Netflix traça novas estratégias para que possa voltar a crescer

Após perder quase 1 milhão de assinantes no segundo trimestre de 2022, a gigante do streaming Netflix tem uma nova estratégia para voltar a crescer, segundo a revista Exame. O plano envolve, principalmente, anúncios na programação e taxação do compartilhamento de senhas.
Na semana passada, a Netflix anunciou a Microsoft como parceira para implementar um novo plano de assinatura. A modalidade será mais barata que as ofertas atuais, que partem de R$ 25,90 no Brasil, porém com a inclusão de anúncios.
O plano deve impulsionar as receitas da companhia. Um estudo realizado pela consultoria americana MoffettNathanson estima que a Netflix poderia gerar US$ 1,2 bilhão em publicidade por ano a partir de 2025, levando-se em conta apenas o mercado americano

Anúncios
No entanto, o público deve se preparar, pois o plano com anúncios não deve trazer o catálogo completo da plataforma. Segundo o presidente-executivo da Netflix Ted Sarandos, o modelo exige novos acordos com estúdios parceiros, o que dificulta a liberação do catálogo completo. Ele diz, no entanto, que a grande maioria do conteúdo será disponibilizada, incluindo as produções originais da Netflix.
Segundo o The Wall Street Journal, dentre os estúdios com os quais a Netflix está negociando novos acordos estão Warner Bros., Universal e Sony Pictures. Eles são responsáveis por sucessos como as séries “Você” (“You”, no original em inglês) e “Boneca Russa” (“Russian Doll”) e “Cobra Kai”.

O pior custo-benefício
O plano com anúncios chega em 2023 e vai atacar um problema importante para o futuro da Netflix: o custo-benefício. Uma pesquisa realizada pela Whip Media nos Estados Unidos mostrou que, de uma lista de nove serviços de streaming, a Netflix estava em último lugar no quesito custo-benefício, na percepção dos consumidores.
Pelo levantamento, 62% dos entrevistados disseram estar satisfeitos com o valor cobrado pelo serviço, ante 83% do serviço da Disney e 85% do HBO Max, as primeiras colocadas.
Ainda assim, a Netfix continua sendo a principal plataforma para os entrevistados. De acordo com os dados, 31% dos entrevistados disseram que se pudessem ter apenas uma assinatura, seria a da Netflix.

Taxa extra
Outra medida anunciada recentemente foi a expansão da “taxa do ponto extra”, que é cobrada dos usuários que compartilham suas senhas com outras pessoas. O recurso está sendo implementado na América Latina e usa a localização dos dispositivos para fazer a cobrança. Uma televisão em outra casa, por exemplo, será taxada como ponto extra.
A cobrança agora vale para assinantes de Argentina, República Dominicana, El Salvador, Guatemala e Honduras, além de Chile, a Costa Rica e o Peru, onde ela já ocorria. O Brasil por enquanto continua fora. Com a medida, a Netflix busca monetizar as cerca de 100 milhões de pessoas que, segundo a empresa, usam seus serviços sem pagar.

“Agente Oculto”
Enquanto trabalha nessas medidas, a Netflix corre em busca de um blockbuster. Concorrentes fortes como Disney+ e HBO Max têm grandes franquias capazes de atrair o consumidor. É o caso das séries e filmes da Marvel no serviço da Disney e da série Game of Thrones no HBO Max. A Netflix ainda não tem uma mega franquia, algo que gere fidelidade do consumidor e tenha sua própria legião de fãs.
Para atacar o problema, a Netflix está investindo mais em megaproduções, e fez recentemente seu maior investimento em um filme até agora. “Agente Oculto”, que estreou recentemente, teve orçamento de mais de 200 milhões de dólares e um elenco de estrelas como Ryan Gosling, Chris Evans e Ana de Armas. O brasileiro Wagner Moura também está no elenco.
O filme é dirigido pelos irmãos Russo, Anthony e Joe, que têm quatro filmes da Marvel no currículo, e é baseado no primeiro livro da série “Agente Oculto”, (“The Gray Man”, em inglês), do autor best-seller Mark Greaney.
É tudo o que a Netflix busca. Uma história já aclamada, com potencial para gerar uma sequência de filmes ou séries.

Aquisição para ampliar animações

A companhia também tem reforçado suas apostas em animações, para fazer frente ao Disney + para o público infantil. Essa semana, a Netflix anunciou a compra do estúdio de animação australiano Animal Logic.
Em comunicado, a Netflix afirmou que a aquisição “vai ajudar a acelerar o desenvolvimento de nossas habilidades na produção de animação e reformar nosso compromisso em construir um estúdio de animação de classe mundial”.
Ao The New York Times, o analista Mathew Harringan, da Benchmark, resumiu sua visão sobre o desafio que a Netflix tem pela frente. Enquanto a HBO se prepara para lançar “A Casa do Dragão” (“House of the Dragon”), spin-off da série de mega sucesso Game of Thrones – previsto para chegar em agosto , o Amazon Prime terá em setembro a série O Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder (“The Lord of the Rings: Rings of Power”), previsto para setembro.
Ambas são sequências de franquias já consolidadas, que fizeram sucesso antes mesmo dos serviços de streaming. “‘The Crown’ na Netflix é provavelmente o programa de maior destaque do quarto trimestre que eles têm”, diz Harringan. Uma produção de sucesso, mas não um fenômeno como Game of Thrones.