Conheça curiosidades sobre álbuns de importantes artistas

Além da contribuição para a música, alguns dos discos mais importantes da história são interessantes por apresentarem situações curiosas. Desde a psicodélica capa do Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles, que quase teve Jesus Cristo e Adolf Hitler incluídos, até um dos maiores sucessos do Bon Jovi que quase ficou de fora do álbum porque o vocalista da banda não havia gostado da canção, conheça algumas curiosidades dessas produções:

Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band
A capa do álbum Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band dos Beatles é uma das mais famosas e parodiadas da história. Dentre as personalidades que estampam a montagem estão o físico Albert Einstein; o ocultista Aleister Crowley; o músico Bob Dylan; os escritores Edgar Allan Poe e Lewis Carroll e os atores Marlon Brando e Marilyn Monroe.
O que pouca gente sabe, é que a princípio a capa também deveria ter a participação de Jesus Cristo, Gandhi e Adolf Hitler. Porém, após conversarem, os músicos resolveram não colocá-los. Jesus foi retirado para evitar que a polêmica criada por John Lennon ao dizer que a banda era mais famosa que Cristo não voltasse à tona.
Gandhi foi retirado por medo de a capa ofender os indianos. Hitler não foi colocado para que a banda não fosse acusada de fazer apologia ao nazismo. Porém, há quem diga que o rosto do ditador está na capa, escondido entre o baterista Ringo Starr e o atleta e ator Johnny Weissmuller.

Bad
Lançado em 1987, o disco Bad é um dos maiores sucessos do cantor Michael Jackson. No entanto, o que causa estranheza é que a obra-prima do ídolo pop recebeu severas críticas da imprensa quando foi lançado, o que não adiantou muito, já que cinco músicas do Bad conseguiram chegar ao primeiro lugar da parada norte-americana, algo só igualado em 2011 pela cantora Katy Perry com o álbum Teenage Dream.

Led Zeppelin
O quarto álbum do Led Zeppelin é considerado um dos mais importantes da história do rock. Como os três trabalhos anteriores da banda inglesa, o disco não recebeu nome. A princípio a ideia de o disco receber um nome era estudada, no entanto, a banda recebeu críticas por não nomear seus trabalhos.
Diante disso, o temperamental guitarrista Jimmy Page preferiu que mais uma vez o álbum não recebesse um título. Outra curiosidade é que a música Black Dog recebeu esse nome porque um cachorro preto entrou várias vezes no estúdio durante as gravações.

Slippery When Wet
Um dos maiores hits da carreira da banda Bon Jovi, ‘Livin on a Prayer’, quase ficou de fora de seu álbum mais famoso, Slippery When Wet, porque o vocalista Jon Bon Jovi não havia achado a canção boa. A música só foi incluída no álbum por insistência do guitarrista Richie Sambora.
Na turnê do disco, Jon Bon Jovi começou a ter problemas vocais devido às notas altas e constantes que executou na gravação do álbum. Desde então o músico canta em tons mais baixos.

Brothers in Arms
Lançado em 1985 pela banda inglesa Dire Straits, o álbum Brothers in Arms representa um marco para a indústria fonográfica, já que foi um dos pioneiros no processo de gravação, mixagem e masterização totalmente digitais. Como o resultado ficou excelente e o disco foi considerado um dos 200 mais importantes da história do rock and roll, outras bandas aderiram o processo digital.

Appetite for Destruction
Considerado o melhor álbum da banda Guns N’ Roses, Appetite for Destruction foi um fracasso quando foi lançado, em 1987. As músicas só começaram a emplacar quando a banda de Axl Rose saiu em turnê, fazendo a abertura de shows de bandas já renomadas, como o Aerosmith.

A Night at the Opera
A banda inglesa Queen inovou como o lançamento do seu quarto disco, A Night at the Opera, em 1975. Ao contrário do que ocorria na época, o quarteto gravou cada um dos instrumentos separadamente no estúdio e só depois de tudo pronto os juntou na edição. Outra inovação é o clássico Bohemian Rhapsody, música que começa como uma balada, muda para ópera e, por fim, se torna uma canção de hard rock.

Back to Black
O segundo álbum de Amy Winehouse, Back to Black, foi muito bem recebido pelo público e pela crítica desde o seu lançamento. Porém, o seu sucesso praticamente dobrou com a morte da cantora. Só para se ter uma ideia, o álbum estava na quinquagésima oitava posição nas paradas da Inglaterra e passou para o primeiro lugar menos de uma semana depois que a cantora morreu, em 2011.