Conheça dez funções “secretas” do clássico videogame Super Nintendo

O Super Nintendo foi um grande sucesso entre os consoles da era 16-bits, angariando milhares de fãs ao redor de todo o globo. Embora sua popularidade tenha sido gigantesca, com inúmeros títulos famosos até hoje, a tradicional plataforma da Nintendo possui algumas funcionalidades que ainda são pouco conhecidas – como, por exemplo, a possibilidade de jogar com um mouse e de rodar jogos do Game Boy. Veja, na lista a seguir, dez segredos que você provavelmente não sabia sobre o Super Nintendo.

Permitia jogar usando um mouse
No decorrer de sua vida útil, o Super Nintendo ganhou diversos periféricos. Um dos mais curiosos foi um mouse, que podia ser usado normalmente quando plugado na porta do controle um. Ele foi feito especialmente para Mario Paint, um game de atividades artísticas que vinha acompanhado do acessório, inclusive com um mouse pad.
Embora não tenha sido tão popular quanto outros periféricos do console, títulos compatíveis com ele foram lançados posteriormente. Acme Animation Factory, Doom, Lemmings 2, Jurassic Park e Sid Meier’s Civilization são alguns dos exemplos.

Rodava jogos do Game Boy
Em 1994, foi lançado para o SNES o acessório Super Game Boy, que nada mais era do um cartucho especial contendo um slot para jogos do Game Boy. Com ele, era possível rodar jogos do console portátil na televisão, mas a sua funcionalidade não se limitava apenas a isso. Utilizando o acessório, alguns jogos ganhavam sons aprimorados, além da possibilidade de jogar em dois usuários – algo que não era possível na plataforma original.
Embora o Super Nintendo não tivesse compatibilidade com jogos do Game Boy, o cartucho continha todo o hardware do portátil em seu interior. Por causa disso, permitia a execução dos games.

Multiplayer para até cinco jogadores
Apesar de não ter sido o único, o Super Multitap da Hudson Soft marcou por ser o primeiro acessório que permitiu conectar mais de dois controles no SNES. Ligado a uma das portas de controle, ele acrescentava mais quatro slots de joysticks, permitindo uma jogabilidade em até cinco pessoas.
Inicialmente, ele vinha acompanhando o jogo Super Bomberman, mas, mais tarde, passou a ser comercializado separadamente. Além da tradicional série Bomberman, outros jogos famosos, como Secret of Mana, Top Gear 3000, Street Racer, Smash Tennis e Madden ’95, também aproveitavam o Multitap para oferecer partidas com mais de dois jogadores.
Tinha conexão à internet
Em 1995, a Nintendo lançou, exclusivamente no Japão, o Satellaview, um modem via satélite que conseguia se conectar a uma rede da empresa St.GIGA. Ele permitia baixar uma variada quantidade de conteúdos, como jogos, fases extra, itens exclusivos e revistas. Todos os materiais baixados ficavam armazenados em um cartão de memória do dispositivo, que vinha com 1 MB de espaço ROM e 512 kb de RAM.
Para acessar a rede, no entanto, era necessário comprar o Satellaview e ainda pagar uma taxa mensal. O acesso ficava disponível durante uma hora, em um horário específico. Na época, grandes empresas como a Capcom, a Konami e Squaresoft aproveitaram a funcionalidade para disponibilizar conteúdos exclusivos de seus títulos.

Funcionava como uma bicicleta de exercícios
Produzida em uma parceria entre a Nintendo e a Life Fitness, a bicicleta de exercícios Life Fitness Exertainment System já unia games e atividade física muito antes do Wii Fit. Dois jogos foram feitos especialmente para ela: Speed Racer in My Most Dangerous Adventures e Exertainment Mountain Bike Rally.
O sistema contava com uma variação do controle do SNES no seu guidão, permitindo ao usuário jogar enquanto pedalava na bike. A conexão com o Super Nintendo, por sua vez, era feita por meio de uma porta na parte inferior da bicicleta. A Exertainment teve poucas unidades produzidas e, hoje em dia, é uma raridade.

Jogos com som Dolby Surround
Alguns jogos do Super Nintendo podiam ser aproveitados com qualidade de áudio muito mais alta, graças ao suporte de som Dolby Surround. O mais interessante nesse sistema era o fato de que ele não requeria acessórios extras, mas sim somente games compatíveis. Caso o jogo tivesse o selo de Dolby Surround, bastava conectar o áudio do console em qualquer dispositivo que tivesse este formato de som disponível.
A lista de games que teve suporte ao formato, no entanto, é bastante enxuta. Podemos citar como exemplo os títulos Jurassic Park, Star Ocean, Fatal Fury e Super Turrican 2.

Podia ser uma TV com jogos
A Sharp Science Fiction-1, também conhecida como Sharp SNES TV, era, como o próprio nome indica, uma televisão com um Super Nintendo embutido. Lançada apenas no Japão, ela tinha entradas de joystick na parte frontal com um slot de cartuchos no topo. Seu controle remoto permitia resetar o console sem precisar sair do sofá.
A Sharp SNES TV possuía compatibilidade com o Satellaview e foi vendida em versões de 14 e 21 polegadas. Seu lado negativo, no entanto, era sua baixa qualidade sonora, que suportava apenas o formato mono.

Utilizar cheats por meio do Game Genie
Muito conhecido entre os jogadores que gostam de cheats e macetes, o Game Genie foi um acessório lançado pela Galoob para inúmeros consoles nos anos 1990 – entre eles, o Super Nintendo. Com ele, era possível usar códigos para conseguir diversas vantagens nos jogos, como vidas infinitas, invencibilidade e pulo de fases.
Para evitar os cheats, alguns títulos vinham com um chip de performance incompatível com as primeiras versões do Game Genie. Isso acabou gerando um grande confronto entre a Nintendo e a Galoob. Além de processar a fabricante do acessório, a empresa do console modificou seus videogames, tornando-os incompatíveis com o Game Genie.

Rodar jogos a partir de disquetes
Criado pela Bung Enterprises, o Professor SF II foi um acessório bastante controverso. Foi lançado apenas para o Super Famicom, versão japonesa do Super Nintendo. Encaixada no slot de cartucho, a unidade de backup permitia armazenar jogos do console em um disquete 3.4” e, depois, executá-los sem precisar ter o cartucho original.
A Nintendo não gostou nem um pouco do acessório. Por isso, tentou a todo custo impedir a empresa produtora de vender o Professor SF II, já que ele representaria uma possível baixa nas vendas de jogos.

Jogar Golfe
O Super Nintendo teve alguns acessórios para títulos esportivos bem interessantes. Um deles foi o TeeV Golf, um periférico que buscava uma simulação realista do tradicional esporte. Ele vinha com um taco de 26 polegadas, além de um sensor e um adaptador para ser colocado no console.
O adaptador, que funcionava à bateria, tinha um cabo bem comprido para permitir que os jogadores fizessem os movimentos de uma distância segura da TV. Compatível com diversos jogos de golfe do console, ele fez muito sucesso com o PGA Tour Golf.