Fiocruz lança livro “Histórias para inspirar futuras cientistas”

Lançado pela Fiocruz, a publicação infanto-juvenil “Histórias para inspirar futuras cientistas” conta a trajetória de 13 cientistas e suas contribuições à ciência brasileira. A obra foi escrita pela jornalista Juliana Krapp e pela bióloga Mel Bonfim.
“A gente sempre conversava sobre essa questão da desigualdade de gênero na ciência. A gente convive com cientistas, mulheres fabulosas, no dia a dia da Fiocruz, mas a gente sempre percebeu os desafios que ainda existem para que uma mulher chegue ao topo da carreira científica. Os desafios são muitos”, ressaltou Juliana.
De acordo com ela, algumas das histórias inspiradoras narradas no livro, como a da cientista paraense Maria Deane, pioneira no estudo das doenças negligenciadas; e da baiana Marilda de Souza Gonçalves, que tem um trabalho muito interessante com relação às doenças falciformes.
O livro está disponível gratuitamente na plataforma Porto Livre e no repositório Arca. “Escrevemos este livro para contribuir com uma iniciativa maior chamada de Mais meninas e Mulheres na Ciência, já que as mulheres são a maioria da população mundial, mas apenas um terço dos cientistas no mundo”, disse Mel Bonfim.

Ideia
Como o próprio nome do livro explica, a ideia é inspirar crianças e adolescentes. “Tivemos oportunidade de conhecer melhor histórias de mulheres que construíram pesquisas e projetos de vida fabulosos.
São pesquisadoras diferentes entre si, mas que têm pelo menos uma coisa em comum: dedicaram sua vida à ciência, a fazer descobertas, a descobrir vacinas, a desenvolver campos novos, mas também têm batalhado para tornar o Brasil um país menos desigual, um lugar melhor de se viver para todos e todas”, apontou Juliana.
O livro traz a história de cientistas como a paulistana Bertha Lutz, que descreveu mais de 80 espécies de anfíbios. Do Rio de Janeiro, vem a pesquisadora Christina Morais que desenvolveu testes melhores e mais baratos para detectar a presença de pesticidas em alimentos. Foi Miriam Tendler, liderando um grupo no campus Fiocruz, que desenvolveu a primeira vacina brasileira para a esquistossomose. Esses são só alguns exemplos dos nomes homenageados. A obra narra as carreiras das cientistas, traz curiosidades e conta com ilustrações de Flávia Borges.
O Histórias para inspirar futuras cientistas recebeu recursos do projeto Fiocruz 120 anos e contou com consultoria da Editora Rebuliço. O livro foi feito a partir de uma parceria entre o Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict) e a vice-presidência de Educação, Informação e Comunicação (VPEIC), ambos da Fiocruz.