Polícia Civil investiga roubos de tratores em fazendas de Morro Agudo e Ituverava

Trator recuperado pela Polícia Civil

A Polícia Civil investiga o roubo de tratores em propriedades rurais de Ituverava e Morro Agudo. Nas duas ações, as vítimas foram feitas reféns por homens armados com espingardas e encapuzados e os equipamentos foram levados. O assalto mais recente aconteceu na madrugada de 17 de julho, quando uma família foi rendida em Morro Agudo. Segundo a PM, cinco homens invadiram a fazenda e levaram dois tratores, além de espingardas de pressão. As vítimas não apresentaram ferimentos.
Na noite de 15 de julho, a ação ocorreu em Ituverava. Ainda de acordo com a PM, cinco homens armados invadiram uma fazenda e fizeram os caseiros reféns, um agricultor de 55 anos e a mulher de 61. Ambos foram amarrados e colocados em um quarto.
Os assaltantes levaram uma caminhonete, um carro, dois tratores, uma espingarda e três botijões de gás. Segundo a Polícia Civil, o automó- vel foi recuperado horas depois em um cafezal. A PM realizou bus-cas, mas nenhum suspeito foi encontrado.
Titular da delegacia de Morro Agudo, o delegado João Baptistussi Neto disse que não descarta a hipótese da mesma quadrilha ter realizado os dois assaltos. As vítimas estão sendo convocadas para prestar depoimento.

Encomenda

Segundo Baptistussi Neto, esse tipo de crime é realizado por encomenda. A hipótese é reforçada pelo fato de os veículos roubados serem da mesma marca. Os tratores são entregues aos receptadores e revendidos.
“Como é maquinário agrícola, acredito que tenha demanda de quem precisa de trator. Então, fazem essa encomenda e os veículos são roubados. Os ladrões não roubam para ter em depósito”, explica.
Segundo o delegado de Polícia de Ituverava, Dr. João Paulo de Oliveira Marques, no último final de semana dois tratores foram encontrados na região. “As máquinas estavam em um canavial no município de Guará e estão passando por identificação para constatar se realmente pertencem a proprietários de Ituverava. Tudo indica que sim. Há suspeitas sobre possíveis envolvidos no crime, mas até o momento ninguém foi preso, por isso as investigações continuam”, afirma o Delegado Marques.