Relembre os nove personagens mais insuportáveis nos games

A indústria dos games é capaz de criar elementos memoráveis em diversos campos, sejam ele a trilha sonora, a ambientação ou até mesmo os personagens que integram o enredo de uma aventura. Entretanto, algumas vezes determinadas ideias podem ser um tiro pela culatra, especialmente no que diz respeito a alguns NPCs com os quais temos que interagir.
Pensando nisso, o site Tecmundo elaborou uma lista com os personagens mais chatos do mundo dos games. Confira:

Ashley (Resident Evil 4)
Alguns jogos trazem personagens que devemos ajudar e, em retribuição, até ganhamos um bom suporte ao longo da jornada. Porém, esse infelizmente não é o caso Ashley Graham: a filha do presidente em Resident Evil 4 é um peso morto e irritante para Leon, e de tempos em tempos faz você parar e se perguntar onde raios ela se enfiou – afinal, é preciso protegê-la dos perigos encontrados no caminho.

Elise (Sonic the Hedgehog)
Elise definitivamente é uma personagem um tanto esquisita para o universo de Sonic. Além de ser humana, o romance dela com o protagonista é bem fora da curva, é alguém que você deve salvar e, no fim das contas, gerar alguns dos momentos mais esquisitos e talvez até desnecessários de toda a série (sem contar o fato de ela não ser o melhor exemplo de carisma).

Navi (The Legend of Zelda: Ocarina of Time)
A ideia da Nintendo pode até ter sido boa com a inclusão de uma personagem para auxiliar Link durante a sua jornada em The Legend of Zelda: Ocarina of Time, mas para muitos ela mais atrapalha do que qualquer outra coisa.
Bem, não que as dicas dela sejam ruins (especialmente para iniciantes na série), mas ficar ouvindo “Hey, listen!” do começo ao fim da aventura certamente é um pouco demais, especialmente quando levamos em consideração que Navi é uma das poucas que fala ao longo de todo o título

Micah (Red Dead Redemption 2)
Este vilão de Red Dead Redemption 2 passa bem longe da ideia de um personagem mal construído ou algo do gênero. Na verdade, a raiva que muitos pegaram dele se deve ao fato do seu comportamento traiçoeiro, além de ser um grande mentiroso e egoísta – especialmente quando observamos todas as ações arquitetadas por ele para desestabilizar Arhtur Morgan e colocar a lei no encalço do bando.

Oddjob (Goldeneye 007)
Que atire a primeira pedra quem não passou algum tipo raiva no multiplayer de Goldeneye 007 – e nem estamos falando do fato de ser totalmente possível observar os passos do oponente olhando na tela compartilhada, mas sim das brigas com aqueles que escolhiam Oddjob nos confrontos, um cara extremamente ágil e baixo, o que dificultava bastante acertá-lo e oferecia algumas vantagens a quem o controlava.

Mr. Resetti (Animal Crossing)
Entendemos os esforços de algumas empresas ao incluir personagens para ajudar o jogador no início da jornada, mas em determinadas situações muitos deles podem ser uma verdadeira pedra no sapato. Veja o exemplo de Mr. Resetti, que aparece de tempos em tempos em Animal Crossing para lembrar da importância de salvar o jogo e pode até mesmo realizar um falso reinício na jornada para dar a impressão de que tudo foi perdido por não ter se lembrado do bendito save.

Larval Stalker (Silent Hill)
Esses personagens de início podem não representar uma grande ameaça em Silent Hill, já que são inofensivos e transparentes. Entretanto, essa ideia vai por água abaixo quando um deles decide gritar para fazer você dar um pulo do sofá/cadeira/cama, provando que eles foram criados apenas para provocar sustos aleatórios.

Cachorro (Duck Hunt)
Duck Hunt é um jogo relativamente simples e que conta com apenas dois personagens: os patos e o cachorro que aparece para pegar as aves ou, o que é pior, rir da sua cara quando você não fizer o trabalho de maneira correta e errar os disparos. No começo pode até parecer bonitinho, mas definitivamente pode gerar um pouco de raiva depois de um tempo.

Slippy (Star Fox 64)
Quem jogou Star Fox 64 deve se lembrar que cada membro do time tinha uma função. Falco, por exemplo, era o que mais ajudava em combate, Peppy funcionava como uma espécie de estrategista e dava várias dicas nas fases, e Slippy… bem, o pobre sapinho ficava berrando por ajuda na maior parte do tempo e no máximo falava algo que fosse relevante na batalha contra um chefe, mas que você acabaria deduzindo pouco tempo depois sem sua ajuda.