Prefeitura de Jaboticabal, SP, começa a multar moradores sem máscaras nas ruas e no comércio

Estabelecimento também será multado caso haja clientes sem o equipamento de proteção. Valor arrecadado será destinado à compra de cestas básicas para famílias carentes

Comércio aberto em Jaboticabal, SP, na fase amarela do Plano SP — Foto: Reprodução/EPTV

A Prefeitura de Jaboticabal (SP) começou a multar nesta quinta-feira (13) moradores que estiverem sem máscaras nas ruas ou dentro de estabelecimentos comerciais do município. A fiscalização será realizada por agentes da Vigilância Sanitária com policiais militares em dias e horários alternados.

O valor da multa para quem for flagrado sem máscara nas ruas é de R$ 526,99. Já os estabelecimentos comerciais serão multados em R$ 5.025 para cada cliente visto pelos fiscais sem o equipamento de proteção.

“É inadmissível ter que aplicar multa para pessoas que não usam máscaras, sendo que é para proteção individual e coletiva. Hoje, a máscara deve ser usada como uma vestimenta. Tenho que me vestir adequadamente para sair de casa”, diz a chefe da Vigilância Epidemiológica, Maura Barreto.

O comércio também precisa implantar placas para sinalizar que o uso das máscaras é obrigatório. Os estabelecimentos que descumprirem a regra serão multados em R$ 1.380,50. A medida acompanha o decreto do estado de São Paulo, que, desde o início de julho, recomenda a aplicação da punição.

O coordenador da Vigilância Sanitária, Fernando Aurélio Martins, diz que seis pessoas foram multadas na manhã desta quinta-feira. Ele afirma que, antes de começar a punir os moradores, os agentes distribuíram cerca de 40 mil máscaras na cidade.

“Fizemos uma ação educativa intensa, então alegar que não tem máscara não é aceitável, e o que também não é aceitável o número de casos no nosso município e, lamentavelmente, 21 óbitos já”, diz Martins.

O valor arrecadado com as multas será destinado ao Programa Alimento Solidário, que vai comprar e distribuir cestas básicas a famílias em situação de vulnerabilidade social.

Fonte: www.g1.globo.com