Tudo aquilo sobre afinidade

Afinidade acontece feito mágica. É a mesma palavra dita num instante; o mesmo cumprimento a um cachorro que passa pela rua e os mesmos gestos com as mãos. É o olhar pro nada com cara de quem já entendeu tudo. É o mesmo amor a velharias e o mesmo ódio por um alimento qualquer (no meu caso, beterraba).
É o gosto em comum por camisetas engraçadas e o mesmo apreço por piadas ruins. Afinidade é conversar através dos olhos, rir de caretas e entender que todos nós temos dias cruéis.
É entender que ninguém é uma fortaleza e que até mesmo a pessoa mais centrada do mundo está, de certa forma, perdida em meio aos seus pensamentos e à sua existência.
Afinidade é ler pensamentos mesmo sem acreditar que isso seja possível. É começar a cantar uma música sem saber direito a letra, e rir…
É enxergar, desde o primeiro contato visual, que existe algo de incrível naquela pessoa. É falar por horas sobre qualquer coisa, de viagem no tempo à receita de suflê.
É ter ideias malucas ao mesmo tempo e acreditar, de verdade, que aquilo pode dar certo. É sonhar acordado e dividir planos sem medo. É trocar memes, ter silêncios profundos e tomar um café a qualquer hora. É mandar áudio cantando, foto com cara de sono e GIF de capivaras refletindo sobre a vida.
Afinidade é entender que nada precisa ser eterno pra ser verdadeiro. É ser capaz de encontrar um pensamento filosófico em meio a uma conversa de bêbados.
É responder “sim” quando escuta a pergunta “sabe o que isso me lembra?”.
Afinidade é ir além dos estereótipos, dos muros, das primeiras impressões. É encontrar numa conversa algo que quase ninguém sabe. É entender o que provoca risos e o que provoca lágrimas.
Afinidade é escrever esse texto e saber que algumas pessoas se sentirão abraçadas por ele…

Bruno da Silva Inácio cursa mestrado na Universidade Federal de Uberlândia, é especialista em Gestão Cultural, Literatura Contemporânea e em Cultura e Literatura.
Ele Cursa pós-graduação em Filosofia e Direitos Humanos e em Política e Sociedade. É autor dos livros “Gula, Ira e Todo o Resto”, “Coincidências Arquitetadas” e “Devaneios e alucinações”, além de ter participado de diversas obras impressas e digitais.
É colaborador dos sites Obvious e Superela e responsável pela página “O mundo na minha xícara de café”.