Ituverava registra 1.069 casos de dengue este ano

Foi registrado no município o aumento de 102 casos confirmados em uma semana  

Equipe da Frente de Trabalho recolhe possíveis criadouros do Aedes aegypti

Com o aumento do número de casos de dengue em Ituverava, a população tem demonstrado grande preocupação com a dengue hemorrágica, forma da doença que ocorre em 5% dos casos, e mais comum nas pessoas que contraem pela segunda vez.
De acordo com os últimos dados da Vigilância Epidemiológica do município, este ano já foram registradas 1.599 notificações da doença, dos quais 1.069 foram confirmadas, 26 descartadas e 504 ainda aguardam resultado de exames.
Há, inclusive, a suspeita de que ao menos uma pessoa tenha morrido em decorrência da doença, no município. Entretanto a análise laboratorial que pode comprovar ou descartar essa possibilidade ainda não foi concluída.
Se confirmado, será o primeiro registro de morte por dengue hemorrágica do ano, em Ituverava. No entanto, outros casos de dengue hemorrágica estão sendo investigados na cidade.
O mais preocupante, é que as notificações crescem consideravelmente a cada semana. Portanto, as chances de aumento no número de casos positivos são grandes, principalmente considerando que aproximadamente 504 pacientes ainda aguardam resultados de exames

Dengue mais agressiva
Embora ainda seja chamada de dengue hemorrágica pela população, a versão mais ameaçadora dessa doença agora tem o nome de dengue grave, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).
Existem quatro tipos de vírus da dengue e qualquer um pode causar esse problema extremamente perigoso. Mas tem um detalhe: os quadros graves são mais comuns em quem já foi cometida pela doença, ou seja, já teve dengue uma vez. Isso porque, na segunda agressão, o sistema imunológico do próprio paciente tende a disparar uma reação excessivamente forte.

Sintomas
Além dos sintomas clássicos (febre, enjoo e dores no corpo), ela é definida pela presença de uma ou mais das seguintes manifestações: palidez das mucosas e da pele; sudorese; aceleração do pulso; queda acentuada da pressão arterial; dificuldade de respirar; sangramento intenso; e comprometimento severo de coração, rins, fígado e cérebro
A partir do momento em que as manifestações ocorrem, caso a doença não seja tratada adequadamente, pode levar à morte em um intervalo de 12 a 24 horas.

Diagnóstico
O diagnóstico é feito da mesma maneira para todos os casos da doença: por análise do médico ou por exame de sangue específico. O tratamento é realizado, principalmente, com hidratação direto na veia e varia de acordo com as manifestações que cada paciente apresenta.
É fundamental ressaltar que não devem ser usados medicamentos que contenham ácido acetilsalicílico ou seus derivados, já que eles podem induzir a graves complicações nos quadros de dengue. No Brasil, esses medicamentos são identificados pelos dizeres “Este medicamento é contraindicado no caso de suspeita de dengue”.

Papel da população e do Poder Público
O problema é sério, e a população deve focar cada vez mais em evitar possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti, pois caso a pessoa contraia a doença pela primeira vez – o que, por si só, já é bastante preocupante –, ela ainda fica muito mais exposta ao risco da dengue hemorrágica, doença que pode levar à morte.
É bom lembrar que a pessoa pode contrair dengue uma ou mais vezes, o fato acarreta ainda mais o perigo da doença da forma mais grave, como a hemorrágica. A dengue mata e a vítima pode ser você, seu filho, pais ou um membro da família, pois todos estão sujeitos a serem picados pelo mosquito.
Portanto, cada um deve cuidar de sua casa e de terrenos e fiscalizar os vizinhos para que façam o mesmo. Deve ainda, em caso de necessidade, fazer denúncias à Vigilância Sanitária, para que o Poder Público tome as devidas ações no combate ao Aedes aegypti.
O Poder Público tem a obrigação de fazer sua parte, limpando a cidade (praças, córregos e ruas) além de intensificar ações e estratégias para a prevenção, controle e combate ao Aedes aegypti no município, como mutirões de limpeza nos bairros, visitas periódicas de agentes de saúde, além orientações à população.
E, é fundamental que ambas as partes trabalhem em conjunto, pois de nada adiantará, se cada um não fizer a sua parte.
Portanto, é imprescindível que a secretária de Saúde continue intensificando o trabalho de combate ao transmissor da dengue, enquanto à população, além de adotar medidas simples em casa, também fiscalizar as pessoas próximas para que façam o mesmo, e, se necessário, denunciar ao órgão competente, os casos de terrenos ou quintais que possam vir a se tornar possíveis criadouros do Aedes aegypti.

Opinião

“Acredito que com o número alto número de casos de dengue na cidade, agora a população precisa se conscientizar sobre as ações que devem ser adotadas para combater ao Aedes Aegypti, pois esse é um dever de todos”.
Amanda Silva Lima, 28 anos, auxiliar administrativa

“Estamos com medo de contrair a dengue, principalmente porque quem já foi vítima uma vez, corre mais risco da dengue hemorrágica. Por isso, estamos tentando fazer nossa parte em casa”.
José Paulo Moraes, 36 anos, servidor público

“Toda a população precisa ficar em alerta com a dengue, pois a cada dia mais casos são registrados, fato que tem me preocupado muito e me Causando medo, principalmente, porque tenho duas crianças em casa”.
Angélica Araújo Mendes da Silva, 30 anos, atendente

“Esse surto de dengue só está acontecendo devido à falta de consciência da população, não adianta a prefeitura organizar mutirões de limpeza ou visitar as casas, se as pessoas não colaborarem”.
Kelvin Barros de Oliveira, 28 anos, estudante 

População é fundamental no combate à dengue no município  

Equipe da Frente do Trabalho

A situação da dengue continua preocupante em Ituverava. De acordo com os últimos dados da Vigilância Epidemiológica, este ano já foram notificados 1.599 casos da doença, sendo 26 negativos e 1.069 positivos.
Segundo a Assessoria de Imprensa da Prefeitura, devido ao grande número de casos positivos e a gravidade de alguns casos, a Prefeitura continua intensificando o trabalho de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya.
A Secretaria da Saúde alerta a população para nos primeiros sintomas procure imediatamente as Unidades de Saúde ou o Pronto Socorro da Santa Casa de Misericórdia de Ituverava.
Todas as Unidades de Saúde estão preparadas com medicamentos e soros para fazer a hidratação do paciente, que é o método mais seguro para evitar que a doença se agrave. É indispensável que as pessoas diagnosticadas de dengue se hidratem constantemente.
Além disso, a Vigilância em Saúde também tem dado sequência ao seu trabalho de combate ao mosquito. Nessa semana, os Agentes de Endemias e os participantes do Programa Frente de Trabalho finalizaram a retirada de criadouros na Vila São Jorge. Já os Agentes de Endemias responsáveis pela nebulização (aplicação do inseticida por bomba costal) trabalharam no bairro Guanabara, na Escola “Capitão Antônio Justino Falleiros”, e nas ruas próximas à escola.
Os participantes da Frente de Trabalho, que atuam na Secretaria de Obras, também estão colaborando com o combate ao mosquito, na limpeza, poda e capina de canteiros e praças da cidade.
Mutirão
Na próxima semana, um mutirão de limpeza será realizado na Cohab, Nosso Teto, Cecap, Vila Celina e Jardim Primavera. A Prefeitura solicita para que a população limpe suas casas e terrenos para que seja feita a retirada dos entulhos deixados nas calçadas.
Além disso, a Prefeitura reforça o pedido para que a população colabore com o trabalho da Vigilância em Saúde e permita que os agentes entrem em suas residências para fazer o trabalho de combate ao mosquito.

Situação preocupante

A prefeita Adriana Quireza Jacob Lima Machado fala sobre a situação da Dengue no município. “Estamos muito preocupados com o a situação dos casos de dengue em nosso município e, por isso, estamos realizando um trabalho constante. Mas é indispensável o apoio da população, para que os resultados sejam melhores. Por isso, peço mais uma vez, a colaboração de todos. A luta contra a dengue é uma responsabilidade de todos nós”, afirma a prefeita.