Presidente do Sindicato Rural fala sobre perspectivas para seu mandato

Guilherme Chavaglia fala sobre as suas principais metas à frente do Sindicato Rural

O novo presidente do Sindicato Rutal, o agropecuarista Guilherme Ribeiro Rocha Chavalia

Desde maio deste ano, o Sindicato Rural de Ituverava tem um novo presidente, o agropecuarista Guilherme Ribeiro Rocha Chavalia, 52 anos, que assumiu o cargo no lugar do seu irmão, Gustavo Ribeiro Rocha Chavaglia. Ele foi eleito em pleito realizado no dia 9 de maio.
Em entrevista concedida à Tribuna de Ituverava Guilherme Chavaglia fala sobre as suas principais metas. “A maior preocupação e foco do Sindicato Rural, como sempre, são os interesses do produtor rural”, afirma.
“Para isso, buscamos constantemente fortalecer o relacionamento junto à Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) e à Frente Parlamentar da Agropecuária em Brasília, levando as principais necessidades do produtor, em busca de soluções que possam ajudar a conduzir melhor o setor à nível municipal”, disse.
De acordo com Chavaglia, a entidade ituveravense mantém um ótimo relacionamento com a FAESP. “Inclusive a nossa entidade é reconhecida como uma das mais atuantes na região o que garantiu que, tanto São Paulo, quanto Brasília deixassem as portas abertas para nós. Pretendemos fortalecer essa relação cada vez mais, principalmente agora que FAESP conta não só com o meu apoio, mas também do meu irmão, Gustavo Ribeiro Rocha Chavaglia, que deixou a presidência, mas continuará contribuindo com a administração”, observa.

Perspectivas para o mandato

Ele destaca os desafios que enfrentará. “Iniciamos essa fase com um detalhe que difere um pouco das outras diretorias, que tem relação com a renda que o Sindicato Rural dispunha para a sua manutenção Hoje, a entidade conta apenas com uma mensalidade simbólica, uma vez que o recolhimento sindical passou a ser optativo”, destaca.
“Diante disso, a entidade passou a ter um orçamento mais enxuto e para contornar essa situação estamos investindo em ações para reforçar o capital, como aprimoramento do Parque Permanente de Exposições, que está totalmente preparado pare sediar qualquer evento”, explica Chavaglia.
“No entanto, vamos tentar aperfeiçoar as suas instalações, visando explorar a sua locação, não apenas para gerar lucro, mas para manter o funcionamento da entidade”, diz.

Iniciativas que devem ser colocadas em prática pela diretoria do Sindicato

Segundo Chavaglia, promoções entre os sócios e produtores rurais é uma das iniciativas previstas no cronograma da diretoria. “Também é nosso objetivo dar continuidade ao trabalho que vem sendo realizado ao longo dos anos, que se resume em representar o produtor rural, defendendo os seus interesses nas esferas estadual e federal”, enfatiza.
“Além de oferecer serviços de despachante, consultoria contábil, cursos profissionalizantes e preparatórios que visam incentivar jovens, como filhos de produtores e universitários, a investir na atividade rural para agregar ao setor, entre vários outros serviços relacionados a produção rural”.
Cana-de-açúcar
O presidente fez uma análise da safra 2019/2020 da cana-de-açúcar e revelou expectativas de crescimento para a próxima colheita. “Estamos quase concluindo a safra 2019/2020 de cana-de-açúcar e a colheita correu praticamente dentro do esperado. Já a safra de soja sofreu uma quebra forte, pois faltou chuva no período entre dezembro e janeiro e no mês de março, quando a produção foi prejudicada”, afirma.
“Para a safra 2020/2021 da cana-de-açúcar as perspectivas são boas, considerando que 2019 foi um ano atípico. As variedades estão bem adequadas e o produtor também já está mais preparado par fazer uma boa safra”, completa Guilherme Rocha Ribeiro Chavaglia.

Diretoria para o triênio 2019/2021

Diretoria efetiva
Guilherme Ribeiro Rocha
Chavaglia – presidente
Luiz Augusto Barbosa do Carmo
Luiz Antônio Delefrate Lopes

Suplentes
César Luiz Mendonça
Vitor Magno Seixas Costa
Márcio Menezes Ribeiro

Conselho Fiscal Efetivos
Sueli Mine
Gustavo Benedini Ravagnani
Jean Gustavo Moises

Conselho Fiscal Suplentes
Carlos Fernando Rossato
Eizi Maeda
Luiz Carlos Iamaguti

Delegados Representantes Efetivos
Guilherme Ribeiro Rocha
Chavaglia
Gustavo Ribeiro Rocha
Chavaglia

Suplentes
Homil Abdala Abdo
Adriano Okano

Produção de grãos deve ser recorde na safra 2019/2020

Colheita de milho: produção deve ser recorde

O primeiro levantamento da safra de grãos 2019/2020, divulgado quinta-feira, 10 de outubro, pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), indica que a produção brasileira está estimada em 245,8 milhões de toneladas, um aumento de 1,6%, ou seja, 3,9 milhões de toneladas a mais em relação à safra 2018/2019; um recorde.
O estudo aponta ainda que a produção estimada do milho primeira safra é 26,3 milhões de toneladas, 2,5% acima à de 2018/19, com um crescimento de 1% na área, totalizando 4,14 milhões hectares.
O milho segunda safra, no entanto, que representa cerca de 70% do total do grão, só começará a ser plantada após a colheita da soja que, inclusive, vem mantendo a tendência de crescimento na área plantada e indica crescimento de 1,9% em relação aos números da safra anterior, com 120,4 milhões de toneladas.
Feijão
A produção de feijão, devido a problemas de chuva na colheita nas safras anteriores, indica queda de 3,9% na área a ser cultivada. A cultura perde espaço para o milho e a soja, que apresentam melhor rentabilidade.
Arroz
O arroz tem uma produção estimada em 10,6 milhões de toneladas, resultado 1,9% superior à safra de 2018/2019, mesmo com redução de 0,6% na área a ser cultivada, totalizando 1,7 milhão de hectares.
Algodão
No caso do algodão, a Conab informou que houve um aumento de 1,2% na área cultivada, alcançando 1,6 milhão de hectares. “Para o trigo, a safra 2019 ainda não foi totalmente colhida e a projeção é que este cereal alcance cerca de 5,1 milhões de toneladas”.

Área plantada

Quanto à previsão da área plantada total no país, a expectativa da Conab é que sejam cultivados 63,9 milhões hectares, uma variação para mais de 1,1% em comparação à safra 2018/2019.