O melhor e o pior da Fórmula 1 na metade da temporada

Embora o campeonato da Fórmula 1 já tenha chegado à 12ª de 21 etapas, a pausa para as férias do verão europeu após o GP da Hungria, na “metade” da temporada, o piloto Lewis Hamilton está liderando confortavelmente a tabela com 62 pontos de vantagem sobre o companheiro de equipe Valtteri Bottas e caminha rumo ao hexacampeonato.
Mas até aqui, a temporada está longe de ser apenas de Lewis Hamilton, pois Max Verstappen está em fase excepcional, e marca o renascimento da McLaren. Também tem a briga intensa entre as equipes no pelotão intermediário e outros aspectos interessantes marcaram o campeonato até agora.

Lewis Hamilton
O pentacampeão mostrou até agora a forma costumeira e venceu oito das 12 provas do ano, com atuações de almanaque como na Hungria. Favoritíssimo ao hexa.
Mercedes
Os rivais se animaram depois de uma pré-temporada apagada, mas na hora do vamos ver, a equipe alemã veio fortíssima. Não bastasse ter o melhor carro, brilha nas estratégias.
Honda
O motor finalmente atingiu o patamar esperado depois de várias temporadas difíceis. Conquistou suas primeiras vitórias, e, ainda melhor, com excelente confiabilidade.

Charles Leclerc
Ainda que não seja 100% infalível, o monegasco desafiou o companheiro Sebastian Vettel no duelo interno da Ferrari e já poderia ter duas vitórias não fossem circunstâncias de corrida

McLaren
Finalmente a tradicional equipe inglesa renasceu. Com um time cada vez mais entrosado e um carro bem melhor, a quarta posição no Mundial de Construtores é uma realidade.

Destaques negativos

Ferrari
A “campeã” da pré-temporada não cumpriu o que dela se esperava quando o campeonato começou. A dificuldade nas curvas de baixa e no gerenciamento dos pneus tem sido fatal.

Valtteri Bottas
O finlandês começou muito bem a temporada, com duas vitórias em quatro corridas, mas depois voltou ao “normal”, com atuações apagadas e erráticas. Corre sério risco de deixar a Mercedes.