Palmeiras decide ir ao Paraguai para tomar a primeira dose da vacina contra a Covid-19

Delegação do Palmeiras vai receber a vacina para a Covid-19 da Conmebol — Foto: Marcos Ribolli

Palmeiras decidiu vacinar seu elenco contra a Covid-19. O clube aceitou o benefício oferecido pela Conmebol e vai viajar para o Paraguai na próxima segunda-feira para realizar o processo da aplicação da primeira dose do imunizante.

Em abril, a Confederação Sul-Americana de Futebol recebeu como doação 50 mil doses da vacina do laboratório chinês Sinovac.

No início de maio, a entidade começou a vacinação das equipes participantes das competições sul-americanas na temporada de 2021 – o Atlético-GO foi o primeiro clube brasileiro a imunizar seus atletas. O Atlético-MG também vacinou sua delegação pelas doses da Conmebol.

Delegação do Palmeiras vai receber a vacina para a Covid-19 da Conmebol — Foto: Marcos Ribolli

No início, a entidade falava em distribuir as doses pelos países da América do Sul, mas de acordo com a lei brasileira, as vacinas que entram no país precisam ser distribuídas pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O Palmeiras à época afirmou que a decisão não poderia ser tomada individualmente e que seria necessária uma coordenação em nível nacional, alinhada com as premissas do Plano Nacional de Imunização (PNI).

Ao ge, o clubeexplicou que enfim aceitou a vacinação por considerar uma “situação excepcional, que extrapola fronteiras e não se enquadra no contexto nacional” (veja o posicionamento completo abaixo).

O Verdão não aceitaria tomar as vacinas caso estas viessem ao Brasil e não estivessem inseridas no Plano Nacional de Imunização. Como as doses estão no exterior e são de direito dos clubes, a avaliação é de que assim é possível atender aos desejos do grupo de se vacinar, sem ferir regras.

A logística para a viagem será a seguinte: o Palmeiras viajará em voo fretado, tomará a vacina na segunda (14) e seguirá direto para o Rio Grande do Sul, onde enfrentará o Juventude, quarta (16), pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro.

O clube ainda está definindo quem participará da viagem, mas a ideia é levar o maior número possível de atletas e membros da comissão técnica. Alguns funcionários também devem ser imunizados, já que outra parte deles recebeu a vacina pelo PNI, por conta de suas profissões ou comorbidades. O plano do Verdão é gerar o mais rápido possível uma imunização coletiva entre os que frequentam a Academia de Futebol.

A previsão de tomada da segunda dose será na véspera do jogo contra a Universidad Católica-CHI, pelas oitavas da Libertadores. A delegação, então, fará uma escala no Paraguai antes de jogar no Chile no dia 14 de julho.

Em São Paulo, o plano de vacinação contempla até o momento pessoas acima de 60 anos, pessoas com comorbidades e deficiência permanente, portadores de Síndrome de Down, grávidas, pacientes renais em diálise, gestantes, transplantados imunossuprimidos e profissionais de algumas áreas.

No calendário do Governo de São Paulo, a vacinação para pessoas de 55 a 59 anos será liberada no dia 16 de junho, seguindo para as demais idades em ordem decrescente nas semanas seguintes.

Veja a nota do Palmeiras:

“Desde o início da pandemia o Palmeiras se colocou na condição de seguidor das orientações das autoridades da saúde. Acreditamos que para se combater uma pandemia, ciência, disciplina e coordenação são fundamentais.

Agora estamos diante de uma situação excepcional, que extrapola fronteiras e não se enquadra no contexto nacional. Entendemos que nessas circunstâncias, a decisão sobre como proceder cabe ao cidadão. A instituição está viabilizando que seu colaborador tenha todas as condições de tomar sua decisão.

Ademais, avaliamos tal atitude como positiva para o combate à pandemia, ao mesmo tempo que não fere os princípios e normas do Plano Nacional de Imunização.”

Fonte: ge.globo.com