Ribeirão Preto vai sediar ‘Libertadores’ da cerveja artesanal; entenda as regras

Tio Limongi, um dos organizadores da South Beer Cup em Ribeirão Preto (SP) — Foto: Arquivo pessoal

O argentino Rodolfo Limongi, ou simplesmente Tio Limongi, de 53 anos, é torcedor do Quilmes, time de sua cidade natal, e com certeza é mais Messi do que qualquer craque brasileiro da atualidade. Mas quando o assunto é South Beer Cup, a competição conhecida como a “Libertadores da América” no mundo da cerveja artesanal, concorda e brinca com a predominância verde-amarela sobre a azul-celeste em nove edições realizadas até hoje.

“Eu não quero falar disso. De nove competições, o Brasil ganhou oito vezes e a Argentina ganhou uma vez”, conta, aos risos, o integrante do Polo Cervejeiro de Ribeirão Preto (SP).

E é nesse clima, em que a rivalidade é mais um sinal de admiração pelo “concorrente” e ajuda a aquecer as expectativas, que ele e outros cervejeiros atuam nos preparativos da décima edição do concurso sul-americano, que será realizado em setembro, pela primeira vez na cidade do interior de São Paulo, já chamada de capital do chope.

Uma competição que, além de reunir as cervejarias mais premiadas do continente, e com juízes de reconhecimento internacional, deve marcar o início de um outro concurso, a Copa Paulista de Cervejas, e contará com eventos paralelos e voltados ao grande público, como um festival cultural e gastronômico.

Segundo Limongi, que vive em Ribeirão Preto há seis anos, a escolha mostra a importância da cidade no segmento, que conta hoje com ao menos 24 cervejarias artesanais cadastradas no polo cervejeiro ligado à Associação Comercial e Industrial (Acirp).

“É um polo que a gente não sabe que tem, não só temos a história como um presente muito rico”, diz.

Nos tópicos a seguir, você irá entender um pouco mais sobre o funcionamento e as regras do concurso.

  1. South Beer Cup: a ‘Libertadores’ da cerveja artesanal
  2. Quando a competição acontece em Ribeirão Preto?
  3. Quem pode participar do concurso?
  4. De onde são as cervejarias participantes?
  5. Como é a escolha das melhores cervejas?
  6. Como se define o campeão?
  7. Quem são os favoritos ao título?
  8. Eventos paralelos

1.South Beer Cup: a ‘Libertadores’ da cerveja artesanal
O evento teve sua primeira edição realizada em 2011 em Buenos Aires. Desde então, o concurso acontece de forma intercalada em cidades brasileiras, como Blumenau (SP), Belo Horizonte (MG) e Curitiba (PR), e argentinas como Mar del Plata. Na última edição, em 2019, foram reunidos 250 candidatos com 42 medalhas.

2.Quando a competição acontece em Ribeirão Preto?
A competição, que chega à 10ª edição, está marcada para acontecer entre 8 e 10 de setembro em Ribeirão Preto no Hotel Royal Tulip JP, sem a participação do grande público. Segundo Limongi, a vinda do concurso para o interior de São Paulo é um sonho discutido há pelo menos seis anos.

3.Quem pode participar do concurso?
Podem participar do South Beer Cup cervejarias da América do Sul que ganharam ao menos uma medalha de ouro nas seguintes competições:

Copa Argentina de Cervezas (2020 e 2021)
Concurso Brasileiro de Cervejas (2021 e 2022)
Brussels Beer Challenge (2020 e 2021)
European Beer Star (2020 e 2021)
Outras competições internacionais na América Latina
Por esse elevado critério, a atual edição ganhou o apelido de “The Champions.

“O concurso seleciona os melhores juízes. Parte da credibilidade que o concurso tem é justamente trazer os melhores juízes. Nessa oportunidade, estamos trazendo três juízes dos EUA, são três pessoas muito reconhecidas no mundo da cerveja artesanal tanto nos EUA quanto na Europa.”

Além disso, só podem participar cervejarias artesanais e que não tenham nenhuma parceria com grandes indústrias de cerveja.

“Não podem participar cervejarias industriais, o mainstream, e não pode participar nenhuma cervejaria artesanal que tenha feito algum negócio com alguma cervejaria mainstream”, explica Limongi.

4.De onde são as cervejarias participantes?

A South Beer Cup deve reunir em torno de 200 cervejarias no concurso, principalmente do Brasil e Argentina, mas também de Uruguai, Peru e Chile. Um dos participantes confirmados para a edição é o argentino José Bini, de 35 anos, fundador da Bierhaus Brewing, de Buenos Aires.

Com mais de 20 medalhas em competições internacionais, o cervejeiro com 12 anos de profissão vê uma rivalidade colaborativa entre brasileiros e hermanos e está na expectativa para participar da competição em Ribeirão Preto.

“Já ouvi falar várias vezes de Ribeirão Preto. Infelizmente nunca fui, mas sei que é um polo cervejeiro muito importante no Brasil e estou muito feliz de poder ir conhecer este ano”, afirma.

5.Como é a escolha das melhores cervejas?
Cada cervejaria pode se inscrever em até cinco estilos diferentes, segundo os critérios de definição de associações internacionais como a Brewers Association e a Beer Judge Certification Program (BJCP) – como Stout, Pilsen, IPA etc.

Para cada bebida inscrita, cinco amostras devem ser enviadas aos avaliadores até um mês antes da competição, dividida basicamente em duas fases.

Primeira fase: aqui, os juízes avaliam se a cerveja está dentro das características visuais e gustativas do estilo em que ela se inscreveu. “Há uma planilha onde você avalia, primeiro olha a cerveja, se tem as características de cor, espuma do estilo, depois você avalia o aroma, depois o sabor e depois o retrogosto”, explica Limongi.

Segundo fase: quem se classifica passa novamente por uma avaliação, desta vez para se saber se a cerveja é boa, e assim merece uma medalha de bronze, muito boa, com direito a prata, ou excelente, digna de medalha de ouro. “Na segunda fase se volta a experimentar a cerveja e se fala: merece medalha ou não merece medalha.”

6.Como se define o campeão?
Na etapa final, a cerveja que mais pontuar – de acordo com o tipo e o número de medalhas que conquistar – é escolhida como a melhor da competição e consequentemente da América do Sul. Cada medalha de ouro vale 3 pontos, enquanto a de prata vale 2 e a de bronze, 1.

7.Quem são os favoritos ao título?

O Brasil, pelo histórico e pela quantidade de cervejarias participantes, é favorito, mas Limongi destaca produções cervejeiras de São Paulo como fortes candidatas. “Teve pessoal do Sul que ganhou muitas vezes, depois o pessoal de BH, de São Paulo. Muitas pessoas ficaram muito perto de ganhar, mas não conseguiram”, diz.

Na última edição, em 2019, os brasileiros levaram 12 das 13 medalhas de ouro, entre 18 cervejarias premiadas.

Os argentinos, como sempre, vêm como fortes candidatos ao título, enquanto outros países, na avaliação de Limongi, devem vir como zebras.

“Uruguai está fazendo um trabalho muito bom, mas ainda falta muito pra poder ganhar uma copa sul-americana. Chile e Peru também estão muito bem.”

  1. Eventos paralelos
    Toda a estrutura da South Beer Cup será aproveitada para estabelecer, em Ribeirão Preto, de maneira definitiva, a 1ª Copa Paulista de Cervejarias, seguindo os mesmos moldes da competição internacional.

“A ideia é que fique aqui para a cidade a Copa Paulista para sempre. Vai ser a primeira edição aproveitando os juízes, a quantidade de gente que vem, de prefeitura e outros organismos. Vamos aproveitar e fazer com que a Copa Paulista fiquei aqui em Ribeirão e dar vida a toda essa tradição que temos aqui, a toda a história que tem Ribeirão.’

Segundo Limongi, legado parecido teve Blumenau, que passou a sedia o Festival Brasileiro de Cervejas depois de realizar a segunda edição da South Beer Cup. “Hoje é o terceiro maior concurso do mundo. Aconteceu porque a South Beer cup passou por ali.’

No mesmo período do concurso, haverá workshops e palestras com profissionais estrangeiros por uma escola internacional especializada em fermentação, além de um festival gastronômico, voltado ao grande público, com bandas ao vivo e cervejarias artesanais de Ribeirão Preto.

“Estamos fechando com uma agência de viagens e vai ter um tour cervejeiro todos os dias”, afirma o representante do polo cervejeiro local.

Fonte: g1.globo.com