Isso representa geração de empregos, mandar comida para fora do Brasil, entrada de dólar no País, que se converte em real e movimenta revenda de carros, shoppings e é o maior gerador de caixa do Brasil”, informou.

Futuro

Falando em futuro, o professor garantiu que nos próximos 10 anos, o agro brasileiro deve alcançar US$ 1, 2 trilhão de dólares.
“O setor agropecuário tem sido grande protagonista da economia brasileira. As perspectivas são positivas, para que o Brasil tenha condições de ser cada vez mais o grande provedor de alimentos ao mundo, o que impulsiona o quadro”, ressalva. Marcos Fava Neves também destacou cuidados e precauções no setor e medidas que devem ser de ordem do setor público.