Médico faz projeção de casos de Covid 19 no Brasil e na região

Em quarentena, Ituverava segue sem casos confirmados de coronavírus

Em entrevista concedida à Tribuna de Ituverava, o médico do corpo clínico e diretor técnico da Santa Casa de Ituverava, Dr. Gonçalves Dias, faz uma projeção do número de pessoas que podem ser infectadas pelo Codiv-19 no Brasil e na região de Ituverava, do dia 4 até 30 de abril.
Segundo o médico, o crescimento no número de casos da doença no país é uma média de 13% ao dia. No dia 4 de abril, o número de pessoas infectadas pelo vírus era de 10.278. Tomando por base este número, após 25 dias, (ou seja, no dia 30 de abril), cerca de 325 mil pessoas poderiam ter contraído o Convid-19. Isso é uma taxa de 0,15% de contaminação da população brasileira, pois o país possui 210 milhões de pessoas (ver quadro abaixo).
Seguindo o cenário nacional, ou seja, 0,15% da população poderia contrair o novo coronavírus, o médico faz também uma projeção para os números de infectados na região de Ituverava. “Se considerarmos 120 mil pessoas em Ituverava e região, aplicando a taxa de 0,15%, obteremos o resultado de, provavelmente, 180 pessoas com covid-19. Destas 180 pessoas infectadas, 20% (ou seja, 36 pessoas) precisariam de internação. E, destas 180 pessoas, 5% (ou seja, 9 indivíduos), necessitariam da Unidade de Terapia Intensiva (UTI)”, calcula o médico.

Medidas de prevenção
“Daí a importância das medidas de prevenção, para que os casos cheguem de forma gradativa, lembrando que paciente internado na UTI, que precisar de ventilação mecânica, poderá ficar internado, em média, de 15 a 20 dias. E vejam a situação: uma vez esgotada a capacidade dos leitos de UTI, não haverá mais possibilidade de admitir outros pacientes com Covid-19 e nem mesmo casos de pessoas que sofreram infarto, AVC, entre outros casos urgentes”, alerta o médico.
Os dados citados pelo Dr. Gonçalves são somente projeções do número de infectados até 30 de abril, que podem ser totalmente alteradas conforme mudar o cenário da doença no país, como, por exemplo, a permanência ou não do isolamento social e as medidas de prevenção respeitadas pelas pessoas.
“A taxa de aumento de 13% ao dia leva em consideração o dia com maior aumento de número de casos. Existem dias com taxas de aumento menor que 13%, mas podemos ter dias com taxas bem maiores. Mas, claro, levando em consideração que existem casos que não fizeram exames ou ainda não saíram os resultados”, observa.

Contaminação
“Já sabemos que o vírus se espalha muito rápido e com facilidade. Lembrando que no começo da pandemia, em São Paulo, uma pessoa infectava doze e, hoje, uma pessoa contamina duas, e isso ocorre por causa do isolamento social”, enfatiza.
Se levarmos em conta os números de casos no mundo, o Brasil, hoje, está na 15ª posição. Isso ocorre por conta das medidas de isolamento que foram tomadas precocemente. Outro fator que contribui para a queda de contaminação entre pessoas se deve ao nosso clima quente, onde o vírus, exposto ao sol, morre rapidamente”, diz.

Grandes centros
O Brasil tem uma grande extensão territorial e cidades tem grande densidade demográfica como São Paulo, Rio de Janeiro e outras capitais. E, nestes locais, o número de doentes vai ser maior se comparado as cidades do interior do país.

Grupos de risco e os jovens
“Não podemos esquecer que o grupo de risco são ainda os idosos e as pessoas que portadoras de doenças relacionadas a problemas respiratórios e diabéticos. Mas, com o passar dos dias, tiveram também jovens com a forma grave da doença, com casos de internação e até necessitando de UTI. Com isso, concluímos que não podemos medir esforços para evitar o convid-19, tomando os cuidados necessários e não desprezar essa doença”, alerta.

Comércio fechado
“À medida que os dias vão passando, outro problema que se agrava é o econômico, com o comércio fechado. Por isso, temos que nos organizar para que, no final da quarentena, os comerciantes possam voltar a abrir suas empresas de maneira organizada. Mas, primeiro, as pessoas que têm suas lojas não podem simplesmente abrir, mas, sim de forma organizada, recebendo poucos clientes no interior de suas lojas. Porém, não é somente no interior dos estabelecimentos, mas também do lado de fora, com a organização de filas com distância de uma pessoa para outra de 2 metros”, explica.
“Por isso, faço um apelo aos comerciantes de Ituverava: que organizem seus estabelecimentos para a volta das atividades. Sendo assim, precisamos ser “nossos fiscais” e manter a ordem. Não podemos nos esquecer também de passar o álcool em gel, não fazer aglomeração, não permitir que o estabelecimento fique cheio, pois a doença estará em nosso meio até por volta de setembro”, reafirma.

Orientação
“Em Ituverava, as pessoas já sabem das orientações para prevenção da covid-19. Porém, vejo que muitas ainda não as aplicam, o que gera tumulto e muita preocupação dos profissionais da área da Saúde. Estamos diariamente fazendo grande esforço para que as pessoas obedeçam as regras básicas de isolamento, mas muitas vezes isso não acontece”.
“O meu recado, primeiramente, vai para as pessoas para que pensem, organizam-se, façam filas de dois metros de distância e evitem as aglomerações. Agora, para os comerciantes, que passem a receber o mínimo de pessoas e organizem as filas. Se nós fizermos assim, as pessoas vão poder fazer suas compras e os comerciantes vão poder exercer suas atividades econômicas de uma forma segura”, sugere.

Idosos
“Outra grande preocupação é quanto ao grande número de idosos nas ruas do município. Peço que fiquem em casa. Solicitem a outras pessoas para fazerem suas compras, para receberem o seu dinheiro ou outras tarefas que necessitam, mas que vocês permaneçam em casa”, orienta o médico do corpo clínico e diretor técnico da Santa Casa de Ituverava, Dr. Gonçalves Dias.

Excelente trabalho

O sistema de combate ao coronavírus adotado pelos principais órgãos de saúde do município, como Unidades Básicas de Saúde, AME, Unimed Norte Paulista, Hospital e Maternidade de Ituverava – São Jorge e Santa Casa de Ituverava, tem realizado um excelente trabalho a atendido as expectativas orientação da população e na identificação de casos suspeitos de coronavírus.