Pedida cassação do mandato de vereadora em Orlândia

O PL – Partido Liberal de Orlândia, através de seu vice-presidente, Nilson Correa Gomes, pediu a cassação da vereadora Michele Rufo Junqueira. Ele alega que Michele utilizou a cozinha piloto para fazer a “Feijoada na casa do Vado”, e armazenar material nas câmaras frias, além de empréstimo da Cooperativa de Crédito da Prefeitura Municipal.

As acusações se baseiam em interceptações telefônicas feitas pelo GAECO na operação Loki, entre Michele Junqueira e  Fabrícia Mara Emmel de Souza Santos, diretora da empresa JS que venceu a licitação da Cozinha Piloto de Orlândia.

A vereadora alega que a feijoada teve a finalidade de angariar fundo para o Fundo Social de Solidariedade. Mas, circula informação, que foi solicitado por um vereador esclarecimentos sobre despesas e arrecadação da feijoada, e a vereadora teria declarado “trata-se de evento particular”, o que configuraria crime. Fatos que precisam ser apurados.

Independente desta questão, dificilmente a vereadora será cassada.

Para que isto ocorra são necessários 2/3 da Câmara. Ou seja: 6 votos. A própria vereadora não vota, mas seu suplente José Inácio é aliado e funcionário comissionado da Prefeitura.

Sobre empréstimo, a acusação alega que o ato é ilegal pelo fato do fundo ser destinado somente a funcionários públicos e não agentes políticos (vereador ou prefeito por exemplo).

Fonte: www.orc.com.br