Transtornos alimentares crescem entre jovens durante a pandemia

Transtornos alimentares começaram a aumentar entre os jovens logo após o início da pandemia Covid-19, especialmente devido a fatores como interrupções na vida diária, estresse emocional e mais tempo gasto nas redes sociais.
Um estudo revisado por pares indica que os diagnósticos de transtorno alimentar aumentaram 15% em 2020 entre pessoas com menos de 30 anos em comparação a anos anteriores. Outros estudos sugeriram que os pacientes que já tinham diagnóstico de transtorno alimentar pioraram durante a pandemia. Os pesquisadores relataram um aumento nos sintomas de transtorno alimentar, juntamente com ansiedade e depressão.
Os transtornos alimentares, como lembram Júlia F. Taylor e Sara Groff Stephens, professoras assistentes de pediatria na Universidade de Virginia, incluem anorexia nervosa, bulimia nervosa, transtorno da compulsão alimentar periódica e outros transtornos alimentares e alimentares específicos, como anorexia atípica.

Idade
A idade máxima de início é de 15 a 25 anos, mas os indivíduos podem desenvolver transtornos alimentares em qualquer idade.
Embora os transtornos alimentares tenham sido historicamente subdiagnosticados em certos grupos — especificamente homens, minorias raciais / étnicas e pessoas com peso mais alto, LGBTQ ou de origens mais pobres — o recente aumento relacionado ao Covid em pacientes que procuram atendimento reforçou que nenhum grupo é imune a eles.
Aqui estão três grupos de jovens que muitas vezes são esquecidos quando se trata de transtornos alimentares.

Meninos adolescentes
A pesquisa histórica sobre o diagnóstico de transtornos alimentares tem se concentrado em mulheres. Isso tornou mais difícil para médicos, famílias e pacientes reconhecerem os distúrbios alimentares em homens.
Por exemplo, os meninos adolescentes podem ser mais propensos a se concentrar na força muscular e no uso de esteroides — indicadores que não são capturados nas ferramentas tradicionais de triagem e critérios de diagnóstico voltados para as mulheres.
No entanto, pesquisas mais recentes sugerem que os homens podem ser responsáveis por até metade de todos os casos de transtornos alimentares. Embora os homens provavelmente tenham sido subdiagnosticados em todas as categorias de transtornos alimentares, os adolescentes do sexo masculino parecem ser mais propensos a transtornos alimentares restritivos evitativos.
Este é um transtorno alimentar relativamente novo que envolve a ingestão inadequada de alimentos, mas não se preocupa com a forma ou o tamanho do corpo.

Alimentação desordenada
A alimentação desordenada — um padrão de comportamentos alimentares problemáticos que incluem dieta, pular refeições e sentimentos de vergonha, mas não atende aos critérios formais para um diagnóstico de transtorno alimentar — está sendo cada vez mais relatada por atletas do sexo masculino.
Isso significa que os técnicos do ensino médio e os treinadores esportivos são uma fonte potencial para aumentar a conscientização e o reconhecimento de relações problemáticas com alimentos ou exercícios em jovens do sexo masculino.

Minorias sexuais e de gênero
Estudos recentes também descobriram que os transtornos alimentares e alimentares são mais comuns entre os jovens de minorias sexuais e de gênero do que entre os jovens heterossexuais cisgêneros. Acredita-se que isso esteja relacionado a maiores taxas de insatisfação corporal, estigma e vitimização nesses grupos.
Os psicólogos acreditam que o preconceito e a discriminação que os jovens gays, bissexuais e transgêneros enfrentam aumentam o estresse, os pensamentos negativos e o isolamento. Isso pode levar à insatisfação corporal e transtornos alimentares.
Para os jovens trans em particular, a alimentação desordenada e o foco na forma e no tamanho do corpo também podem estar relacionados à insatisfação com as mudanças físicas durante a puberdade que são inconsistentes com sua identidade de gênero.

Juventude com peso “normal”
Muitos transtornos alimentares não estão associados à magreza. Isso significa que os jovens podem desenvolver complicações médicas sérias relacionadas aos distúrbios alimentares, independentemente do tamanho do corpo.
Por exemplo, adolescentes com anorexia nervosa atípica atendem aos critérios para anorexia nervosa — como medo intenso de ganhar peso ou ficar gordo e comportamento persistente que impede o ganho de peso — mas eles não estão abaixo do peso.
No entanto, eles podem exigir hospitalização devido a desnutrição grave e sinais vitais perigosos, como batimento cardíaco anormalmente lento ou pressão arterial baixa.

Bulimia nervosa
Da mesma forma, os indivíduos com bulimia nervosa — que comem compulsivamente e depois usam vômitos forçados, laxantes ou outros comportamentos prejudiciais à saúde para evitar o ganho de peso — também podem ter índice de massa corporal normal, ou IMC. No entanto, eles podem desenvolver anormalidades eletrolíticas e problemas gastrointestinais graves.

Percebendo os sinais

Cuidadores, treinadores, profissionais de saúde e todos aqueles que interagem com os jovens devem estar cientes do aumento das taxas de transtornos alimentares causados durante a pandemia.
Os sinais de que um jovem pode estar desenvolvendo comportamentos desordenados ou um transtorno alimentar completo nem sempre são óbvios. Por exemplo, as indicações podem incluir: incapacidade de tirar um dia de descanso ou malhar mais do que o recomendado por um técnico ou treinador esportivo; um foco intenso na construção muscular; evitar comer em público; um desejo repentino de comer “limpo” ou eliminar certos grupos de alimentos como laticínios, carnes ou sobremesas; e uso de esteroides, pílulas dietéticas ou laxantes.
Os transtornos alimentares são doenças mentais devastadoras que têm enormes custos sociais e econômicos. Eles também carregam uma das taxas de mortalidade mais altas de todos os diagnósticos psiquiátricos e causam estragos na vida de indivíduos e seus entes queridos.
A intervenção precoce é importante para reduzir a doença de longo prazo e a devastação física e emocional que pode ocorrer com os transtornos alimentares. Romper as barreiras de identificação e tratamento para todos os indivíduos — incluindo meninos, jovens de minorias sexuais e de gênero e crianças em todo o espectro de peso — irá melhorar os resultados para aqueles que lutam com essas doenças significativas.