Espera só um pouco

Mas espera…só um pouco, eu juro. Ainda tenho tanta coisa presa aqui, que nem sei por onde começar. Talvez um bom começo seria pedir desculpas, mas isso seria muito clichê. E você não gosta das coisas assim, padronizadas. Embora não gostar das coisas padronizadas também seja um padrão, e você sabe disso.
Aliás, você sabe de tantas coisas, que às vezes me perco. Mas me perco num sentido bom. Porque você é tão complexa, original e autêntica que ainda não faço a menor ideia de onde termina a sua imensidão (se é que termina).
E agora você está prestes a ir embora. E eu não sei quando volta, se é que volta, daí esse meu imediatismo, em querer dizer o que precisa ser dito, mesmo que seja algo óbvio, mesmo que seja (você gostando ou não) algo clichê.
Mas as coisas não saem tão facilmente. Nenhuma delas, você sabe. E quando saem, são mal interpretadas, como aquelas poesias das quais falamos ainda ontem.
O fato é que eu aprendo com você. E talvez seja isso, em meio a tantas outras coisas, o mais significativo. Não falo em aprender sobre o último filme que você assistiu, sobre aquela corrente filosófica que nunca entendi direito ou sobre os mecanismos para ficar consciente durante os sonhos.
Mas falo, sobretudo, a respeito dos momentos em que você me ajuda a entender quem eu realmente sou e quem eu posso vir a ser. Ou quando me pergunta, meio que aleatoriamente, o que eu estou fazendo aqui (aqui onde? Na minha casa? Na vida? No seu abraço?).
De qualquer forma, eu acho que você sabe, em algum lugar aí dentro, que ainda há muito a ser visto, há muito a ser mostrado e há muito a ser vivido.
Por isso, espera…só um pouco, eu juro. Ainda tenho tanta coisa presa aqui, que nem sei por onde começar…

Bruno da Silva Inácio cursa mestrado na Universidade Federal de Uberlândia, é especialista em Gestão Cultural, Literatura Contemporânea e em Cultura e Literatura.
Ele Cursa pós-graduação em Filosofia e Direitos Humanos e em Política e Sociedade. É autor dos livros “Gula, Ira e Todo o Resto”, “Coincidências Arquitetadas” e “Devaneios e alucinações”, além de ter participado de diversas obras impressas e digitais.
É colaborador dos sites Obvious e Superela e responsável pela página “O mundo na minha xícara de café”.