Governo anuncia que Enem será 100% digital até 2026

O MEC (Ministério da Educação) anunciou na última semana que começará a aplicar a prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) por meio digital em 2020. A aplicação, segundo o Ministério, acontecerá em modelo piloto: a prova será oferecida de forma opcional a 50 mil alunos de 15 capitais brasileiras no ano que vem e atingirá 100% das provas em 2026.
“Este ano, a aplicação do Enem é normal, em papel, mas vamos começar o preparativo para o piloto digital em 2020”, disse o presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), Alexandre Lopes.
O Enem digital será aplicado nos dias 11 e 18 de outubro de 2020. Já a prova tradicional, em papel, será realizada nos dias 1º e 8 de novembro do ano que vem.
Em 2020, o Enem terá três aplicações: a digital, a regular e a reaplicação. A última é voltada para candidatos prejudicados por algum problema logístico ou de infraestrutura na realização da prova digital.

Transição gradual
A transição para o Enem digital ocorrerá de forma gradual. Em 2020 haverá uma aplicação digital, em 2021 haverá duas e dali em diante serão quatro datas digitais por ano. Em 2026, o Enem será 100% digital; sendo que tanto as provas objetivas como a redação serão aplicadas no formato digital.
O valor da inscrição não será diferente para candidatos que optarem pelo Enem digital e a empresa contratada para realizar a aplicação do Enem será responsável por oferecer computadores e demais equipamentos necessários para a prova.
O custo estimado para o modelo piloto é de R$ 20 milhões. Já a realização do Enem tradicional, segundo o Inep, custa em torno de R$ 500 milhões para todos os participantes (cerca de 5 milhões de pessoas).

Responsabilidade

Segundo Lopes, a transformação da aplicação do Enem em papel para o meio digital será progressiva até 2026. A empresa que for contratada para realizar a aplicação do Enem no ano que vem será responsável por toda a infraestrutura do exame, incluindo os locais de prova, os fiscais de sala e os computadores.
“O MEC não irá comprar computadores para fazer o Enem digital. A gente vai usar as bases já instaladas nas unidades de ensino”, disse o presidente do Inep.
O objetivo, segundo ele, é fazer várias aplicações do Enem ao longo do ano, “por agendamento, como se fosse para tirar o passaporte”. “O aluno vai escolher a cidade, o dia e vai marcar a prova”, afirmou.
A expectativa do Inep, para o futuro, é trabalhar com provas que tenham questões interativas, com vídeos, infográficos e lógica dos games.