Professora lista erros gramaticais que prejudicam redação do Enem

O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2021 está em contagem regressiva. Para ajudar a evitar erros comuns de português na hora da redação, o site R7 entrevistou a professora de língua portuguesa e literatura brasileira Andréa de Luca, que também é orientadora educacional no colégio Mopi do Rio de Janeiro. Ela separou 11 erros de português que devem ser evitados na hora de produzir um texto:

A fim/Afim/Afins
A fim é uma locução prepositiva que indica finalidade. Veja os exemplos: Escrevo hoje a fim de demonstrar toda a minha admiração por vocês, queridos. Afim/Afins transmitem a ideia de parecido, similar. Concordamos na questão, portanto, temos uma opinião afim. E no último exemplo, não concordamos porque nossas opiniões não eram afins.

Ao invés de/ Em vez de
“Ao invés de” indica oposição, ideia contrária. A pobreza, ao invés de melhorar, só piora. “Em vez de” indica uma simples troca, uma substituição. Em vez de jantar, fiz um breve lanche.

Eu/ Mim
Usamos o “eu” quando a frase tiver verbo. Exemplo: Isso é para eu fazer? Usamos “mim” na ausência de verbo, geralmente no final de frases. “Faça isso para mim”.

Ah/Há
“Ah” é uma interjeição que indica admiração, espanto, ironia, desejo, entre outros significados. Veja o exemplo a seguir: Ah, que bom falar com você de novo! “Há” vem do verbo haver, tem o sentido de existir e indica tempo passado.
Outro exemplo: há quanto tempo não nos vemos! Ainda de acordo com a professora, tem sido muito comum verificar na escrita das redes sociais o uso incorreto de “há, tá” no sentido de “entendi”. E o correto é “ah, tá”.

Mais/Mas
“Mas” é uma conjunção coordenativa, usada com sentido de oposição. (Dica: pode ser substituída por outras conjunções como porém, contudo, todavia, dentre outras de mesmo valor). Exemplo: foi ao cinema, mas não gostou do filme.
‘Mais’ indica ideia de quantidade, aumento de alguma coisa, como no exemplo a seguir: gostaria de ganhar mais dinheiro no trabalho.

Descrição/ Discrição
“Descrição” é o ato de descrever e representar algo ou alguém por palavras. “O professor pediu a descrição exata da imagem em exposição”, exemplifica a professora. “Discrição” é a qualidade de quem é discreto. “Conto com sua discrição sobre o assunto”.

Sob/Sobre
“Sob” é uma preposição e indica posição abaixo. Exemplo 1: achei o copo sob a mesa. (embaixo da mesa). “Sobre” também é uma preposição e indica “acima de” ou “em cima de”. Exemplo 2: por favor, coloque o vaso de flores sobre a mesa.

Meio/Meia
“Meio” é a expressão empregada no sentido de “um pouco”. Exemplo: Ela estava meio triste ontem, não achou? “Meia” pode ter o significado de peça de roupa (meia que se coloca no pé) ou numeral, como por exemplo: sou friorenta e gosto de usar meias para dormir ou o encontro está marcado para meio-dia e meia. (metade da hora)

Onde/Aonde
Usamos “onde” com verbos que indicam permanência, ou seja, ausência de movimento. Exemplo: conheço o lugar onde você nasceu. Usamos “aonde” com verbos que indicam movimento. Exemplo: não vi aonde ele foi.

Vir/Vim
Usamos “vim” quando a frase se referir ao passado. Como no exemplo: eu vim aqui ano passado. Usamos “vir” quando a frase não estiver no passado. “Sabe me dizer se ele vai vir hoje”? Vale destacar que o “vir” ainda pode ser usado no sentido de ver.
Veja o exemplo: quando você vir a professora, diga que estou finalizando o trabalho. Mas atenção para não usar na forma incorreta. Exemplo: quando você ver a professora, diga que estou finalizando o trabalho.

Houve/Houveram
O verbo “haver”, no sentido de existir, é conjugado somente na terceira pessoa do singular, ou seja, houve. Exemplo 1: houve diversas reclamações sobre o novo funcionário.
Mas atenção, empregamos “houveram” com sentido de ter, não mais com o sentido de existir. Veja o outro exemplo: eles houveram de ir à reunião em pleno domingo.