Campanha Maio Amarelo conscientiza sobre melhor segurança no trânsito

Somente no primeiro trimestre de 2022, foram registrados 14.976 acidentes nas rodovias federais do Brasil

O mês de maio se veste de amarelo para debater um assunto muito sério: acidentes de trânsito. Criado em 2011 pela Organização das Nações Unidas (ONU), o Movimento Maio Amarelo tem como objetivo conscientizar a população sobre os altos índices de mortes e feridos em acidentes de trânsito.
Com o tema “Juntos Salvamos Vidas”, a campanha Maio Amarelo deste ano visa reduzir o número de acidentes no trânsito e evitar mortes. A iniciativa conta com a participação de órgãos governamentais e diversas organizações. A Polícia Rodoviária Federal iniciou as ações com campanhas educativas nas redes sociais e foco na educação para o trânsito, durante as fiscalizações nas rodovias federais.

Segurança viária
A mobilização da PRF é para conscientizar o cidadão sobre a importância da segurança viária e alertar os motoristas que a responsabilidade ao volante é fator determinante para o número de acidentes, mortes e feridos nas rodovias federais. As estatísticas da instituição apontam que o alto índice de acidentes graves e fatais no Brasil tem como causa principal as falhas humanas.
A PRF também quer mostrar ao pedestre que medidas simples e eficazes podem ser colocadas em prática para reduzir os acidentes, como utilizar passarelas e faixas de pedestres e respeitar a sinalização. Quanto aos motoristas, é imprescindível realizar ultrapassagens seguras, não misturar álcool e direção, proteger os mais vulneráveis no trânsito e adotar regras de direção defensiva.

Acidentes
Segundo dados do Registro Nacional de Acidentes e Estatísticas de Trânsito (RENAEST), da Secretaria Nacional de Trânsito, pasta do Ministério da Infraestrutura, em 2020, foram registrados 632.764 acidentes de trânsito no Brasil, o equivalente a 72 incidentes por hora. Em 2021, foram 11.647 mortes no trânsito, ou seja, a cada dia, 32 pessoas perderam a vida nesse tipo de ocorrência.
Somente no primeiro trimestre de 2022, foram registrados 14.976 acidentes nas rodovias federais do Brasil, resultando em 17.115 pessoas feridas e 1.283 óbitos. Minas Gerais tem liderado o ranking de acidentes até agora, com 1.911 ocorrências, seguido de Santa Catarina, com 1.875, e Paraná, com 1.669 acidentes.
Já em relação ao número de mortes nas estradas federais este ano, Minas Gerais lidera com 164 óbitos, seguido de Bahia e Paraná, com 144 e 131, respectivamente.

Ação global
O Movimento Maio Amarelo foi criado em 11 de maio de 2011, quando a Organização das Nações Unidas (ONU) decretou a Década de Ação para Segurança no Trânsito. Os países signatários se comprometeram a reduzir a violência no trânsito em um percentual de 50% no período citado.
As ações foram prorrogadas por mais uma década pela ONU, fixando o período 2021-2030 como a segunda década para ações pela segurança no trânsito; o Brasil, assim como os demais países, estipulou uma meta de redução de 50% das mortes em decorrência de acidentes de trânsito para o novo período.
A cor amarela, que sinaliza advertência no semáforo, foi escolhida por simbolizar a atenção necessária para a causa.

Apoio

A campanha Maio Amarelo conta com o apoio institucional do Ministério da Infraestrutura, por meio da Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran). O material da campanha está sendo divulgado nas redes sociais da Senatran alertando os motoristas para o uso do cinto de segurança, sugerindo aos caminhoneiros que façam paradas regulares e dirijam descansados e lembrando que os pedestres e ciclistas também têm direitos e deveres para tornar o trânsito cada vez mais seguro.
A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) também aderiu à campanha junto aos órgãos do Sistema Nacional de Trânsito para colocar em pauta o tema segurança viária e mobilizar a sociedade. Ao longo deste mês, estão sendo realizadas ações de fiscalização e educativas para conscientizar motoristas de ônibus, caminhoneiros, usuários de rodovias federais e passageiros do transporte rodoviário coletivo interestadual.