Disney e Sony fazem acordo para filme do Homem-Aranha

Pouco mais de um mês depois de romperem contrato e deixarem os fãs do Homem-Aranha preocupados com o fim do personagem no universo da Marvel, a Disney e a Sony estão novamente trabalhando juntas em um filme que trará o super-herói de Tom Holland de volta aos cinemas. A informação foi confirmada por Kevin Feige, chefão da Marvel.
Os termos do novo acordo não foram revelados, mas é certo que Feige e a Marvel serão os responsáveis pela visão criativa do terceiro filme dessa versão do Homem-Aranha interpretada por Tom Holland, depois de De Volta ao Lar (2017) e Longe de Casa (2019). Segundo o The Hollywood Reporter, o novo filme já tem data de lançamento: 16 de julho de 2021.
“Eu estou feliz que a jornada do Aranha no MCU vai continuar, e todos nós aqui da Marvel estamos muito animados que vamos continuar trabalhando nisso. O Homem-Aranha é um ícone poderoso e um herói cujas histórias cruzam todas as idades e públicos ao redor do mundo. E também ele é o único herói com o superpoder de cruzar universos cinematográficos, então a Sony continuará a produzir os seus próprios filmes do Aranhaverso e você nunca sabe quais surpresas o futuro trará”, disse Feige.

Homem-Aranha

A Sony comprou os direitos do Homem-Aranha em 1999 por aproximadamente US$ 7 milhões. O primeiro filme saiu três anos depois, em 2002, com Tobey Maguire no papel principal, e foi um sucesso. Com a compra da Marvel pela Disney em 2009 e a consolidação do MCU, os estúdios entraram em um acordo para a produção em conjunto dos filmes do herói. A estreia de Peter Parker no MCU aconteceu em Capitão América: Guerra Civil, que marcou a primeira união entre Sony e Disney para deixar o Universo Marvel ainda mais completo e popular. O último filme do herói, Homem-Aranha: Longe de Casa, arrecadou mais de US$ 1 bilhão nas bilheterias, sendo uma sequência direta de Vingadores: Ultimato, o filme que mais ganhou dinheiro na história do cinema.
Na época do distrato, a imprensa americana informou que a Disney pediu para que as arrecadações dos próximos filmes do herói fossem divididas de forma igual para cada estúdio, e a Sony recusou a proposta. Com o acordo antigo, segundo o Deadline, a Sony deixava apenas 5% da arrecadação que conseguiu com os filmes do herói para a Disney.