Médicos se posicionam contra o tratamento precoce da Covid-19 – II

Equipe da Ala Covid da Santa Casa de Ituverva

‘Usar estes medicamentos podem ser suportáveis para a maioria das pessoas, mas podem variar até hepatites fulminantes e arritmias cardíacas

Dando continuidade à matéria, segundo dr. Gonçalves Dias, “pensando apenas “em mim” os efeitos colaterais em torno de usar medicamentos podem até ser suportáveis para a maioria das pessoas: cefaléia, diarréia, cegueira, mas podem variar até hepatites fulminantes e arritmias cardíacas”, afirma o Dr. Gonçalves
“Vamos, por exemplo, assumir que os efeitos colaterais beirem a margem de 3%. É cômodo para mim, assumir esse risco, assim como é muito cômodo apostar na Mega Sena sabendo que não vou levar o prêmio – porque a chance é pequena. (Mas se todos apostarem e alguém leva).
“Então, se o país todo (280 milhões de brasileiros) usar o tal “kit precoce”, no nosso exemplo, até 8 milhões e 400 mil pessoas podem ser dar mal – sem ter nenhum benefício em troca, segundos as evidências científicas mais recentes e robustas”.
“Na cidade de Ituverava, onde há aproximadamente 40 mil habitantes, cerca de 1.200 pessoas (no exemplo) poderiam ter sua saúde prejudicada de alguma forma e até desfechos mais graves”.
“Resumindo, coletivamente, vai adoecer quem não deveria – e ninguém a mais vai ser salvo. Além de tudo, os gastos financeiros e de tempo com medicamentos ineficazes, justamente no período quando mais precisamos de recursos.

Medicamentos comprovadamente ineficazes”
Continua o médico “há um tempo atrás, o kit precoce era definido como ‘medicações sem eficácia comprovada’. Agora, já temos estudos que comprovam a ineficácia da maioria dessas drogas, então já são “medicamentos comprovadamente ineficazes”.
“Então, o “mal não vai fazer” se tornou “bem não vai fazer individualmente, e coletivamente pode fazer mal”.
“Observação clínica individual por médicos”
“A observação clínica individual é enganosa. Isso não quer dizer que o médico engana as pessoas falando que seu tratamento deu certo, é a observação que nos engana. A todos nós!
“A doença é leve (graças a Deus) para cerca de 85% das pessoas, que não necessitam hospitalização. Além disso, na maioria das vezes os pacientes que são hospitalizados não retornam em consulta com o médico: e ele não fica sabendo o desfecho. Os pacientes que melhoram, iriam melhorar de qualquer maneira “apesar” dos medicamentos”, observa.
“E não nos enganemos. A grande maioria dos pacientes que estão intubados na UTI também usaram ao menos 1 ou 2 das drogas preconizadas no kit Covid no início dos seus sintomas”.
“Vejamos, a Sociedade Brasileira de Infectologia, Sociedade Brasileira de Pneumologia, Sociedade Brasileira de Imunologia, Associação De Medicina Intensiva Brasileira (UTI), CDC (Centro de Controle de Doenças – USA), FDA (USA) entre tantos outros órgãos médicos de renome e respeito já se manifestaram contra esse uso. O motivo? Não é porque são de direita, esquerda ou centro. Simplesmente é porque não funciona”, enfatiza.

Observação sobre outras pessoas”
“O fato de meu vizinho e meu tio terem melhorado e se curado da Covid porque comeram pão francês no café da manhã todos os dias não faz do pão francês a nossa vitória. Não posso assumir que foi por isso, e exatamente por isso, que eles melhoraram”.
“Aí que entram os estudos científicos que nos iluminam e conseguem avaliar 10 mil pessoas, conseguem examinar com detalhes quem come pão e quem não come, e se isso realmente influencia”.
Os estudos científicos também têm uma hierarquia: “alguns tipos são mais fracos, outros tipos são mais fortes. Os mais fracos seriam como uma criança de 2 anos dizer que tem um leão no quintal. Os mais fortes seriam como eu enviar um adulto para confirmar: a credibilidade no estudo aumenta. Mas isso, somente cientistas e poucos médicos conseguem identificar”.
“Nossas observações nos enganam muito. Um exemplo claro é o seguinte – uma criança chegou e perguntou ao pai: ‘Pai, Coca Zero engorda?’. ‘Claro que não, minha filha, por quê?’. ‘Porque todos que vejo bebendo são obesos…’”
“Aqui parece óbvio, mas a filha não possui uma informação importantíssima: a Coca Zero tem a mínima quantidade de 0,5 kcal/250ml. Mas o raciocínio da garota levou-a para uma conclusão errada. Nós também, por informações que não possuímos e não sabemos nem que existem, tomamos conclusões erradas no dia a dia.

“Vieses”
“Para conseguirmos pensar com razão e juízo crítico centrado é sempre recomendado deixarmos as paixões de lado. Política não deveria interferir nisso”.
“Devemos ter em mente duas coisas: 1- quero ter razão ou 2 – . quero saber a realidade?
“Se eu quero ter razão, eu sempre vou escolher as informações que me agradam (até fake news), desconsiderando todas as outras que me são contrárias. Se eu quero buscar a verdade, vou considerar todas as informações e tentar alcançar a realidade – independente do meu resultado”.
“Digo isso porque vivemos na nossa bolha internética onde somos retroalimentados nas redes sociais por coisas que gostamos. Somos cercados nos grupos de WhatsApp com pessoas com quem temos alguma afinidade. Então, tentemos ampliar nossa mente e ser passível de mudar nossas convicções – se necessário for”
“Reforço que este post não tem intenção política alguma, e respeito todas as posições apresentadas. Torço para que todos os nossos governantes, de todas as ideologias e partidos, tenham sucesso no nosso objetivo comum e maior: passar por essa pandemia”.
“Cuidem de suas famílias e se cuidem. Máscara, álcool em gel e distanciamento. Precisamos bater uma bola em breve, quando possível”.

Manifesto
Além de esclarecer as diversas dúvidas sobre o tema, o Dr. Gonçalves Dias e um grupo de médicos fizeram um abaixo-assinado reprovando o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19.
No documento os médicos defenderam outras medidas para conter a pandemia no Brasil, ressaltando em um dos tópicos que não existe até hoje nenhum medicamento capaz de curar a Covid-19, sendo o tratamento atual direcionado aos sintomas e complicações, não ao vírus em si.

Veja os principais pontos defendidos pelos profissionais de saúde:
1- O chamado “tratamento precoce” além de não trazer nenhum benefício no tratamento da Covid-19 pode provocar danos importantíssimos e irreversíveis a saúde das pessoas;

2 – Existe tratamento eficaz para as complicações de casos moderados e graves. A aplicação de tais tratamentos de forma precoce NÃO previne que casos leves evoluam para graves. Porém, se usados precocemente, não trarão benefícios e quando forem necessários, não poderão ser novamente utilizados, deixando assim o tratamento dos casos graves, muito mais difícil e com piores resultados.

3 – Assim, reiteramos que, além de NÃO ajudar, o tratamento precoce ATRAPALHA.

4- Usem máscara, higienizem as suas mãos, evitem aglomerações e vacinem-se quando chegar a sua vez.

Confira a lista de médicos que assinaram o manifesto

Gonçalves Dias
Fernando Bernardini Filho
Alcides Antônio Maciel Júnior
Eduardo Eustáquio de Almeida
Jose Mário Júnior
Marcelo Lupoli
Rogério Henrique Pereira
Antônio Augusto de Castro Maciel
Flávio Cardoso Pereira
Rogério Silva Pereira
Ricardo José Sandoval Garcia
Maraisa Miranda de Andrade Lucas
Andréa Ferro Portioli
Eduardo Augusto de Lima Portioli
Ana Paula Abdalla Martins Taylor
Cristiano dos Santos Vicente
Marco Antônio Migliori
Rafael Carvalho Mesquita
Roberta Vieira do Valle Bertoni
Jefferson Bertoni
Fábio de Oliveira Alves
Aldo Benjamim Rodrigues Barbosa

Camilo José Lupoli
Luiz Monteiro de Barros Neto
Lígia Garcia Leonel Pínola
Fábio Farias
Luís Gustavo Campos da Silva
Vanessa Ferreira Campos
Maysa Lucas Roma
José Antônio de Paula Bianco
Fernando Alves Cardoso
Vinícius de Melo Barbosa
Ivan Junqueira de Castro
Luiz Alves Ferreira Avezum
Laerte Fogaça de Souza Filho
Fábio de Almeida Borges
Fabrício Diniz Teles da Silva
Elizabeth Maria Brittes
Victor de Paula Telles Pires Lucas
Giovanna de Curcio Garnica
Renata Tristão Rodrigues Lima
Maria Carolina Correia Barbosa
Maurício Silveira Telles