Relembre alguns dos mais notáveis vilões do cinema


Em uma história – seja ela literária ou cinematográfica – é natural identificar-se com o herói, afinal, ele busca o que é correto, ou ao menos, o que acredita ser. No entanto, em muitos casos são os vilões que roubam a cena com suas frases de efeito, seu sarcasmo e seus planos bem elaborados. Relembre alguns dos malvados mais queridos do cinema.

Darth Vader
Não é por acaso que Darth Vader, da série Star Wars, se tornou o maior vilão da história do cinema. O pai de Luke Skywalker foi seduzido pelo lado negro da força, adquiriu muito poder – tanto político quanto físico e mental – e se tornou um malvado líder, eliminando (quase) todos aqueles que se opunham ao império até mesmo os seus aliados que cometeram erros. Sua frieza é tão marcante quanto a sua respiração densa e suas frases de efeito.

Hannibal Lecter
Após uma infância traumática, Dr. Hannibal Lecter se manteve dedicado aos estudos e conseguiu um intelecto invejável. Psiquiatra e grande admirador da arte, Lecter é um gênio do mal. Além de canibal, o personagem choca pelos “joguinhos” que faz com os detetives que o procuram na tentativa de que ele auxilie na solução de crimes cometidos por assassinos em série.
Como conhece muito bem a mente humana, Lecter sabe mexer com o psicológico e com a emoção das pessoas com muita facilidade. Sem dúvida quem fala com ele tem a vida transformada para sempre.

Coringa
A loucura de Coringa é a sua característica mais marcante. Absolutamente doentio, o inimigo de Batman não tem compaixão. Mata sem pensar duas vezes, e não demonstra medo quando sua vida é colocada em risco, pelo contrário, parece se divertir com a situação. Jack Nicholson que me perdoe, mas foi Heath Ledger que soube interpretar com perfeição o vilão mais perturbado do universo das histórias em quadrinhos.

John Milton
O bem-sucedido John Milton, de O Advogado do Diabo, é altamente irônico e dono de ótimas frases. Seu objetivo é levar o advogado Kevin Lomax ao mal, fazendo com ele se posicione contra Deus e cultive os sentimentos relacionados aos sete pecados capitais. John Milton, interpretado impecavelmente por Al Pacino, revela, com o passar do tempo, ser o próprio diabo.

Bruno da Silva Inácio cursa mestrado na Universidade Federal de Uberlândia, é especialista em Gestão Cultural, Literatura Contemporânea e em Cultura e Literatura.
Ele Cursa pós-graduação em Filosofia e Direitos Humanos e em Política e Sociedade. É autor dos livros “Gula, Ira e Todo o Resto”, “Coincidências Arquitetadas” e “Devaneios e alucinações”, além de ter participado de diversas obras impressas e digitais.
É colaborador dos sites Obvious e Superela e responsável pela página “O mundo na minha xícara de café”.