Jornalista indica 5 livros para compreender a desinformação

Januária Cristina Alves, mestre em comunicação social pela ECA/USP (Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo), jornalista, educomunicadora, autora de mais de 50 livros infantojuvenis, duas vezes vencedora do Prêmio Jabuti de Literatura Brasileira, e co-autora do livro “Como não ser enganado pelas fake news” (editora Moderna), publicou, no jornal Nexo, uma lista de livros essenciais para entender o atual momento de desinformação vivenciado por diversos países, em especial o Brasil. Confira:

A superindústria do imaginário: como o capital transformou o olhar em trabalho e se apropriou de tudo o que é visível Eugênio Bucci (Autêntica, 2021)
O livro recém-lançado do professor da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, Eugênio Bucci, analisa o capitalismo atual em uma abordagem tão original quanto multidisciplinar, provocando uma reflexão sobre como as grandes empresas de tecnologia moldam nosso imaginário por meio das palavras e imagens que veiculam nas diversas mídias.
De leitura complexa e profunda é uma obra imprescindível para quem deseja compreender mais a fundo o chamado capitalismo de vigilância e o capitalismo de dados.

A máquina do ódio: notas de uma repórter sobre fake news e violência digital Patrícia Campos Mello (Companhia das Letras, 2020)
A jornalista e repórter do jornal Folha de S. Paulo, Patrícia Campos Mello, narra, neste livro, detalhes de como sofreu na própria pele os efeitos nefastos da desinformação e das fake news. O período enfocado na obra é a eleição presidencial brasileira de 2018, palco de uma guerra de narrativas como nunca se havia visto antes neste país.
De maneira clara e contundente a autora revela: “É este o novo mundo em que vivemos: fatos são moldáveis”. Esse libelo em defesa do jornalismo profissional é leitura importante para se compreender o momento atual do Brasil, bem como as investigações em curso sobre as fake news que circularam durante as eleições.

Pós-verdade: a nova guerra contra os fatos em tempos de fake news Matthew D’Ancona (Trad. Carlos Szlak, Faro Editorial, 2018)
O jornalista britânico Matthew D’Ancona traça um panorama bastante amplo e crítico sobre como chegamos até o que chamamos atualmente de a “era da pós-verdade”, em que as opiniões e emoções tornaram-se mais críveis do que os fatos.
Além de descrever o panorama histórico que nos trouxe até aqui, o autor destaca o que a sociedade pode fazer para “requerer a veracidade e resistir a falsidade”, o que deixa o leitor motivado a combater a mentira e esperançoso de que a verdade sempre terá o seu lugar em nossa sociedade.

Tudo o que você precisou desaprender para virar um idiota Meteoro Brasil (Planeta, 2019)
O Meteoro Brasil é um canal do YouTube criado em 2017 pelos jornalistas Álvaro Borba e Ana Lesnovski, para tentar desmistificar temas complexos ligados à cultura pop, política, ciência e filosofia. Com uma linguagem leve e também crítica, o Meteoro resolveu transpor para um livro explicações sobre as 24 teorias conspiratórias que mais têm circulado nas redes sociais brasileiras.
Mantendo o tom didático sem ser superficial, os autores esclarecem a diferença entre o que é ficção e o que é realidade, provocando o leitor a olhar para além do texto/imagem. Leitura fundamental para que todos nós nos conscientizemos de que as redes sociais nos transformaram também em poderosos veículos de comunicação.

Quichotte: um romance Salman Rushdie (Trad. Jorio Dauster, Companhia das Letras, 2021)
Inspirado em “Dom Quixote de La Mancha”, de Miguel de Cervantes, um dos maiores clássicos da literatura universal, o escritor e ensaísta Salman Rushdie escreveu o seu “Quichotte”, um vendedor americano tão atrapalhado quanto gentil, que sonha em encontrar sua amada Salma, estrela de um reality show.
A história é narrada por Sam DuChamp, um escritor de romances policiais fracassado, obcecado pelas telas de TV. Narrador e personagem se encontram na busca pelo que é real, em um mundo difícil de ser separado da ficção.
A obra retrata com bom humor e maestria a crise que vivemos, em que a vida retratada nas redes sociais não passa de uma ilusão.