It – Capítulo 2 diverte e emociona, mas não assusta

Em 2017, o diretor Andy Muschietti apresentou ao mundo a sua visão de It, obra literária de Stephen King que já havia sido adaptada para o cinema em 1990, com direção de Tommy Lee Wallace. Passados dois anos, It – Capítulo 2 chega aos cinemas com uma narrativa envolvente (embora não tão fiel ao livro), divertida e emocionante. Quem espera um filme que assuste, no entanto, pode sair decepcionado.
A trama acompanha os mesmos personagens do primeiro filme – o Clube dos Perdedores – 27 anos depois da batalha contra Pennywise. O grupo volta a se reunir em Derry para enfrentar mais uma vez o sinistro palhaço, brilhantemente interpretado por Bill Skarsgard.
Para quem estava triste por ter que se despedir do elenco infantil do primeiro filme, uma boa notícia é que ele está de volta em It – Capítulo 2. Os flashbacks são frequentes e não só relembram cenas do longa de 2017, como também acrescentam novos fatos vivenciados pelos personagens durante a infância. Alguns deles, inclusive, são bem esclarecedores.
Há ainda a presença de características marcantes em cada um dos personagens principais, que mesmo após 27 anos não abandonaram certos hábitos e frustrações. É o caso do humor nonsense de Richie (interpretado por Finn Wolfhard na infância e Bill Hader na vida adulta), a hipocondria de Eddie (Jack Dylan Grazer/James Ransone) e o sentimento de culpa carregada por Bill (Jaeden Lieberher/James McAvoy).

Sensações diferentes

Apesar de raramente assustar, It – Capítulo 2 provoca muitas sensações diferentes em quem assiste. Há momentos de gargalhadas, momentos de lágrimas e momentos de reflexão, especialmente por tocar em assuntos sérios como o preconceito contra homossexuais e as diversas formas de violência sofridas pela mulher, temas que aparecerem em muitos livros escritos por Stephen King. Aliás, para os fãs do escritor, vale dizer que existem referências a outras obras escritas por ele e que (alerta de spoiler!) o autor aparece no longa. Por fim, é importante destacar que a narrativa de It – Capítulo 2 é tão bem estruturada que mal se percebe que são quase três horas de filme. O principal ponto negativo, entretanto, são os efeitos especiais utilizados em cenas que tinham potencial para serem assustadoras, mas que infelizmente beiraram o ridículo. Nesse aspecto a continuação deixou a desejar se comparada ao primeiro filme.
Mesmo assim, It – Capítulo 2 apresenta ótimo elenco, um importante aprofundamento nas emoções dos personagens e valiosas reflexões. Talvez não seja um filme de terror, mas ainda assim é um bom filme.

Bruno da Silva Inácio cursa mestrado na Universidade Federal de Uberlândia, é especialista em Gestão Cultural, Literatura Contemporânea e em Cultura e Literatura. Ele Cursa pós-graduação em Filosofia e Direitos Humanos e em Política e Sociedade. É autor dos livros “Gula, Ira e Todo o Resto”, “Coincidências Arquitetadas” e “Devaneios e alucinações”, além de ter participado de diversas obras impressas e digitais. É colaborador dos sites Obvious e Superela e responsável pela página “O mundo na minha xícara de café”.