5G chega ao Brasil em 2022 e promete revolução tecnológica

População beneficiada terá mais velocidade e estabilidade na internet, entre outros benefícios

O 5G deve chegar às principais capitais brasileiras em 2022, segundo as regras do leilão realizado entre 4 e 5 de novembro, pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A tecnologia é a evolução natural das gerações anteriores —3G e 4G— e traz como diferencial não apenas mais velocidade de conexão à internet no celular, cobertura mais ampla e conexões mais estáveis, mas também outras aplicações que poderão revolucionar a sociedade, como as cidades inteligentes.
A ideia é usar o melhor espectro de rádio e permitir que mais aparelhos acessem a internet móvel ao mesmo tempo. De acordo com especialistas, o 5G permitirá que mais de 1 milhão de aparelhos se conectem por metro quadrado.
A proposta é tornar tudo conectado, como celulares, carros, geladeira, máquinas de lavar e câmeras de segurança, entre outros eletrônicos.

Redes móveis
Atualmente, as redes móveis 4G mais rápidas oferecem, em média, aproximadamente 45 Mbps (megabit por segundo), mas a indústria ainda tem esperança de alcançar 1 Gbps (gigabit por segundo = 1.024 Mbps). Já a média da velocidade 3G no Brasil era de 8,82 Mbps (megabits por segundo).
Há ainda a rede 4,5G, que trabalha com múltiplas faixas de frequência ao mesmo tempo em relação ao 4G tradicional. A tecnologia pode registrar no mundo ideal até 1 Gbps de velocidade.
E é exatamente por isso que o 5G é tão esperado. A fabricante de chips Qualcomm acredita que o 5G pode atingir rapidez de navegação e download cerca de 10 a 20 vezes mais rápida, o que permitiria que um filme em alta definição fosse baixado em apenas um minuto.

Como funciona o 5G?
Ele usa faixas de frequência mais altas da telefonia para funcionar, de 3,5 GHz (Gigahertz) a pelo menos 26 GHz. Estas têm uma capacidade maior, mas como seus comprimentos de onda são menores, significa que seu alcance é mais curto. Por isso, são chamadas de “ondas milimétricas” e são bloqueados mais facilmente por objetos físicos. Mas os padrões ainda não foram definidos para todos os protocolos 5G.
Assim, é provável que surjam módulos de antenas de telefonia menores, próximos ao chão, propagando as chamadas “ondas milimétricas” do 5G entre um número bem maior de transmissores e receptores. Isso vai permitir uma cobertura mais ampla.
Engana-se quem pensa que a tecnologia 5G vem apenas para deixar a navegação na internet mais rápida. A expectativa é a de que, quando chegar no último estágio, o 5G represente um avanço importante como sociedade.
Graças a sua velocidade e cobertura, estima-se que o 5G possa, em muitos casos, substituir até mesmo as redes domésticas de wi-fi. Alguns especialistas acreditam que a tecnologia será complementar, com operadoras oferecendo banda larga, modem 5G e wi-fi para diferentes perfis.

Tecnologia
Além disso, a tecnologia será muito bem-vinda para quem joga games no celular, já que o usuário deve notar menos atraso —ou latência— ao pressionar um comando e ver o efeito na tela. Essa característica também é importante para que o 5G conecte muitos objetos inteligentes ao mesmo tempo, pois seu tempo de resposta rápido permitirá até que carros andem sem motorista.
Os vídeos para aparelhos móveis prometem ser quase instantâneos e sem interrupções por causa da transmissão. As videochamadas, por sua vez, devem se tornar mais claras e menos irregulares, enquanto aparelhos para exercícios poderão ser usados para monitorar sua saúde em tempo real, notificando os médicos assim que houver qualquer emergência.

Qual o custo da tecnologia 5G?
Especialistas apontam que operadoras tendem a oferecer franquias mais “generosas” com o 5G, o custo do bit do 5G é menor. Algumas operadoras estrangeiras disponibilizaram planos de 5G ilimitados neste início de ofertas: é o caso da britânica Vodafone, com preços que variam entre 23 e 30 libras (de R$ 120 a R$ 155) mensalmente.
Planos iniciais de empresas americanas, como Verizon e Sprint, também incluem pacotes ilimitados de 5G, mas oferecem limitações para quando o usuário for utilizar o 4G, algo que ocorrerá provavelmente com frequência, já que o sinal ainda está em processo de implantação.
Isso também é necessário do ponto de vista dos usuários: com uma internet absurdamente mais rápida, é difícil segurar o gasto de dados.

Vou precisar de um celular novo para utilizar o 5G?

Provavelmente sim. Nem todos os modelos são compatíveis com a nova tecnologia. A situação no Brasil deve ser parecida com a época do lançamento do 4G, em 2012, quando nem todos smartphones eram compatíveis.
Com o 5G, não deve ser diferente. São poucos modelos a venda atualmente no mundo que possuem essa capacidade —e são bem caros. Agora que a tecnologia passou a ser realidade, as fabricantes já iniciaram uma corrida para trazer aparelhos compatíveis ao Brasil.

Coreia do Sul e EUA estão entre países que já usam a tecnologia

A Coreia do Sul já tem a tecnologia disponível para os usuários, apesar de a rede ainda demonstrar instabilidade por lá. No país asiático, as três principais operadoras de telefonia móvel começaram a disponibilizar este tipo de conexão para consumidores em diferentes regiões em abril de 2019.
No mesmo mês, os Estados Unidos lançaram seu 5G. A empresa Verizon passou a oferecer o serviço nas cidades de Chicago e Minneapolis. A Sprint também oferece a tecnologia atualmente.
Em outubro de 2019, a China lançou a maior rede de telefonia móvel 5G do mundo. A China Mobile, maior operadora do país, lançou sua rede em 50 cidades, que incluem Pequim, Xangai e Shenzhen, com pacotes a preços baixos de 128 yuans (R$ 98) por mês. As rivais China Telecom e China Unicom Hong Kong também introduziram serviços com preços equivalentes.

Brasil
Mas se levarmos em conta o 5G DSS, o Brasil foi o terceiro país da América do Sul a ter uma rede 5G comercial disponível. Em abril de 2019, o Uruguai, por meio da estatal Antel e com tecnologia da Nokia, foi o primeiro país a disponibilizar lançar o 5G comercialmente no continente, seguido pelo Suriname em dezembro.

Outros países
Trinidad e Tobago, Canadá e Estados Unidos (incluindo Ilhas Virgens Americanas e Porto Rico) são outros países da América do Norte, Central e Caribe onde serviços do tipo são oferecidos.

Qual o perigo da tecnologia 5G?
À saúde humana, nenhum. Após a pandemia de coronavírus, notícias falsas contra o 5G se espalharam nas redes sociais. De acordo com alguns usuários, o coronavírus é resultado da exposição dos seres humanos a frequências dessa rede de telefonia.
De acordo com o biomédico Renato Sabbatini, um dos fundadores da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde, o 5G não traz nenhum risco. A potência do 5G vai ser bem menor (com relação ao 4G), então a possibilidade de efeitos sobre a saúde, que já não existem, será menor ainda. Todas as faixas de radiofrequência são do tipo não ionizantes, ou seja, não têm potência suficiente para quebrar relações moleculares.

Como vai funcionar o 5G na internet das coisas?

Uma das certezas é a aplicação em carros autônomos. Há testes em várias partes do mundo, com carros, ônibus e até caminhões. Com isso, diminuiria o trânsito e acidentes.
Outro sonho que pode se tornar realidade é o da casa conectada. Por exemplo, antes mesmo de você chegar em casa, o ar-condicionado pode ser acionado para deixar o ambiente agradável, o forno ligar e começar a esquentar sua comida, e TV, luzes e som começarem a funcionar assim que você entrar.
Mas a inovação não deve parar em sua casa. A cidade inteira estará conectada. Com isso, ônibus e vagões de trem saberão a hora de passar. Se existir algum problema em algum ponto, ele pode ser corrigido com a ajuda da inteligência artificial antes mesmo que você note. A latência menor é o que ajuda a ter respostas mais rápidas.
A indústria será afetada. As máquinas gigantes das fábricas, conectadas à internet sem fio, se tornarão muito mais eficientes. Tanto para mandar dados e apontar problemas, quando para poderem mudar de lugar sem precisar de toda a infraestrutura de cabos junto.
Por fim, a vida nos estádios para shows pode ser muito melhor. Seu celular já faz o caminho para seu assento, já deixa ele programado com as suas preferências (e quem sabe bebidas e comidas já na mão). A conexão vai funcionar o tempo todo, para todo mundo, graças à densidade do 5G, capaz de suportar mais conexões simultâneas.

Governo de SP planeja acelerar a implantação do 5G no Estado

O Governo de São Paulo anunciou, na terça-feira, 16 de novembro, investimento de R$ 3 milhões para agilizar a chegada da cobertura 5G aos 645 municípios paulistas. O Programa Conecta São Paulo incentiva as prefeituras a modernizar legislações locais de antenas para a nova tecnologia.
O lançamento contou com demonstração da rede 5G em diversas esferas do cotidiano, como saúde, organização urbana, indústria, agricultura e transporte. A tecnologia é uma evolução da rede 4G e permitirá conexões mais rápidas, possibilitando aplicações de objetos e cidades inteligentes.
O programa prevê que gestores municipais terão apoio técnico para atualização de leis locais de antenas. De acordo com o governo estadual, o setor de telecomunicações estima a necessidade de investimentos iniciais da ordem de R$ 4 bilhões em infraestrutura apenas em São Paulo. A proposta passará por aprovação na Assembleia Legislativa.
Durante o lançamento, o governador João Doria destacou que a nova tecnologia permite amplo uso e práticas que são benefícios aos cidadãos, “da mais remota área rural do estado de São Paulo até os grandes centros urbanos”.