Empregos voltam a crescer timidamente em Ituverava

Após município ter registrado saldo negativo em 2018, vagas reapareceram no primeiro trimestre desse ano

Av. Dr. Soares de Oliveira: 96 vagas criadas entre janeiro e março

No início do ano, a Tribuna de Ituverava publicou reportagem sobre uma situação bastante preocupante. Na ocasião, ao invés de aumentar o número de trabalhadores com carteira registrada entre 2017 e 2018, teve queda de 81 vagas no mercado de trabalho.
Neste ano, segundo os mais recentes dados do Caged, do Ministério da Economia, mostram que Ituverava teve, entre janeiro e março, um crescimento tímido. Foram 612 admissões e 516 desligamentos, o representa um saldo positivo de 96 vagas criadas.
Os números, apesar de melhores que o ano passado, estão longe de cidades da região, como São Joaquim da Barra que gerou 300 vagas e Orlândia, com um saldo positivo de 146. Outra questão relevante é que cidades da região registraram um crescimento maior número de carteiras assinadas, como Guará (120), Miguelópolis (147) e Buritizal (145), contra 96 em Ituverava.

Tendência

A situação acompanha uma tendência nacional, pois, de acordo com o Caged, ao longo desse mesmo período surgiram 805 novas vagas na microrregião, 68.970 no Estado de São Paulo e 164.256 em todo o país.
Os números, felizmente, estão bem distantes daqueles registrados em Ituverava entre janeiro e março de 2018, quando ocorreram 461 admissões e 556 desligamentos, o que gerou um saldo negativo, com 95 vagas que deixaram de existir.
Em 2017, o resultado também foi inferior ao desse ano, com 579 admissões e 537 desligamentos (saldo positivo de 42 vagas). Em 2016, mais um saldo negativo: 628 admissões contra 651 desligamentos (-23).
Dessa forma, é possível afirmar que embora 2018 tenha sido um ano ruim para Ituverava no que se refere à geração de empregos, 2019 começou melhor. No entanto, o município não alcançou o resultado positivo do primeiro trimestre desde 2014, quando foram 892 admissões e 778 desligamentos, o que gerou um saldo positivo de 114 empregos.

Vagas de empregos criadas na região entre janeiro e março de 2019

Ituverava
Admissões: 612
Demissões: 516
Saldo: (+) 96 vagas

São Joaquim da Barra
Admissões: 1.091
Demissões: – 791
Saldo: (+) 300 vagas

Orlândia
Admissões: 1.440
Demissões: 1.275
Saldo:(+) 165 vaga

Miguelópolis
Admissões: 453
Demissões: 306
Saldo: (+) 147 vagas

Buritizal
Admissões: 209
Demissões: 64
Saldo: (+) 145 vagas

Guará
Admissões: 397
Demissões: 277
Saldo: (+) 120 vagas

Aramina
Admissões: 93
Demissões: 48
Saldo: (+) 45 vagas

Ribeirão Preto
Admissões: 25.601
Demissões: 24.318
Saldo: (+) 1.283

Franca
Admissões: 13.475
Demissões: 9.169
Saldo: (+) 4.306 vagas

Jeriquara
Admissões:96
Demissões: 103
Saldo: (-) 07 vagas

Igarapava obteve o melhor desempenho da microrregião

Na microrregião, o melhor resultado registrado foi o de Igarapava, que neste primeiro trimestre de 2019 teve 916 admissões e 517 desligamentos, o que gerou um saldo positivo de 399 empregos.
Em seguida vêm São Joaquim da Barra, que teve 1.091 admissões e 791 desligamentos (saldo de 300 vagas); Orlândia, com 1.440 admissões e 1.275 desligamentos (saldo de 165); Miguelópolis, que registrou 453 admissões e 306 desligamentos (saldo de 147); Buritizal, com 209 admissões e 64 desligamentos (saldo de 145); Guará, que teve 397 admissões e 277 desligamentos (saldo de 120) e Aramina, com 93 admissões e 48 desligamentos (saldo de 45).
Jeriquara foi o único município da microrregião a fechar o primeiro trimestre do ano com resultado negativo: o município teve 96 admissões, mas registrou 103 desligamentos, o que resultou no saldo de – 07.

Ribeirão Preto
A| maior cidade da região também apresentou um resultado bastante positivo. O município teve 25.601 admissões e 24.318 desligamentos, o que gerou um saldo de 1.283 empregos.
No caso de Ribeirão, no entanto, o resultado obtido nesse ano não é melhor que o do ano passado. Em 2018, nesse mesmo período, foram 24.101 admissões e 22.072 desligamentos, o que resultou em 2.029 empregos.