Facebook anuncia ferramenta que evita spoilers a usuários

Você não consegue acompanhar Game of Thrones em dia ou sempre espera uma semana para assistir ao novo filme dos Vingadores e acaba recebendo aquele spoiler devastador na timeline do Facebook? Acredite, você não é o único que sofre com o problema.
Tanta gente se incomoda com isso que a rede social desenvolveu uma maneira de o usuário conseguir bloquear assuntos do mural ou dos grupos por algum tempo e assim evitar que estraguem a sua experiência do final de semana.
A função de bloquear assuntos pode ser mais útil do que apenas evitar spoilers. Se as notícias sobre política estiverem te estressando tanto que você precise de um tempo para respirar, pode fazer com que notícias e comentários sobre o assunto desapareçam da sua timeline.
Ou, caso não esteja interessado na polêmica do momento, basta ativar a função e deixar as pessoas comentando sobre ela tranquilamente sem te incomodar.
Para fazer isso, basta clicar nos três pontinhos que estão presentes ao lado de todo post do Facebook e ativar a função. Ela irá te mostrar algumas palavras-chave que podem estar relacionadas ao tema e você escolhe as melhores para orientar o algoritmo.
Entretanto, existe um problema básico nesse sistema: você precisar ver o assunto pelo menos uma vez antes de publicar. Ou seja, precisaria levar um spoiler antes de evitar outros. A plataforma já declarou, no entanto, que está trabalhando para melhorar isso.
Não é possível bloquear imagens e nem propagandas relacionadas ao tema que você escolheu. O argumento foi de que o departamento de publicidade trabalha com um algoritmo muito diferente, que não conversa com o dos programadores.
Por enquanto a função está disponível para alguns usuários dos Estados Unidos, como teste. Caso seja aprovado, logo funcionará para todas as línguas, inclusive o português.

Olhos abertos
Dois engenheiros do Facebook foram capazes de criar um sistema que é capaz de identificar quando alguém está piscando em uma foto e corrigir a “imperfeição” com o uso da inteligência artificial. Assim, aqueles que não resistirem ao disparo de um flash, terão uma nova alternativa à disposição.
Os engenheiros da rede social, Brian Dollahnsky e Christian Canton, responsáveis pela criação explicaram que o mecanismo é capaz de estudar várias fotos em que o rosto do usuário aparece e entender como são suas expressões faciais quando ele está com os olhos abertos. Assim, a ferramenta não só “transplanta” seus olhos com as pálpebras abertas para a foto em questão como corrige distorções faciais para não deixar um aspecto computadorizado.
“Para o problema particular de transformações faciais, a ferramenta aprende não só a preservar características como iluminação ou o tom da pele, mas pode também abranger alguma noção de plausibilidade semântica”, escreveram os dois engenheiros.
Os colegas também explicam que através das técnicas de “machine learning”, a inteligência artificial vai se aprimorando e ficando cada vez mais fidedigna. Segundo eles “dando um conjunto de treinamento em quantidade adequada, a ferramenta irá aprender como um rosto humano ‘deve’ se parecer”, afirmaram.

Imagem por Photoshop
Já para corrigir o aspecto artificial de imagem tratada por Photoshop que ocorre quando uma montagem ou alguma modificação é mal feita, chamado formalmente de “uncanny valley”, os dois engenheiros fizeram uso de um recurso geralmente usado para desenhar rostos do zero, chamada de Rede Adversarial Generativa (GAN, na sigla em inglês).
Essa técnica é utilizada para criar faces de celebridades que não existem (como os bots que estão ficando famosos no instagram) ou fazer alterações como testes que mostram com qual celebridade você se parece ou “como seria o filho” de determinada pessoa com outra pessoa.
Somanda os dois recursos (GAN e machine learning com reconhecimento facial), esse sistema aprende como são os olhos dos indivíduos e os reproduz da maneira mais fiel possível.
Ele leva em conta o tamanho da cavidade ocular na foto em que o usuário aparece de olhos fechados, a posição do rosto, a iluminação sobre a pele e qual o efeito da luz sobre os olhos. A novidade, entretanto, ainda não tem prazo para ser implementada e começar a valer.