Mapas mentais podem ajudar a melhorar desempenho no Enem

Cada vez mais conhecido entre estudantes, o chamado mapa ou diagrama mental (mind maps, em inglês) é um excelente recurso para que candidatos ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 memorizem conteúdos em qualquer disciplina.
O método começa a partir de uma palavra-chave e deriva para diversas associações, que ligam ao tema central. Para ajudar o aluno, os maiores especialistas no assunto deram preciosas dicas de como montar os mapas.
Com 15 anos de experiência educacional, o filósofo e professor Charles Peterson, especializado na preparação para concursos e vestibulares, através de técnicas de motivação, detalha que o mapa mental é uma poderosa arma em favor de uma boa aprendizagem e memorização.
“É uma forma de organizar, compreender e memorizar as informações. Auxilia também o mundo dos negócios, já que otimiza reuniões empresariais, organiza processos complexos e facilita a comunicação”, afirma.
“Mas o grande benefício é para a área da educação, sobretudo, para os processos de aprendizagem”, assegura Charles, que é autor do famoso método MPETE (Motivação Planejamento Estratégico e Técnicas de Estudo).
Criado pelo pesquisador Tony Buzan, especialista em cérebro, aprendizagem e educação, o mapa mental tem as seguintes vantagens: ideia principal definida com nitidez; importância relativa de cada ideia especificada claramente; ligações entre os conceitos-chave identificadas com facilidade, estimulando a associação de ideias e sentidos e revisão eficiente e rápida de informações. “Cada mapa mental é uma criação única. Uma espécie de DNA do autor”, comenta.

Recomendação
Para Charles, o uso do mapa mental nos estudos para o Enem é altamente recomendado. “Ajuda o aluno a aprender com muito mais qualidade, que as formas tradicionais, que não suportam o peso de uma preparação para o exame nacional”, destaca.
Estudos apontam que existem disciplinas que são compreendidas com muito mais resultado, quando os mapas mentais são utilizados, sobretudo, quando tais assuntos são complexos ou extensos. Nestes casos, os mapas organizam informações que, muitas vezes, estão confusas e espalhadas nas páginas.

Método ajuda a colocar o aluno na frente dos concorrentes

O mapa mental obriga o aluno a compreender conteúdos, pois exige raciocínio e não somente copiar matéria, segundo o professor Charles Peterson. “É praticamente impossível fazer um mapa sem compreender a disciplina”, garante.
Em seu site (www.charlespeterson.com.br), o professor dá mais detalhes do método, que usa a hierarquia para fazer distinções entre níveis de importância dos tópicos a serem memorizados.
A página VEST Mapa Mental (www.vestmapamental.com.br/mapas-gratis/) disponibiliza mapas mentais gratuitamente. É possível fazer o download de materiais para estudar química, física, biologia, filosofia, sociologia, geografia, história e redação.
Segundo especialistas, apesar da prova do Enem não ter o perfil ‘decoreba’, há conteúdos em que a memorização é fundamental. Eles defendem que as questões do Enem envolvem tudo o que foi aprendido na escola e, por isso, um resumo mapeado é eficiente. A memorização faz com que informações isoladas se entrelacem e uma ideia puxe a outra.