MP denuncia ex-presidente do Inter e três vices de sua gestão por desvio de dinheiro e dá alerta a outros clubes

Ex-presidente do Internacional, Vitorio Piffero foi denunciado nesta quarta-feira pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul ao lado de outras 14 pessoas – entre outros ex-dirigentes, profissionais liberais e empresários de jogadores.

A acusação aponta supostas fraudes no Inter durante a gestão de Piffero, entre 2015 e 2016, e desvios de mais de R$ 13 milhões. Os investigados são denunciados por estelionato, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Além de Piffero, os ex-vice-presidentes Pedro Affatato, Emídio Marques Ferreira e Carlos Pellegrini também estão na lista do MP – que apontou desvios entre comissões ilícitas em transações de jogadores.

“(Piffero) Foi denunciado por organização criminosa e a prática de 200 estelionatos, como co-autor. Ele foi considerado como co-autor de tudo que aconteceu. O regime era presidencialista no clube, as decisões eram tomadas por ele. Ele era um presidente participativo. Nestes termos, considerou-se a participação dele como decisiva nos crimes que foram imputados”, comentou o promotor Flávio Duarte em entrevista coletiva.

R$ 10 milhões teriam sido desviados para Affatato, que era vice de finanças do clube. Emídio Ferreira, que era responsável pelo Patrimônio na gestão Piffero, teria recebido R$ 53,4 mil em sua conta pessoal. Pellegrini, ex-vice de futebol, foi denunciado por obter mais de R$ 230 mil em comissões das negociações por jogadores como Paulo Cézar Magalhães, Cláudio Winck, Alisson, Ariel e Réver.

Alerta para outros clubes

Uma das bases para as denúncias do MP é a lei que estabelece o Programa de Modernização da Gestão de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro (Profut).

Nela, fica proibido que clubes contratem empresas formadas, de alguma forma, por seus próprios gestores ou familiares – o que ocorreu com Affatato, que usou a Rodoseg Segurança e Engenharia Rodoviária, de sua família, para obras no Beira-Rio que custaram cerca de R$ 1 milhão.

A lista de denunciados

Vitorio Piffero, ex-presidente

Pedro Affatato, ex-vice de Finanças

Emídio Marques Ferreira, ex-vice de Patrimônio

Carlos Pellegrini, ex-vice de futebol

Carlos Eduardo Marques, engenheiro do clube

Ricardo Bohrer Simões, empresário

Adão Silmar de Fraga Feijó, contador

Paola Affatato, empresária e irmã de Pedro

Arturo Affatato, empresário e irmão de Pedro

Rogério Braun, empresário de futebol

Paulo Cézar Magalhães, tio do ex-lateral do Inter de mesmo nome

Giuliano Bertolucci, empresário de futebol

Fernando Otto, empresário de futebol

Carlos Alberto de Oliveira Fedato, empresário de futebol

Fonte: www.msn.com.br