Ituveravense recebe prêmio por pesquisa relacionada aos Direitos Humanos

O trabalho do engenheiro e professor da UFMS, Marcelo Furlan foi reconhecido em concurso da Unicamp e Instituto Vladimir Herzog

O professor e engenheiro Marcelo Wilson Furlan Alves

A Unicamp e o Instituto Vladimir Herzog promoveram a primeira edição do “Prêmio de Reconhecimento Acadêmico em Direitos Humanos Unicamp-Instituto Vladimir Herzog”. A iniciativa premiou trabalhos acadêmicos relacionados à temática dos Direitos Humanos.
Entre os trabalhos selecionados estava o do ituveravense, Marcelo Wilson Furlan Alves, que é formado em Engenharia de Produção, Mestre e Doutor pela Unesp de Bauru, e atualmente é Professor Adjunto do Curso de Engenharia de Produção da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Marcelo participou do concurso com a tese “Mudanças Climáticas, Economia e Justiça Social”.

Premiação
Criado por meio de um convênio entre a universidade e o instituto aprovado em novembro de 2020, o prêmio teve como objetivo o estímulo ao desenvolvimento de pesquisas, métodos, conhecimentos e tecnologias que promovam o respeito à dignidade e à sustentabilidade da vida, a superação das desigualdades, a preservação dos recursos naturais e culturais, o respeito, empatia e a cultura de paz e a formação de profissionais comprometidos com esses valores.
Nesta primeira edição, o prêmio foi voltado para três universidades estaduais paulistas – Unicamp, USP e Unesp, entretanto já existe a intenção de incluir outras instituições nas próximas edições.
Foram premiados trabalhos realizados no âmbito da Graduação (monografias, trabalhos de conclusão de curso ou iniciações científicas), Mestrado (dissertação) e Doutorado (tese) em quatro categorias: ciências exatas e tecnologia; ciências naturais, da saúde e meio ambiente; ciências sociais e educação; ciências da comunicação e linguagem.

Satisfação
Satisfeito com o reconhecimento ao seu trabalho, Marcelo ressalta que está feliz pelo prêmio e, principalmente, por saber que temas de pesquisa os quais ele se interessa, possuem relevância além das fronteiras da universidade.
“Profissionalmente, receber esse prêmio de duas instituições importantes e reconhecidas, possibilita a divulgação de meus resultados não só em âmbito acadêmico, mas também para a sociedade em geral. Além disso, o prêmio me mantém motivado como pesquisador, enriquece meu currículo e abre possibilidades de novas parcerias com outros pesquisadores do país”, afirma o professor.
“Como sou engenheiro de produção, a minha pesquisa teve como objetivo a proposição de um índice de justiça climática, que possibilite aos países transitarem para uma economia com baixa emissão de CO2”, explica.

Temática
Para o desenvolvimento de seu trabalho, Furlan utilizou conceitos econômicos de desenvolvimento humano e teoria de justiça social a fim de compreender como as nações são capazes de adaptar-se às mudanças climáticas e reduzirem suas emissões de CO2.
“Dessa forma, questões como liberdade política, renda e acesso às oportunidades sociais (educação e saúde, por exemplo) se não garantidas ao indivíduo podem dificultar seu acesso à água potável, à alimento, à energia elétrica e a um meio ambiente equilibrado. Por isso, um índice de desempenho é tão importante para que políticas públicas sejam mais eficientes e eficazes, garantindo bem-estar a sua população”, enfatiza o professor.
Por se tratar de uma pesquisa de doutorado, o trabalho durou cerca de quatro anos, e além do prêmio, proporcionou a Marcelo a oportunidade de aprender novas técnicas de pesquisa (estatísticas e matemáticas) e aprimorar habilidades de escrita e oralidade. “Além de publicar artigos científicos em revistas científicas internacionais e conhecer contextos socioeconômicos diversos”, completa o professor premiado.

Família
Marcelo Wilson Furlan Alves, é casado com Jaqueline Berbone Furlan Alves. Ele é filho de Wilson Antônio Matos Alves (in memória) e Maria Aparecida Furlan Matos Alves e são seus irmãos Wilson Eduardo e Guilherme, além dos irmãos de consideração Juliano e Amauri Júnior.