Ocorrências policiais da região devem ser registradas em Ituverava

As ocorrências policiais registradas das 18h às 8h, de cidades região, devem ser registradas na delegacia de Ituverava

Delegacia de Polícia de Ituverava

A decisão do governo de São Paulo de fechar delegacias de polícia no período noturno, feriados e finais de semana surpreendeu prefeitos, que foram até Assembleia Legislativa na segunda-feira, 6 de maio, para protestar contra a medida.
De acordo com a Associação de Delegados de São Paulo (Adepesp), o déficit no efetivo da Polícia Civil no estado é de 14 mil agentes. A Secretaria de Segurança Pública afirma que vai realizar concurso para contratar 2.750 policiais civis.
O presidente da Associação dos Prefeitos do Estado de São Paulo (Apreesp) e prefeito de Igarapava, José Ricardo Rodrigues Matar (MDB) afirmou que, municípios estavam sendo ameaçados pelo fechamento das unidades policiais nos plantões por falta de funcionários.
Um documento enviado pela Secretaria de Segurança ao comandante da Polícia Militar na região informou que, desde o dia 1º de maio, as ocorrências policiais registradas das 18h até às 8h em Igarapava, Miguelópolis, Guará, Buritizal e Aramina, devem ser apresentadas na Delegacia de Polícia de Ituverava.

Encaminhamento

No entanto, serão apenas encaminhadas para a Delegacia de Ituverava ocorrências de flagrante. As de menor potencial ostensivo, serão registrados pela Polícia Militar da cidade onde o fato ocorreu, podendo ser encaminhado no dia seguinte para a Delegacia de Ituverava.
No mais, as delegacias das cidades em questão, continuarão funcionando normalmente, durante todo o dia, das 8h às 18h.

Prefeitos de cidades da região desaprovam decisão

O delegado de Polícia de Ituverava, Márcio Barbosa Macedo

O prefeito de Miguelópolis Naim Miguel Neto, que é do mesmo partido do governador João Doria (PSDB), reprovou a decisão.
“Nós estamos aguardando as medidas que serão feitas pela Secretaria de Segurança Pública. Esperamos que o governador olhe com carinho para a situação do nosso município, que é carente e precisa de retaguarda policial eficiente”. O motivo para o fechamento é a escassez de policiais civis na região, que segundo a ADEPESP, o déficit é de 811 policiais. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, a regionalização do plantão policial na região não vai gerar prejuízos para a população.

Trabalho da PM prejudicado

O prefeito de Guará, Vinícius Magno Figueira (DEM), outra cidade afetada pela medida, explica que a falta de delegacias em funcionamento atrapalha também o trabalho da Polícia Militar no município. Segundo ele, a cidade tem 21 mil habitantes e conta apenas como uma viatura noturna.
“Em uma ocorrência de três horas, os policiais terão que ficar fora do município em uma distância de 20 km, na ida e na volta. Até efetuar a ocorrência, nós vamos ficar desguarnecidos, sem o apoio policial em nosso município”, lamenta.