Entenda como funciona o cartão de crédito digital, a nova forma de consumo

Os cartões de crédito digital vieram como uma nova forma de consumo para os usuários de celulares Android e iPhone (iOS). A solução se tornou uma verdadeira febre, principalmente, em meio ao público mais jovem.

As facilidades oferecidas por Nubank, Credicard Zero, Agibank e pag!, como a ausência de certas tarifas e a forma prática de solicitar o serviço, caracterizam essa modalidade de crédito. Ao mesmo tempo, algumas semelhanças com o cartão tradicional, como a aparência e a forma de utilização, podem trazer mais segurança aos interessados.

Para entender mais sobre o funcionamento desse recurso no Brasil, acompanhe as principais perguntas e suas respostas abaixo. Vale lembrar que o cartão digital é diferente do virtual, que é online e não conta com versão física.

Como os cartões de crédito digital funcionam?

Em diversos aspectos, os cartões de crédito digital funcionam da mesma maneira que os cartões de crédito físicos tradicionais.

A princípio, o usuário usa o sistema a cada compra e, em seguida, deve pagar a fatura até a data de vencimento. Para quitar o débito, há duas opções: via aplicativo de outro banco que o cliente tiver uma conta, ou pessoalmente, nas lotéricas da Caixa Econômica e demais bancos.

A possibilidade de alterar a fatura por meio da plataforma online é um destaque do serviço. Com a função, o cliente pode ter descontos ao antecipar o pagamento de parcelas. Outro recurso comum é o ajuste do limite do cartão digital pelo próprio titular, apto para aumentar ou diminuir a margem conforme sua necessidade.

Os interessados na função débito já podem encontrar a modalidade disponível em alguns cartões. No Nubank, a opção se encontra em fase de testes, enquanto a plataforma pag! disponibiliza o mecanismo dentre os tipos de cartão oferecidos por ela.

Quem pode solicitar um cartão de crédito digital?

As principais exigências para fazer o pedido são: ter mais de 18 anos, um CPF válido e um celular com os sistemas operacionais do Google ou da Apple. As contas podem ser abertas pela Internet, e o requerimento do cartão de crédito geralmente exige documentos como a carteira de identidade, que pode ser identificada a partir da câmera do dispositivo móvel.

Após a solicitação, o cliente deve esperar a aprovação do cadastro. O tempo de aprovação varia conforme a empresa e fica em torno de 10 a 15 dias úteis. O Agibank ressalta que o cartão administrado pela empresa pode demorar até 20 dias úteis para chegar, de acordo com a localidade do requerente. 

Mesmo com o nome limpo, é possível não ser aprovado para usá-los?

Sim. O sistema dos cartões faz uma análise que não se limita à análise de crédito como único critério. Dessa forma, se você não conseguir um cartão de crédito digital em um primeiro momento, não se preocupe: isso não significa que seu nome está negativado. 

Que tipo de vantagens os cartões oferecem?

Um dos motivos mais comuns para obter um cartão de crédito é a facilidade de postergar o pagamento da compra para outra data. O programa de recompensa oferecido por algumas operadoras de crédito pode ser vantajoso para o cliente, principalmente, quando se utiliza do método de pontos. Essa medida também se estende às versões digitais dos cartões.

Cada operadora tem o próprio modo de recompensas. O Nubank, por exemplo, tem o Rewards. Essa organização permite o uso de pontos acumulados para conseguir um abatimento em parte da fatura, principalmente com gastos frequentes. Ele é contratado à parte e tem um custo diferenciado, que vem incluso em cada fatura.

A maior parte das recompensas oferecidas ao cliente se deve às parcerias que os cartões têm com outras empresas. O Nubank tem o apoio de serviços como a Amazom.com.br, Nettflix, Uber e Airbnb. Já o Credicard Zero está associado ao Pontofrio, Natura, Netshoes, Decolar.com, e etc. Além disso, outro benefício está nos valores de transações financeiras tradicionais. O pag!, por exemplo, permite transferências sem custo para qualquer banco do país. 

Como operam no sistema bancário?

A preocupação com fraudes financeiras e operações obscuras podem influenciar na resistência de alguns usuários para aderir aos cartões digitais. Porém, ao contrário do que se pode imaginar, o serviço atua no sistema bancário de uma forma regulamentada e transparente.

A maior parte dos cartões digitais é licenciada pela MasterCard e seus protocolos de tecnologia de segurança seguem os padrões exigidos pelo Banco Central. A exigência do envio de fotos para abrir uma conta é feita pelo Banco Central, por exemplo.

As ofertas disponibilizadas pelos cartões digitais costumam ter bancos ou instituições financeiras por trás. O Credicard Zero é vinculado ao Itaú Unibanco e o pag! pertence ao Grupo Avista, grupo financeiro com mais de 20 anos de atuação no mercado. A exceção é o Nubank, que começou como uma startup em São Paulo, mas já se encontra bem posicionado no mercado.

O lucro das empresas que oferecem cartões de crédito digitais geralmente envolve as compras feitas pelos clientes nos estabelecimentos comerciais. A cada transação, um pequeno percentual do valor é redirecionado para elas. Outro plano de negócios parte da cobrança de juros abaixo do mercado. Quando seus usuários decidem financiar suas faturas, seja parcial ou integralmente, as companhias tendem a colocar taxas abaixo do praticado pelo mercado. A ação oferece um diferencial para as pessoas vinculadas a essas instituições de crédito.

Fonte: www.jornaldafranca.com.br