Em 12 de junho é comemorado o Dia dos Namorados

Lembrada pelos casais brasileiros na véspera de Santo Antônio, a data ‘exala’ romantismo

Seja em qualquer período da história, o amor nunca sai de moda. Seja ele da forma que vier – maduro, jovial, entre iguais e sem diferença – o amor é o principal sentimento celebrado em 12 de junho, Dia dos Namorados. Lembrada pelos casais brasileiros na véspera de Santo Antônio, a data ‘exala’ romantismo. O Dia dos Namorados – ou Dia de São Valentim – é, sem dúvida, uma data muito especial em que se celebra a união ou relacionamento de casais. É bastante comum, neste dia, a troca de cartões e presentes, simbolizando o amor que um sente pelo outro. O Dia de São Valentim remonta a um obscuro dia de jejum tido em homenagem a São Valentim. A associação com o amor romântico chega depois do final da Idade Média, durante o qual o conceito deste amor foi formulado. O bispo Valentim lutou contra as ordens do imperador Cláudio II, que havia proibido o casamento durante as guerras acreditando que os solteiros eram melhores combatentes.
Além de continuar celebrando casamentos, ele se casou secretamente, apesar da proibição do imperador. A prática foi descoberta e Valentim foi preso e condenado à morte. Enquanto estava preso, muitos jovens lhe enviavam flores e bilhetes dizendo que ainda acreditavam no amor. Enquanto aguardava na prisão o cumprimento da sua sentença, ele se apaixonou pela filha cega de um carcereiro e, milagrosamente, devolveu-lhe a visão. Antes da execução, Valentim escreveu uma mensagem de adeus para ela, na qual assinava como “Seu Namorado” ou “De seu Valentim”.

Psicóloga ituveravense defende o namoro e a busca pela cara-metade

A psicóloga ituveravense Ana Silvia Barbosa Sberni Rodrigues, fala ao jornal sobre amor e namoro. Segundo ela, de acordo com a mitologia grega, os seres humanos foram criados originalmente com quatro pernas, quatro braços e com duas faces. Temendo o seu poder, Zeus os separou, condenando-os a gastar suas vidas em busca de sua outra metade.
Qualquer forma de amor faz bem, mas o amor a dois não tem quem não deseja experimentar, quem não sonha encontrar.
Conquistar o prazer a dois é uma jornada longa entre dois seres humanos. Buscar essa outra metade é instigante e motivador e, muitas vezes, o fato de estar com alguém não significa que vai dar certo ou mesmo que a outra metade foi encontrada. Mas, quando esse encontro se transforma em interesse de parceria e mais tarde em amor pode-se observar mudanças visíveis no comportamento da pessoa. É possível observar que estar namorando (amando) deixa o ser humano mais disposto, vaidoso, cuidadoso com a saúde, enfim, motivado em variados aspectos.
Quando um casal decide efetivar uma relação com o namoro, tem um trabalho diário de conquistar parceiro e parceria. As diferenças de gênero devem ser respeitadas e também cultivadas, a partir disso, o casal aprenderá a fazer concessões e adaptações na vida já existente.
Para a saúde mental do casal enamorado é importante e básico partilhar projetos e objetivos, não esquecendo que a individualidade pode e deve ser preservada para que a convivência também tenha sabores e surpresas, o que ajuda a manter a chama do interesse de um pelo outro acesa. Diferenças são saudáveis em boas doses.

Compartilhar

Namorar é se encantar e encontrar sentido junto a quem se escolhe para compartilhar a vida. É ter coragem de se entregar sem reservas ao outro. O namoro nos ensina a ousar avançar rumo a emoções desconhecidas, a descobrir o que queremos, do que gostamos e, conforme vamos descobrindo sobre os nossos próprios desejos nos libertamos para ir de encontro ao desejo do outro, o que nos possibilita ter prazer e contribuir para a felicidade de ambos. Para um relacionamento a dois é preciso arriscar ter uma intimidade mental, pois a física é instinto e a psíquica é uma construção.
Uma parceria (namoro) nos dá a oportunidade de compartilhar com alguém alegrias, sonhos, projetos, vitórias, perdas, dores etc.
Enfim, para quem está vivendo um amor, não importa idade, tempo, o que realmente importa é cuidar com pequenas e amorosas delicadezas que irão transformar o encontro diário em encontros especiais, lembrando que a cumplicidade não pode ser esquecida pois estimula o enamoramento sempre.
Feliz Dia dos Namorados!

Casal curte o Dia dos Namorados após 51 anos de casamento

Casados há 51 anos, Alcino Alves Barbosa, 78 anos, e Nair de Lourdes Colani Barbosa, 75 anos, são eternos namorados e formaram uma família maravilhosa e muito bem constituída, com cinco filhos e doze netos. Exemplo de amor e cumplicidade, nesta data tão especial, que é o Dia dos Namorados, eles mostram que o amor e cumplicidade superam todas as dificuldades. Procurados pelo jornal Tribuna de Ituverava, eles falaram sobre suas vidas após tantos anos de casados. “Namoramos durante 10 anos, e assistimos 386 filmes neste período – todos anotados em um caderno. O Dia dos Namorados representa a evolução de nossas vidas, pois constituímos uma família maravilhosa e, quando olhamos para traz, vemos que a nosso amor foi consagrado”, afirmam.
“Continuamos namorando e faríamos tudo novamente, pois é preciso haver amor para que as dificuldades possam ser superadas. É preciso sempre acreditar no amor”, observa o casal.
Eles ainda deixam uma mensagem apaixonada para os casais que estão vivendo a fase mais gostosa de uma relação, o namoro. “Sejam felizes e não se preocupem, pois os empecilhos da vida serão resolvidos naturalmente. Tenham todos um feliz Dia dos Namorados … sem prensar em idade”, completam os eternos namorados, Alcino Alves Barbosa e Nair de Lourdes Colani Barbosa.

Família

O casal Alcino e Nair tem os filhos Camilo de Lelis Colani Barbosa, casado com Fernanda Ivo Barbosa; Eugênio Colani Barbosa, casado com Izabela Saad Barbosa; Gustavo Colani Barbosa, casado com Débora Patrícia Barros Barbosa; Raquel Colani Barbosa Rocha, casada com Fernando Moreli Rocha e Alcino Alves Barbosa Júnior e, os netos Gabriela, Helena, Manoella, Valentina, Francesca, Domitilla, Antonella, Luís Gustavo, Ana Letícia, Henrique, Eric e Júlia.