Fórmula 1 chega ao circuito de Hungaroring na Hungria

A F1 chega na técnica, estreita e sinuosa Hungaroring, situada 12 km a nordeste de Budapeste, Hungria, cujo clima nesta época do ano é normalmente bem quente. A corrida será nesse domingo, 4 de agosto, às 10h10. Primeiro do mundo que foi construído especificamente para a F1, o circuito parece uma grande pista de kart, Hungaroring e foi inaugurado em 1986, quando foi palco de um dos maiores “pegas” da história da F1, entre os brasileiros Nelson Piquet e Ayrton Senna.
Como é uma pista muito difícil para ultrapassagem – mesmo com duas zonas de DRS -, a classificação no sábado é de muito importante para as pretensões dos pilotos. Em 15 oportunidades – de 33 corridas – o vencedor largou na pole. A pista é a mais lenta dos circuitos permanentes no calendário de 2019, com uma velocidade média de pouco mais de 190 kph. Não há retas longas e 12 de suas 14 curvas são contornadas a menos de 200 kph. Apenas 55% da volta é em plena aceleração, colocando a ênfase na aderência mecânica e aerodinâmica gerada pelos carros.

Alta pressão
Hungaroring é uma pista de alta pressão aerodinâmica (a carga aero é muito semelhante a de Monte Carlo), que combinada com as altas temperaturas, a contínua sucessão de curvas e a ausência de retas longas, vai realçar a confiabilidade dos elementos da unidade de potência e principalmente a aderência mecânica.
A classificação é muito importante, pois é difícil ultrapassar. A estratégia – sem contar safety-car ou chuva – deve ser de apenas uma troca de pneus na corrida.

Maiores vencedores

Entre os pilotos atuais, Lewis Hamilton venceu seis vezes na Hungria (2007, 2009 e 2012 com a McLaren. 2013, 2016 e 2018 com a Mercedes). Ele também fez a pole seis vezes e pode igualar o recorde de sete de Schumacher no circuito.
Kimi Raikkonen, Sebastian Vettel e Daniel Ricciardo também venceram na Hungria. Jenson Button foi o piloto que largou mais atrás em P14 e conseguiu vencer em 2006.