Saiba o que é preciso para começar a correr sem nenhum prejuízo à saúde

Em época de pandemia, a corrida se tornou uma das atividades físicas favoritas dos brasileiros. E começar a correr, mesmo que exija alguns cuidados especiais, não é algo tão difícil assim. Os primeiros passos são fazer um check-up e procurar um profissional para montar o treino ideal para você.
Caso a grana esteja curta, use apps como o Strava e o Nike Run Club. Mas seja honesto ao inserir seus dados: se você mentir seu peso ou seu cansaço, o algoritmo não consegue montar um treino adequado.

Aquecimento
Alongamentos são indicados ao final da corrida, para fazer os músculos relaxarem. No começo, aqueça: uma caminhada ou um trote leve mexem partes do corpo como joelho, quadril e tornozelo. O tênis não precisa ser o mais caro da loja, mas deve oferecer conforto – não corra de All Star.

Hidrate-se
Beba água antes, durante e após o treino. Se você for correr mais de 10 km, vale tomar bebidas isotônicas. Não corra em jejum: coma carboidratos de rápida absorção, para ter energia disponível durante o exercício. Pães, frutas, massas e biscoitos podem ser boas opções – mas, sem exagero.

Vá com calma
No começo, corra por minutos, e não quilômetros. Com o tempo, você pode impor outras metas, como correr tanto tempo em tal velocidade ou percorrer tal distância. Evolua devagar para não se machucar. O ideal é que a intensidade do treino aumente menos de 10% por semana.

Falta ânimo
Para disfarçar o cansaço, corra com companhia ou ouça músicas de ritmo agitado, que estimulam e distraem. Vai ajudar.

Todo dia não dá!
Intercale as corridas com dias de descanso ou atividades mais leves, como caminhadas ou treinos de flexibilidade.

o coração vai explodir
Há uma conta fácil para estimar seu limite de batimentos por minuto: 220 menos sua idade. No caso de uma pessoa de 22 anos, por exemplo, 220 – 22 = 198.

Morrer sem fôlego?
Está liberado respirar com a boca. E persista: a capacidade cardiorrespiratória fica firme após oito a dez semanas de treino.